Mitsuyo Maeda

Mitsuyo Maeda

O Conde Koma

Grande mestre Mitsuyo Maeda (1878-1941) aprendeu Jiu-Jitsu no Japão, ganhou o apelido de Conde Koma na Espanha, venceu centenas de lutas em Cuba e disseminou seus conhecimentos no Brasil, para alunos promissores como o jovem Carlos Gracie, em Belém do Pará.

Nascido na pequena Aomori, Maeda era conhecido como “Menino Sumô”, graças ao seu fascínio pela modalidade ensinada pelo pai. Anos depois, foi estudar em Tóquio, conheceu o Jiu-Jitsu original, treinou com Jigoro Kano e se apaixonou pela arte suave.

Segundo pesquisadores, Mitsuyo Maeda recebeu a faixa-preta aos 20 anos, no dia 25 de dezembro de 1898, na célebre escola Kodokan. Para ser graduado, Maeda precisou vencer 15 oponentes no mesmo dia.

No início do século XX, a pedido do grande mestre Jigoro Kano, Maeda foi para São Francisco, nos EUA, disseminar a técnica de luta japonesa. A arte não era uma total novidade no país, no entanto. Na época, graças ao estreitamento dos laços políticos e econômicos entre Japão e EUA, o próprio presidente Theodore Roosevelt já havia treinado, em 1904, com um dos mais renomados alunos de Kano, o mestre japonês Yoshitsugu Yamashita (1865–1935).

O ágil japonês então tomou gosto pela vida nômade e começou a colecionar combates e adversários tombados pelo caminho, não apenas nos EUA como em países como Inglaterra, Bélgica e Espanha. De volta à América, fez diversas apresentações e desafios em países como El Salvador, Costa Rica, Honduras, Panamá, Colômbia, Equador, Peru, Chile e Argentina. Em julho de 1914, o valente japonês de 1,64m e 68kg, segundo consta, desembarcaria no Brasil para fincar raízes e mudar a história do esporte.

Em Belém do Pará, onde decidiu se estabelecer, Conde Koma influenciou Carlos Gracie em muitos outros aspectos além dos treinos na academia. Hábitos alimentares saudáveis, bom humor, paciência e outras qualidades do mestre japonês foram imitadas pelo pupilo Carlos. Koma nunca mais retornou ao Japão para valer e foi enterrado em Belém, tendo seu túmulo cuidado por muitos anos por mestre Yoshizo Machida, pai do campeão Lyoto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Rayron Gracie e os bastidores e lições do documentário “Cartas para meu pai”
Buchecha, Preguiça, Jacaré: uma breve história dos apelidos no Jiu-Jitsu