Jiu-Jitsu e a arte de derrubar preconceitos, por Jean Alves

Share it

[ Por Jean Alves, professor do Sesi no Amapá ]

Outro dia, recebemos a seguinte mensagem de Fabio Nazareno, pai de dois de nossos pequenos alunos, Lucca e Davi: “No início, tínhamos um pouco de receio. Com o tempo, vimos que o Jiu-Jitsu foi uma das melhores coisas que fizemos pelos nossos filhos”.

O receio era compreensível. Afinal, o ensino do Jiu-Jitsu para alunos especiais é uma tarefa complexa que começa com a conquista da confiança para que ele permita que o instrutor entre no mundo deles.

Ganhando a confiança, o professor inicia o trabalho de coordenação motora e psicomotricidade, para que eles comecem a se conhecer para entender e respeitar seus limites.

O Jiu-Jitsu então começa a ser apresentado de maneira lúdica, com brincadeiras… Aos poucos vamos adentrando nos conceitos básicos e na defesa pessoal. Com a base estabelecida, já dá para trabalhar o Jiu-Jitsu completo e técnicas esportivas.

O pequeno Davi (foto acima), que tem síndrome de Down, treina há três anos e evoluiu em todos os aspectos da vida (coordenação motora, interação social, disciplina e foco). De acordo com o pai, Davi depois de vestir o kimono viu sua vida se transformar, não só nos tatames mas também em casa e no colégio.

A presença de alunos especiais é um presente para todos, pois nos ensina a lidar com a diversidade, derrubando todo e qualquer preconceito.

Ler matéria completa Read more
There is 1 comment for this article
  1. Pingback: Jiu-Jitsu e a arte de derrubar preconceitos, por Jean Alves - MMA Crazies

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *