Rosado: “O Jiu-Jitsu ajuda até a manter os laços familiares e os relacionamentos”

Share it

Mestre Rosado e a força do seu laço com a família. Foto: Arquivo pessoal

Entrevista original publicada nas páginas da GRACIEMAG número #259, de 2018. Para ler outros artigos clássicos sobre o melhor do Jiu-Jitsu, assine a GRACIEMAG digital!

Antes de iniciar sua entrevista com GRACIEMAG, mestre Carlos Antonio Rosado pede um instantinho e mede como está a glicose no seu sangue. “A taxa está boa, 127. Podemos começar a conversa”, pisca o faixa-vermelha. De fato, o famigerado aluno de Carlson Gracie está um doce: num papo raro, franco e exclusivo, realizado numa noite de agosto, o mestre recorda como a filosofia do Jiu-Jitsu foi importante até mesmo quando ele se apaixonou à primeira vista por uma certa moça que passava por Copacabana, e que há 50 anos se tornou sua mulher. “Eu vi a Gracinha (dona Maria das Graças) pela primeira vez, estava atravessando a rua, e pensei com a cabeça de lutador: se eu não aproveitar agora eu não vou ter outra chance. E fui lá”, recorda o professor. Rosado, que continua vestindo o kimono toda semana para ensinar, lembrou de várias histórias, como a vez que precisou se consultar com grande mestre Carlos Gracie, e outros episódios memoráveis.

GRACIEMAG: Fala-se muito no poder do Jiu-Jitsu na formação dos indivíduos, e pouco em como a arte ajuda a fortalecer famílias e os relacionamentos. Qual para você é a grande força do Jiu-Jitsu, mestre?

CARLOS ROSADO: O Jiu-Jitsu tem um papel fundamental que é o de deixar a pessoa segura. Os anos de treino, a luta contra outro indivíduo, passam segurança para você enfrentar qualquer situação, e isso serve para crianças, adultos e senhores. Eu, por exemplo, era um rapaz extremamente introvertido, tímido mesmo. Anos depois, graças ao Jiu-Jitsu, era um empresário que precisava conversar com donos de banco, políticos e outros poderosos, e fazia isso sem qualquer tipo de acanhamento, olho no olho, mão firme ao cumprimentar qualquer um. Com o Jiu-Jitsu o sujeito perde suas inseguranças, e nada mais o intimida.

Como essa firmeza ajuda em casa?

Para você ter uma ideia, quando o Carlson abriu em Copacabana uma turma feminina, minha esposa foi uma das primeiras a aparecer. E o pessoal não acredita, mas ela sempre arrumava um modo de me ganhar! Era a única na academia que me vencia com facilidade. Jamais consegui vencê-la, e o pior é que é verdade. A partir daí, com o casal treinando, nossos três filhos passaram a seguir o exemplo e também iam para a academia em vez de ficar fazendo besteira na esquina. Hoje meu filho (Carlos “Massa”) é faixa-preta e meus três netos também já treinam. Como a família Gracie sempre demonstrou, nada melhor que pais e filhos treinando, isso estreita a relação em casa, facilita as conversas sérias. Em casa, na vida a dois, é preciso paciência, perseverança, e o Jiu-Jitsu ajuda nisso também: você aprende que há sempre os dias bons e dias ruins, e não desiste nas primeiras brigas. Você pensa: eu vou domar essa fera! Ela não vai me convencer a desistir! (Risos).

E você acha que o Jiu-Jitsu também o ajudou a conquistar sua esposa, há 50 anos?

Não tenho a menor dúvida disso. Pelo seguinte, eu estava dirigindo pela Nossa Senhora de Copacabana e ela atravessou a rua na minha frente, aquela garota linda. Pensei como lutador: é agora, se eu não aproveitar agora eu não vou ter outra chance. E fui lá. A maior ilusão que a gente tem na vida é que as oportunidades vão voltar a aparecer. Na luta a gente percebe que em 99% das vezes aquelas chances são únicas. Não existe “a próxima vez”.

O que mais você aprendeu na arena de mestre Carlson, na Figueiredo Magalhães?

Tenho mais de 50 anos de Jiu-Jitsu e creio que a grande lição é: treine, treine e treine que você vai chegar lá, como eu cheguei. Uns vão chegar mais rapidamente que os outros, mas basta voltar no dia seguinte que o camarada vai chegar lá. Acho que nunca tive o dom, mas fiquei à vontade para a coisa. Tanto que comecei a me destacar na maior arena de lutas da minha época, uma sala em que só entrava lutador gabaritado. Era sobrevivência na selva. Tinha faixa-azul, roxa, marrom, preta e vermelha, a cor da faixa não interessava que o Carlson nem ligava muito para isso, o que importava era que ali só tinha fera. Tanto que o professor Carlos adorava ficar ali, sentadinho de pernas cruzadas espiando a gente. Ele curtia me ver lutar, eu passando o cerol e ele sentado ali e sorrindo.

Mestre Rosado faz guarda para o filho faixa-preta, Carlos “Massa” Rosado. Foto: Marcelo Dunlop

E como eram os clássicos desafios, com o pessoal de outras academias aparecendo?

Aquilo era um imprevisto que cada dia mais se tornava rotineiro, de tanto que ocorria. Vinha lutador de todos os cantos do país e até do Japão para nos “visitar”, e o Carlson me convocava na hora. Juntava gente para assistir, e eu não tinha escolha: eu precisava estar pronto física e tecnicamente, era necessário treinar cada vez mais para não desapontar o Carlson. E quando um surgia eu não tinha como dizer que estava gripado, com o dedo machucado, ou que já tinha dado tantos treinos, que você não podia correr do pau. Meu orgulho é que sempre que apareceu um visitante, eu fiz bonito, para alegria do mestre Carlson. Isso é o maior prazer que tenho, poder ter dado alegrias a ele. E se eu pudesse, agradeceria a cada um dos meus oponentes. Foram esses camaradas que me fizeram ser como sou hoje. Teve vezes em que eu pensava ter crescido confiante e seguro naturalmente, que era algo que brotara com os anos. Só depois, observando o comportamento dos meus alunos, pude enfim perceber como o Jiu-Jitsu modifica a pessoa. O jeito de ser, a maneira de apertar a mão, como eles olham nos olhos. O sujeito entra na academia de um jeito e sai outro. Foi o Jiu-Jitsu, meus parceiros de treinos e rivais que me fizeram assim.

Muita gente ainda crê que o Jiu-Jitsu requer um dom, uma habilidade natural. Como foi para você?

Olha, eu não tinha jeito para nenhum esporte, nada. Tentei basquete, futebol, sinuca, pingue-pongue, e eu era terrível. Me escondia na praia quando era garoto para que ninguém me chamasse para jogar nada. Quando jogava vôlei, rezava para a bola não vir na minha direção! Até que fui parar no Jiu-Jitsu com 16 anos e percebi que tinha um biótipo bom para a coisa. E se não fosse o Jiu-Jitsu, eu talvez fosse hoje um camarada frustrado, que juraria que não sabe fazer nada, com zero habilidade atlética. Por isso quando cruzo com um conhecido sedentário, o convido para conhecer o Jiu-Jitsu. E quando o sujeito diz que está sem tempo mas vai aparecer, eu respondo: “Se você não conseguir aparecer, não vai mudar em nada a minha vida. Mas se você começar a treinar Jiu-Jitsu, eu sim vou mudar a sua”.

Como foi seu caso com a diabetes, e como o grande mestre Carlos o ajudou?

Isso já tem uns 40 anos, começou quando eu tinha 30. De um dia para o outro, eu que tinha mais de 85kg comecei a emagrecer e percebi que algo estava errado. Numa semana, perdi dez quilos. Quando descobri o que era e me disseram que a diabetes não tinha cura, tentei de tudo. Até que o Carlson me levou para ver seu pai, que me atendeu. Ele me receitou um chá, dieta à base de queijos e figo, o espaçamento de horas entre as refeições e me disse o que eu não podia misturar. Eu tratei a doença com a Dieta Gracie por um ano. Me ajudou muito a conviver com a doença no início, mas depois precisei mesmo tomar insulina, porque meu diabetes é do tipo 1, mais agressivo. O curioso é que a doença podia ter me feito desistir de treinar e competir, mas foi o contrário: eu passei a malhar mais, comecei na ginástica forte e me tornei um lutador ainda mais casca-grossa, pois malhava de noite e fazia Jiu-Jitsu de manhã, quando isso ainda não era comum.

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. José Ricardo at 10:24 pm

    Oss Grande mestre Rosado, tive a honra de conhecer o Sr. Em seu QG. no Rio de Janeiro, e de está em seu seminário aqui em Recife-PE na academia do meu professor Gutenberg Melo faixa preta formado pelo GM Carlson Gracie. Todo respeito… Oss 🥋 José Ricardo.

  2. JULIO DINIZ PINTO at 4:34 pm

    Mestre Rosado, ao ingressar na academia do mestre Carson , por volta de 1980, logo consegui a faixa azul e tive o prazer de treinar com você ainda faixa marrom.
    Como tinha uma guarda muito boa toda vez que chegava na academia, as terças feiras, você mestre me chamava para treinar
    E eu tomava um couro, mais aprendi muito infelizmente por causa do meu trabalho me mudei para outro estado, mais lembro com saudades aqueles bons tempos da Figueiredo de Magalhães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *