5 atitudes para você pegar logo a faixa-azul, com Caio Nucci

Share it
Caio Nucci é o professor do dia no GRACIEMAG. Foto: arquivo pessoal

O professor e GMI Caio Nucci conversa sobre Jiu-Jitsu com jovens faixas-brancas. Foto: Arquivo Pessoal

O faixa-branca de Jiu-Jitsu sempre tem vez no GRACIEMAG.com, e por isso reforçamos hoje cinco dicas para você conquistar sua faixa-azul.

Nosso mentor neste artigo é o professor Caio Nucci, faixa-preta da Alliance e nosso GMI, que detalhou os caminhos necessários para você subir logo de posto no Jiu-Jitsu. Leia, reflita e bons estudos.

1. Entenda a jornada

“Gosto de, logo nas primeiras aulas, não apenas introduzir aspectos técnicos, mas sim, conversar e explicar sobre o Jiu-Jitsu e a metodologia da equipe”, explica professor Caio. “O começo da jornada na arte é a etapa em que a maioria desiste, por isso é muito importante fazer o iniciante entender o Jiu-Jitsu como um todo, desde a defesa pessoal até a postura e comportamento dentro e fora da academia”.

2. Dedicação

“A dedicação é um aspecto fundamental em qualquer área da vida, mas ao mesmo tempo, é difícil de ser posto em prática. Procuro sempre mostrar que todos nós, inevitavelmente, passamos por problemas ou dificuldades rotineiras que atrapalham nossos treinos. Porém, se quisermos nos graduar e realmente evoluir no esporte que amamos, será necessário dedicação e foco. Não existe atalho”, garante Nucci.

3. Base sólida

“Toda jornada de sucesso começa com uma base sólida. Esse conceito deve ser aplicado desde as primeiras aulas, de defesa pessoal até o exame para faixa-azul. Com a grande quantidade de informações e posições que vemos hoje em dia, os alunos tentam pular etapas e fugir dos movimentos básicos. Para evitar isso, sempre mostro que evitar as técnicas fundamentais acaba sendo fatal para a evolução do seu jogo no Jiu-Jitsu”.

4. Seja pontual

“Frequência e pontualidade. Essas são duas palavras chaves que ressalto em minha aulas. A receita é simples: quem treina evolui. Para mim, não existe milagre ou sorte, e sim muito suor deixado no tatame. Com pontualidade e assiduidade, conforme vamos praticando, adquirimos disciplina e equilíbrio para evitar os excessos em qualquer área de nossas vidas”, prega o faixa-preta da Alliance.

5. A arte de sair da sombra

“Sempre peço para meus alunos iniciantes arriscarem as técnicas que acabaram de aprender. É natural utilizarmos os aspectos mais fortes que temos na hora do treino para não ‘perdermos’ do companheiro. Mas essa é uma visão muito estreita de Jiu-Jitsu e atrasa a evolução. Prefiro o aluno que arrisque e seja finalizado dez vezes do que aquele que evita correr riscos e não tenta nenhuma posição”, conclui Caio Nucci.

Ler matéria completa Read more
There are 6 comments for this article
  1. Sants Reys at 12:47 pm

    Parabéns professor.mas a maioria dos professores que conheço aqui mal sabe de como se originou o jiu-jitsu que dira didatica de ensino no ticante a desenvolver o aluno em todos os aspectos que se pode otimizar,no próprio aluno.Infelizmente existem professores que acham que postura arrogante e autoritarismo leva ao aprendizado.se nao fosse pela arte em sim e minhas pesquisas em jiu-jitsu, por certo pelas pessoas que conheço eu já. Teria abandonado.sugiro uma matéria sobre o assunto.AUTORITARISMO E DITADURA NOS TATAMES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *