A arte de meter 59 a 0 no Jiu-Jitsu, com Lucas Pinheiro

Share it

Lucas Pinheiro com seus dois ouros, com e sem kimono. Foto: Divulgação

A cidade de Austin é especial para Lucas Pinheiro. Foi na capital do Texas que ele conquistou o seu primeiro título na faixa-preta, em 2015, e também foi o local onde conheceu a sua esposa. No último final de semana ele voltou a cidade para a disputa do Austin International Open de Jiu-Jitsu da IBJJF, e adicionou mais um belo capítulo para a sua história. Além de faturar o sexto título no campeonato, ele teve na torcida a sua filha recém-nascida, um incentivo a mais para que ele chegasse ao lugar mais alto do pódio nas disputas com e sem kimono.

“Este foi o meu sexto título no evento. Foram três conquistas com kimono e três sem kimono. Austin é realmente um lugar especial pra mim. Além de ter sido a cidade onde conquistei o meu primeiro título como faixa-preta, foi onde também conheci a minha esposa. Desde então, lutei praticamente todos os anos. Austin fica a três horas de Dallas, onde eu moro. Sempre vou para lutar e aproveitar com a minha esposa, e dessa vez levei a minha filha que tem apenas 20 dias de vida. Mas minha filha ficou só no hotel. O pediatra não autorizou ela ir para o campeonato porque ainda não tem as vacinas necessárias. Mesmo ela não tendo ido até o ginásio, foi tudo diferente”, se emocionou Lucas.

No sábado, Lucas faturou a medalha de ouro nas disputas de kimono na categoria peso-pluma com uma grande performance. No domingo, ele voltou para as disputas No Gi (sem kimono) e teve uma atuação ainda melhor ao anotar o expressivo placar de 59 a 0 na categoria peso-pena e ficar com mais um ouro na competição.

“Eu sempre busco a finalização. E nessa luta eu busquei do começo ao fim, tanto que tive oito vantagens por tentativas de finalização. Mas não é fácil finalizar um adversário mais pesado que você. O peso, a altura, a estrutura do corpo… Tudo é diferente em relação aos meus adversários de peso galo ou pluma. Mas o importante foi conquistar o título. No sábado, quando voltei do campeonato, fiquei feliz de trazer a primeira medalha de ouro para a minha filha, mas fiquei preocupado em não conseguir dormir a noite. Mas dei o leite dela e coloquei ela pra dormir. Ainda bem que ela dorme super bem. Deu para descansar a noite toda e ser campeão No Gi no outro dia (risos)”, brincou o faixa-preta da Atos.

(Fonte: Assessoria de imprensa)

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *