Qual o erro mais comum na passagem de guarda? Novo professor em Portugal analisa

Share it

Carlos “Cobrinha”, nosso correspondente no campo de batalha do Europeu da IBJJF. Foto: Arquivo Pessoal

Nosso correspondente em Portugal, o faixa-preta Carlos “Cobrinha” Ozório acaba de abrir sua academia na Vila Nova de Gaia, no Porto. O professor da escola Carlos Cobrinha BJJ, que teve aulas com o bicampeão mundial absoluto Amaury Bitetti, entre outros cascas-grossas formados por Carlson Gracie, aproveitou o embalo para, a pedido do GRACIEMAG.com, passar suas dicas para o leitor que pretende se aprofundar nas passagens de guarda.

“O Bitetti foi um dos maiores passadores de guarda de seu tempo, sempre com um jogo sólido por cima. Carrego alguns dos macetes por ele ensinados até hoje, assim como de meus outros professores. A passagem de guarda sempre foi um ponto fundamental na nossa escola”, lembra Cobrinha.

Mas qual seria o erro mais comum cometido pelos passadores de guarda iniciantes? Cobrinha reflete sobre a questão, e responde: “Não desconfiar das manhas dos guardeiros e forçar a passagem com afobação certamente são dois dos erros mais comuns que costumo observar.”

A seguir, as cinco lições que Carlos Cobrinha tem aprendido após tantos anos observando de perto tantos astros do Jiu-Jitsu – e treinando com eles, sempre que há chance.

1. Postura e equilíbrio

Não adianta se afobar. Ao iniciar o processo que envolve passar a guarda, é importante ajustar bem as pegadas e estar com a postura correta, para iniciar a passagem bem equilibrado. Se a pegada ou a postura não estiver perfeita, é melhor dar um passo para trás, ajustar sua base novamente e só então repetir a passagem em segurança.

2. Progressão é sucesso

Na maioria das vezes, as guardas complicadas são vencidas por meio de uma progressão de domínios. Você ganha uma escala de domínios numa crescente, na medida em que neutraliza as armas do oponente. Por exemplo, no começo uma postura que dificulta o oponente, depois você estoura a pegada, a seguir neutraliza uma das pernas do adversário, então controla seu quadril e costas e começa a dominar as golas e pescoço, no abafa final para concluir a passagem. Claro, existem passagens na base de botes que surpreendem o oponente, mas acredito que a maioria das vezes vencemos as guardas aos poucos. Gosto, particularmente, de sempre neutralizar uma das pernas do oponente – ou ajoelhando em cima, ou pressionando as pernas para baixo, ou emborcando ou forçando a meia-guarda – antes de avançar para o controle do tronco e pescoço. Por fim, lembre-se de no fim do passo a passo chapar o outro lutador no solo, para deixá-lo sempre no desconforto.

3. Simplicidade e ajuste

Se as raspagens dão mais margem para as chamadas técnicas plásticas ou acrobáticas, eu creio que durante as passagens, na maioria das vezes, menos é mais. Concentre-se nos ajustes das pegadas e na pressão imposta no guardeiro. Ele tem de se sentir desconfortável, abafado, e para isso você não precisa inventar estripulias.

4. Desconfie do caminho aberto

O bom guardeiro tem uma infinidade de armadilhas para infernizar a vida do passador. Se surgir aquela mão muito profunda na sua gola, ou um gancho no braço com muita pressão, um domínio de lapelas intrigante… Desmantele isso, mesmo que você nem saiba o que o adversário está armando para tentar iludir. Se for necessário voltar casas atrás no processo de progressão para a passagem, assim o faça. É melhor ser precavido e evitar surpresas. Depois, não deixe mais o oponente voltar a fazer aquele domínio. Deixar o guardeiro frustrado é sempre um trunfo rumo à passagem.

5. Repetir, repetir e repetir

Não há fórmula mágica: é importante repetirmos as posições e drills muitas vezes, milhares de vezes, por toda a vida. Normalmente são movimentos simples e básicos, mas que treinados em constância e demasia nos deixam com o reflexo apurado. Com o tempo, nos treinos e nas competições, esses movimentos acabam executados quase que no modo automático. Descarte reclamações e pensamentos como o clássico: ”Ah professor, já fizemos isso mil vezes!”. Se você já repetiu mil vezes na vida a mesma posição, tenha certeza que ainda será melhor nela quando a repetir 1 milhão de vezes!

Confira, para completar sua aula de passagem de guarda, um vídeo com drills simples e eficientes treinados na academia Carlos Cobrinha BJJ:

Ler matéria completa Read more
There are 4 comments for this article