A lição de Fábio Florêncio: “O Jiu-Jitsu me ensinou a não desistir dos meus sonhos”

Share it

Fábio Florêncio é o fundador da Escola de Lutas FF. Foto: Reprodução

Nosso GMI, o professor Fábio Florêncio é o fundador da Escola de Lutas Fábio Florêncio, sediada no bairro de Bonsucesso, no Rio de Janeiro. O faixa-preta faz um importante trabalho na formação de campeões desde o infantil até a divisão master. Popularmente conhecido como “Pipoca”, Fábio também soma vasta experiência como competidor.

Em bate-papo com a equipe do GRACIEMAG.com, Fábio Florêncio contou como teve a iniciativa de fundar a Escola de Lutas e compartilhou as lições mais importantes que o Jiu-Jitsu o ensinou.

GRACIEMAG: Como você tomou a iniciativa de fundar a Escola de Lutas?

FÁBIO FLORÊNCIO: Sempre tive o objetivo de fundar a minha equipe e de ter meu próprio espaço. Para que isso fosse possível, me aperfeiçoei no que achava que era necessário evoluir e estudei bastante. Mesmo com o passar do tempo,  me aprimoro  para proporcionar o melhor do Jiu-Jitsu em técnica e prática aos meus alunos.

Qual é a origem do apelido, Pipoca?

Um amigo de treino começou a me chamar assim porque eu saltava muito para tentar passar a guarda. Confesso que não gostei do apelido no começo, justamente por isso o apelido pegou. O curioso é que até gosto do apelido hoje em dia.

Quais foram as maiores lições que o Jiu-Jitsu te ensinou?

O Jiu-Jitsu me ensinou a não desistir dos meus objetivos e sonhos. Aprendi que sou capaz de chegar aos lugares que sempre desejei por meio do esporte. Devemos acreditar sempre e não desistir mesmo quando as coisas não saem da forma que planejamos.

Qual é o diferencial da Escola de Lutas Fábio Florêncio em relação a outras equipes da região?

Somos uma equipe que preza pelo ensinamento da escola tradicional e, ao mesmo tempo, se ajusta e se adapta às atualizações e progressos do Jiu-Jitsu sem perder as bases fundamentais e origens do esporte.

Quais foram os principais desafios que você precisou vencer ao longo da sua carreira?

O principal desafio que superei ocorreu quando precisei morar no exterior. Passei uma temporada na Europa, com passagens por Alemanha, Itália e Hungria, e também morei em Lima, no Peru, longe da minha família, dos meus alunos, das minhas raízes. Disputar campeonatos e ministrar palestras em outros países também  foram desafiadores. 

Quando você percebeu que viveria em prol do Jiu-Jitsu?

Sonho em viver do Jiu-Jitsu desde que comecei a treinar. Então me organizei e programei para que isso se tornasse realidade. Sou uma pessoa planejadora e gosto de dar passos firmes em direção ao que desejo, não dou passos em falso. Analiso todas as possibilidades antes de iniciar algo para não fazer uma escolha precipitada.

Ler matéria completa Read more

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.