A chama de competir alimenta a chama de ensinar, por Guilherme Iunes

Share it

Iunes passa a perna para finalizar na omoplata. Foto: Reprodução

Nosso GMI Guilherme Iunes, líder das academias Gracie Barra Recreio e GB Bandeirantes, no Rio de Janeiro, é um dos maiores colecionadores de medalhas do circuito da IBJJF atualmente, procurando estar sempre ativo e em forma para liderar seus pupilos em qualquer campeonato.

Para o professor Iunes, a consistência nos torneios é um método dos mais eficazes para turbinar seu conhecimento como instrutor, numa via de mão dupla que só fortalece a academia, a relação aluno-professor e, claro, sua boa forma – física e mental. “O melhor de tudo é que hoje temos uma equipe bem sólida de competição”, elogia Gui Iunes, “em que um inspira o outro. Muitas vezes são os alunos que me motivam e inspiram a lutar”.

A equipe GRACIEMAG bateu um papo com o professor sobre como e de que modo ser um atleta contribui para ele ser, cada vez mais, um bom professor nas escolas GB. Confira!

GRACIEMAG: A cada torneio que você compete, você costuma descer do pódio com alguma novidade para os alunos?
GUI IUNES: Sempre. O que acontece é que nos campeonatos de alto nível, a dificuldade em encaixar posições é bem maior do que nos treininhos. Os oponentes resistem mais, são qualificados e em ótima forma, além de estarem ali para não perder! Logo, isso nos obriga a aprimorar nos mínimos detalhes nossas técnicas, para que sejam eficientes ao extremo. As competições, portanto, são os melhores testes para vermos o que funciona e o que precisamos de ajustes, algum detalhe ou ângulo a aperfeiçoar.

Pode dar um exemplo de um pequeno ajuste que você percebeu ao competir e vencer entre faixas-pretas?
Sim, sempre aprendemos muito. Ocorre muitas vezes também que, pela rapidez que a reação exige numa luta de campeonato, precisamos adaptar alguma técnica ali na hora, por puro instinto. Foi o que aconteceu certa vez, quando consegui matar uma raspagem de lapela num evento da IBJJF no Rio. Depois do torneio, fomos meu irmão e eu para a academia, onde aprimoramos a posição, e assim passamos a ensinar esta variação. E usar nos campeonatos seguintes com eficácia, claro.

Há outra variação de técnica que você deve à sua rotina de campeão?
Sim, há algumas. Tenho um detalhe na pegada das costas que aprendi aplicando na prática, nos torneio. Um detalhe que encaixou melhor para mim, sabe? Bem, a pedido de alguns alunos que perceberam como eu usava nos torneios, hoje eu ensino a pegada de costas como eu aprendi, o fundamento, e também a forma que eu utilizo. É a maravilha do Jiu-Jitsu, há sempre uma variação, a técnica é infinita.

Qual foi a maior lição que você aprendeu no campo de batalhas dos torneios?
Ao lutar você aprende o valor de jamais desistir. Eu já ganhei lutas faltando poucos segundos – e já perdi também, o que demonstra que você nunca pode relaxar também. É uma lição para a vida toda.

Como você se organiza para ensinar, competir, fazer a preparação física etc?
Olha, sempre que começo uma semana, eu escrevo e detalho todo o cronograma no papel ou no celular, o que otimiza meu tempo. Ao passar para uma planilha, você aprende quanto tempo terá de descanso, quanto tempo terá para comer, para treinar, para descansar e trabalhar.

Seu espírito de competidor rendeu uma amizade bem curiosa, com uma fera da Chute Boxe, certo? Poderia contar esta saga?
É, fomos apresentados pelo meu primo Wagner Guimarães “Color”. Aconteceu que fui visitar uma academia aqui no Rio e acabei dando aquele aperto num cara. No dia seguinte, era treino de muay thai. Eu estava treinado, afiado em pé, mas o cara foi à forra e me espancou. Fiquei pensativo, como o cara tinha conseguido acertar tanta joelhada, não era possível… E assim ficamos: eu salgava o cara no chão, ele me salgava no muay thai. Até que meu primo riu muito e revelou: era o Airton Nogoceke, grau preto da Chute Boxe. Sentamos um dia após um sanhaço, e conversamos: “Ou um vai morrer nessa ou vamos ficar duros pra caramba!”. E assim criamos uma amizade forte, hoje temos uma parceria e treinamos juntos jovens atletas de MMA.

E você, quer divulgar seu trabalho e sua história no Jiu-Jitsu? Seja um GMI e entre para o programa GRACIEMAG Indica – saiba mais clicando aqui!

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *