O Yom Kipur pela perspectiva de um lutador, com o GMI Rodrigo Prujansky

Share it

Rodrigo Prujansky é policial e faixa-preta de Jiu-Jitsu. Foto: Reprodução

A disciplina e o autocontrole são indispensáveis na rotina de um lutador. Antes de duelar com o adversário, o atleta supera privações diárias, como o corte de peso, treino pesado, lazer reduzido, entre outros, para chegar preparado ao combate e alcançar o objetivo traçado. Uma das datas mais importantes do judaísmo é o Yom Kipur, considerado o dia mais sagrado do calendário judaico.

O Yom Kipur é um feriado judaico de jejum extremo. São 26 horas sem água, comida, banho, relação sexual e os demais prazeres. Começa no pôr do sol do dia anterior e acaba ao nascer das estrelas, ao anoitecer, do dia de Yom Kipur.

Nosso GMI, o faixa-preta Rodrigo “Shalom” Prujansky analisou a experiência do Yom Kipur a partir da perspectiva de um lutador. Em bate-papo com a equipe do GRACIEMAG.com, Rodrigo “Shalom” explicou como o lutador pode aproveitar o período do Yom Kipur para renovar as energias e comentou de que forma este feriado judaico pode ser proveitoso para o autoconhecimento e autocontrole.

GRACIEMAG: Qual é o propósito do Yom Kipur?

RODRIGO PRUJANSKY: A ideia é afligir a alma e se conectar com D-us. Esquecer o mundo material e se arrepender de verdade de tudo o que você tenha feito de errado, além de verbalizar seu erro, anular as suas promessas e se comprometer a não mais repeti-los.

Como o período do Yom Kipur pode ser proveitoso para o autoconhecimento e o autocontrole?

Ao compreender que esse período visa diretamente uma conexão do ser humano com o seu interior, na busca de seus erros em ações tomadas ou promessas não cumpridas, seria impossível dissociar que estamos diante de um processo direto de desenvolvimento do autoconhecimento e consequentemente de autocontrole. Quanto mais autoconhecimento e autocontrole você tem, maior a sua capacidade de se “auto motivar” e seguir em frente, mesmo diante de frustrações e desilusões que a vida irá lhe apresentar. Em tempo, eu diria que autoconhecimento seria o conhecimento que uma pessoa tem sobre si mesma em relação as suas características mais marcantes, seus gostos, suas inclinações, e padrões de comportamento e sentimentos. Quanto mais você evoluir no autoconhecimento, maior será o desenvolvimento da autoconfiança necessária para tomar decisões, planejar o futuro e definir objetivos e metas de forma eficiente. Ou seja: vencer, superar as dificuldades e seguir em frente. Uma vez que você tem a noção de como você é, você passa a desenvolver o seu autocontrole, que recai sobe saber controlar seus impulsos, canalizar suas emoções num momento de pressão e manter a serenidade em busca de resolução. Conhecer-se melhor também ajuda no controle das emoções, tanto negativas quanto positivas, e dominá-las é uma forma de evitar problemas de autoestima, ansiedade, frustração e instabilidade emocional. A vida real é uma sequência interminável de problemas e situações difíceis que requerem uma evolução pessoal continua para aprender a lidar com tudo isso.

De que forma os sacrifícios superados no Yom Kipur são importantes para um lutador superar os desafios do dia a dia?

Fazer uma autoanálise real e verdadeira a respeito dos seus atos, de suas palavras e promessas, sentir todas as necessidades físicas diárias que o seu corpo apresenta como fome e sede, e se privar delas durante 26 horas é um exercício diferenciado para todos aqueles que pretendem vencer e melhorar. Um lutador deve entender essa autoanalise no seguinte sentido: o que ele tem errado consigo? Ou seja: A autossabotagem tem sido determinante para que ele não consiga atingir o seu melhor, é preciso compreender isso e não voltar a praticá-los. A privação que ocorre nesse dia de forma extrema e longa pode ser comparada a privação que os lutadores precisam encarar durante o seu dia a dia no equilíbrio de suas vidas para atingirem os seus objetivos. Acordar mais cedo (privação do sono) para poder ir treinar antes de ir trabalhar. Atender a uma dieta equilibrada para melhorar a sua performance (privação de determinados alimentos), treinar cansado ou machucado (privação do descanso) são alguns desses exemplos. Por fim, traduzir de que forma a superação dos sacrifícios de Yom Kipur seriam importantes para um lutador, eu diria que seria em entender que existem momentos em que reconhecer um erro pode ser a maior de suas virtudes, e ao final desse processo, ele se transformaria e evoluiria.

Como o lutador pode aproveitar a experiência do Yom Kipur para renovar as energias?

Um lutador sempre busca se aprimorar tanto na sua arte marcial como ser humano, e esse dia em especial permite que você renove as suas energias num mergulho com o seu interior. Para que isso ocorra, ele precisa desenvolver o que os psicólogos chamam de inteligência emocional, que nada mais é que a capacidade de reconhecer e avaliar os próprios sentimentos e emoções, assim como nos outros, e desenvolver a capacidade de lidar com eles. Acredito que esse alinhamento entre corpo e mente são fundamentais para qualquer lutador que deseja vencer tanto na luta como na vida e queira seguir no caminho do bem.

 

Ler matéria completa Read more

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.