Relembre a virada que marcou o Mundial de Jiu-Jitsu, há dez anos

Share it

ROberto Cyborg no duelo contra Braga Neto, no Mundial de 2010. Foto: Ray Santana

* Artigo publicado originalmente nas páginas da GRACIEMAG #248 . Para mais conteúdos exclusivos com o melhor do Jiu-Jitsu mundial, assine a revista mais tradicional do esporte em formato digital *

Aconteceu no Mundial 2010, durante uma das semifinais da categoria adulto entre faixas-pretas pesadíssimos. Antônio Braga Neto começou o combate puxando Roberto Cyborg para a guarda e experimentando alguns desequilíbrios contra a base forte do rival.

Aos 3min, Braga conseguiu a raspagem e, logo em seguida, dominou as costas do oponente, contabilizando confortáveis 6 a 0 no placar. A partir daí, Cyborg sofreria exatos 4min30s de ataques pela retaguarda.

Os alunos do atleta do Mato Grosso do Sul, hoje radicado em Miami, nos Estados Unidos, desesperaram-se à beira da área de combate. “Não bate, não! Vamos sair daí, Robertinho!”, gritavam. Cada vez mais, Neto aprofundava a mão cruzada na gola de Cyborg, graduando a asfixia.

No momento mais crítico da blitz, o aluno de Roberto Gordo submeteu o adversário à posição conhecida popularmente como “espalha-frango”. Com um misto de raça, sangue-frio e muita técnica, Cyborg escapou dos ganchos inimigos. Faltavam cerca de 30 segundos para o fim da luta.

Durante a escapada, o guerreiro do Pantanal se viu numa embolação típica da posição em que é especialista: a guarda-tornado. Girou o corpo rapidamente e aprisionou Braga Neto com este triângulo redentor. Pego de surpresa, o aluno de Roberto Gordo não teve tempo de reação e, atônito, deu os três tapinhas.

O público na pirâmide de Long Beach aplaudiu de pé. Todos ali sabiam que se tratava de uma das maiores reviravoltas já testemunhadas naquela arena.

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *