Entrevista exclusiva: Gustavo Batista e a consistência para vencer no Jiu-Jitsu

Share it

Gustavo vibra com a conquista no absoluto do Europeu. Foto: Marco Aurelio/Arena Jiu-Jitsu

O faixa-preta Gustavo Batista, 22 anos, não parece ter tempo a perder. Um sinal disso foi ao responder nossa entrevista, feita após o ouro absoluto no Europeu de Jiu-Jitsu de 2019, no fim de janeiro. O craque da Atos leu as perguntas cabulosas enviadas pelo celular, refletiu e respondeu bonito, em pouco mais de uma hora.

Como atleta, Batista tampouco perde tempo. Foi campeão mundial como faixa-azul em 2015 – e em 2018 já repetia o feito com a faixa-preta na cintura.

Nos Europeus, ele costuma dar ainda mais “sorte”, palavra que pode significar competência para aproveitar as oportunidades: Gustavo venceu todas as vezes em que lutou em Portugal. Foi ouro no peso e absoluto na azul (2015), roxa (2016), marrom (2017) e, agora, na faixa-preta. De quebra, tornou-se um dos mais jovens lutadores a conquistar o absoluto faixa-preta no Europeu – só perde, por poucos meses, para Rodolfo Vieira, campeão com 22 anos e 4 meses, no ano de 2012. Batista, contudo, ficou à frente de Roger Gracie, campeão absoluto com 24 anos, em 2005.

Mais recentemente, no Los Angeles BJJ Pro, Gustavo faturou o prêmio no peso pesado, ao vencer Fellipe Trovo pelo topo do pódio e o cheque de 4 mil dólares, já no esquenta rumo ao Pan deste ano. GRACIEMAG bateu um papo com o catarinense para tentar arrancar sua receita para ser um lutador vitorioso. Confira, e assine já a revista para os melhores artigos.

GRACIEMAG: Depois do Europeu, mais um título no BJJ Pro. O que aprendeu na competição?
GUSTAVO BATISTA:
Gosto sempre de me manter ativo, competindo. Lutei o BJJ Pro de Los Angeles da IBJJF para manter o ritmo, mas também pela premiação em dinheiro. Consegui trabalhar tudo que venho treinando, minha guarda, as passagens e também derrubar que é uma parte que venho aprendendo bastante aqui nos treinos na Atos.

Você está morando em San Diego, na Califa; nasceu em Palhoça, mudou para São Paulo, e agora para os EUA. Passou por muita aventura antes de se consagrar?
Sempre busquei atingir um próximo nível, e no Jiu-Jitsu essa evolução exige que a gente não perca tempo se quer evoluir como competidor. Treinei na minha cidade até a faixa-azul, e lá percebi que precisava de um treino mais voltado para as competições. Foi quando fui para São Paulo, onde evoluí bastante e me tornei faixa-preta. Depois, chegou a hora de dar mais um passo na carreira, em busca de maior profissionalização. As dificuldades foram diversas: críticas, dificuldade financeira, más condições de moradia, falta de patrocinadores. Mas eu sabia que todas essas complicações seriam temporárias. Graças a Deus, tudo correu como o esperado, a vida melhorou e os títulos estão vindo. Valeu muito a pena.

O que você buscava exatamente ao se mudar da NS Brotherhood para a Atos? Encontrou?
Buscava mais trabalho em equipe, apoio para a minha carreira e a visão de um professor como o André Galvão, que é um atleta muito experiente, renomado e um exemplo de líder. Buscava em resumo uma profissionalização maior. E encontrei, sim.

Você se inspira em quem ao lutar?
Desde o meu início sempre me inspirei no Rodolfo Vieira (GFTeam). Também gosto muito do Jiu-Jitsu do meu professor André Galvão e do Lucas Lepri (Alliance) – são os três caras a que mais assistia em vídeos. Eu acho o meu jogo por cima um pouco parecido com do Lucas, inclusive.

Então você estava com tudo mapeado antes da final do absoluto no Europeu…
(Risos) Sim, graças a isso eu conhecia o jogo dele a fundo, o que me ajudou.

Você venceu o Lepri por 10 a 0. Qual foi o lance decisivo da luta?
Acredito que foi mesmo o início, quando eu chamei para a guarda já conseguindo efetuar a raspagem. Foi um fator decisivo para a luta, afinal eu consegui abrir logo 2 a 0 contra um cara experiente e técnico, e ainda ficando por cima. Foi uma vitória importante contra um grande atleta, mas já passou. Agora é continuar o trabalho e pensar nos próximos objetivos.

Você venceu todos os Europeus que disputou, da azul à preta. Existe uma receita para isso?
Não sei. O que procuro é me manter treinando o ano todo. Mantenho a constância nos treinos em toda a temporada, inclusive no fim do ano, afinal o Europeu já é em janeiro. Uma receita que tem dado certo para mim é recarregar as baterias na minha cidade natal em dezembro. Viajo sempre para lá e conto com a ajuda dos meus velhos amigos nos treinos, e com a comida da minha mãe, que faz mágica (risos). Minha cabeça procura sempre evoluir e aprender coisas novas para melhorar meu Jiu-Jitsu – acho que a receita para um Jiu-Jitsu eficiente é a evolução constante. Não podemos parar de aprender.

Quando vimos você vencer o Mundial 2015 em Long Beach, ainda como faixa-azul, sua pressão era de impressionar. Acha que seu estilo de jogo mudou muito de lá para cá?
Mudou um pouco. Creio que eu já tinha um jogo sólido para a faixa-azul, pois sempre busquei extrair o máximo de aprendizado dos meus companheiros graduados à minha volta.

Conte uma história boa que você viveu na época em que treinava com os Miyao, que este ano também varreram a concorrência no Europeu…
Não sei se tenho uma boa história, mas tenho boas lembranças. Teve uma vez em que treinamos tanto que ficamos até doentes (risos). Eles realmente treinam muito e são muito regrados. Aprendi muita coisa com o Paulo e o João, dois caras que me ajudaram a evoluir bastante nessa época. São exemplos de atletas e pessoas.

Suas raspagens e sua pressão por cima parecem bem niveladas. Como treinar para alcançar isso?
Tento me desafiar nos treinos. Por exemplo, se você se sente melhor por cima, tem de se desafiar e fazer guarda. E vice-versa. Sem medo de sufoco. É importante treinar a sua dificuldade porque isso pode e vai acontecer nos campeonatos. E tem um ponto interessante nisso: quando o objetivo do seu treino é melhorar suas dificuldades, você consequentemente ganha em motivação, pois passa a treinar com mais vontade de solucionar aquele problema, corrigir a falha.

Como são seus treinos hoje?
Os treinos com o professor Galvão são bem variados: faço alguns drills, treinos específicos e bastante rola também. O treino tem sempre um formato diferente e bem desafiador. Três vezes na semana, faço preparação física bem específica para o Jiu-Jitsu. Em média eu treino quatro a cinco horas diárias, depende do dia.

O que você aprendeu sobre campeonatos com a Luiza, sua namorada?
Aprendi muito. A Luiza é mais experiente do que eu na faixa-preta e me passa bastante o que viveu de bom e ruim nos tatames, tudo o que ela já passou em treinos e competições. Isso me ajuda bastante.

Você deu uma tropeçada em Mundiais, na roxa e marrom, certo? O que aprendeu ali?
Sim, as derrotas são ruins, mas ajudaram a manter a minha sede de querer melhorar cada vez mais até conquistar a faixa-preta. Desde a azul eu sempre treinei pensando em evoluir ao máximo, e aprendi que as faixas coloridas são importantes para adquirir experiências, boas e más, para a hora da verdade. A lição é que não podemos nos abalar com as derrotas no início da carreira, porque é quando chegamos à faixa-preta que tudo realmente importa.

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *