Organizador do BJJ Stars, Fepa Lopes comenta escolha do card e mira evolução do Jiu-Jitsu

Share it

Fepa Lopes com Isaque Bahiense, um dos escalados para o evento. Foto: Arquivo pessoal

Faixa-preta de Jiu-Jitsu e nosso professor GMI da equipe Pedra 90, Fernando Lopes não figura apenas como propagador da arte suave nos tatames. Organizador de eventos há quase 20 anos, Fepa está a frente do ambicioso projeto do BJJ Stars, que será realizado no dia 23 de fevereiro, e tem sido considerado por fãs do Jiu-Jitsu como o maior card da modalidade já montado.

Nomes como Marcus Buchecha, Leandro Lo, Fernando Tererê, Roberto Godoi, Felipe Preguiça, Erberth Santos e mais uma legião de campeões mundiais e craques do esporte integram o card. Mas como conseguir captar tantos talentos num só evento? GRACIEMAG procurou Fernando e este falou sobre seus projetos futuros, a organização para fazer o sonho de um grande card se tornar realidade e os bastidores do convite de algumas das feras escaladas para o show, que acontece em São Paulo. Confira na entrevista abaixo!

GRACIEMAG.com: Grande evento montado para esta edição de faixas-pretas do BJJ Stars. Num cenário de relativa crise, vocês voltaram com tudo. Qual é o segredo?

Fepa Lopes: Já fazia tempo que estava com vontade de voltar com os grandes eventos. Reuni um grupo de amigos, que trabalham com outros segmentos, falei da ideia e todos abraçaram o projeto, acreditando que o nosso esporte precisa de algo grandioso no nosso país, que é berço da modalidade. Sim, voltamos pra arrebentar!

Existe algum plano de migrar para eventos de MMA também ou o seu foco são os eventos de Jiu-Jitsu?

O foco sempre foi o Jiu-Jitsu, acreditamos que no nosso país o MMA, se não for o UFC, as marcas não querem nem conhecer o projeto. E nós podemos ter o nosso “UFC do Jiu-Jitsu”.

Qual a grande mudança na produção de eventos que você enxerga desde os primeiros desafios que você realizava há quase 20 anos atrás para os eventos de hoje?

Acho que de 2002 pra cá tiveram várias evoluções tecnológicas. Hoje temos desde painéis de led com definição perfeita, captação de imagens para transmissões com câmeras em Full HD, entre outras coisas. Outro grande diferencial é que, naquela época, não existia verba. Hoje temos investidores acreditando que faremos o maior evento de Jiu-Jitsu do mundo.

Como foi o processo de escolha das lutas do card?

Foi um conjunto de ideias. Montamos um grupo de sócios com visões de dentro e fora do segmento, e decidimos mesclar grandes clássicos das antigas com o que há de melhor no Jiu-Jitsu atual. Com certeza temos mais uns 20 cards já na cabeça para as próximas edições, o Jiu-Jitsu é muito rico, falando do nível de atletas. Consideramos também as redes sociais dos atletas, já que temos grande aposta em relação ao Pay-Per-View, além de atletas que vendem ingressos na cidade de São Paulo, que sediará o evento. Outra coisa foi criar o GP Super 8 colocando os atletas que já vinham lutando as edições menores dos BJJ Stars, já realizadas em parceira com a prefeitura, dando maior exposição aos mesmos que sempre mostraram grande parceria com a marca.

Teve alguma luta mais difícil de se conseguir, ou alguma situação engraçada na hora de casar as lutas do card?

Quando conversamos com os atletas explicando a proposta do evento todos aderiram na hora, as coisas aconteceram com velocidade. Após a definição do evento, o Marcus Buchecha foi o primeiro que eu convidei. Na ocasião, ele disse que não poderia se comprometer por conta da data. Após fechar a luta do Leandro Lo, o próprio Leandro sugeriu convidar o Buchecha novamente, pois ele o ajudaria no treinamento. Aí conseguimos fechar a participação dele, mas deixamos claro que para isso acontecer, precisávamos de uma luta que fizesse sentido. Iniciamos uma votação no nosso Instagram, perguntando para o público quem eles achavam que estava faltando no card. Foi mole, afinal ele é o número um do mundo, o público elegeu ele! Mas para que fizesse sentido ter ele no card, precisávamos de um oponente a altura e que não estivesse já com luta no evento. Aí encaixou como uma luva: João Gabriel era o nome, afinal eles sempre travam batalhas resolvidas no detalhe!

Entrei em contato com o João Gabriel, ele tinha acabado de lutar nos Estados Unidos e nossa proposta não era tão atrativa quanto a dos gringos. Negociamos, e ele no intuito de ajudar o crescimento do evento, aceitou a proposta. Foi um parceirão, e até hoje só busca soluções para nos ajudar em todos os aspectos, desde passagens aéreas, divulgação, e etc. Um amigo que fiz nesse processo! O público ganhou mais essa grande luta.

Qual a superluta que você sempre quis mas não conseguiu casar?

A super luta que eu queria foi casada: Erberth x Preguica. Como eu falo pros meus sócios, o Erberth é nosso McGregor, odiado por uns e amado por outros, promove como ninguém uma luta, um cara que está sendo fantástico pro evento. Não argumenta nada, aceita as condições do evento, um baita profissional. Do outro lado temos o Preguiça um rapaz carismático, que como o Erberth tem o Jiu-Jitsu pra frente. Será uma guerra!

A GRACIEMAG é sua parceira há 20 anos. Você sempre apostou nos veículos de comunicação do Jiu-Jitsu, sempre exaltou essa importância. O segredo do sucesso tem a ver com a boa comunicação com o público praticante de Jiu-Jitsu?

Sim. Sou publicitário de formação, e sei que sem uma boa divulgação nada acontece. As pessoas precisam saber que isso irá acontecer, e nada melhor que atacar o nosso nicho. O cara que vai comprar os ingressos e o Pay-Per-View é o lutador, o entusiasta, o amante da arte suave, e por isso é com a ajuda de vocês que conseguimos falar com esses caras.

Quais são os planos para o futuro do BJJ Stars?

Montamos um grupo de sócios muito forte. A ideia é ter os eventos menores em parceira com a prefeitura, e dois grandes por ano, um em cada semestre. Se o sucesso esperado for atingido nessa primeira edição, coisa que a venda de ingressos esta nos mostrando que vai acontecer (agora temos que confirmar isso nas vendas de Pay-Per-View, que são nossas apostas) te digo que viemos pra ficar!

BJJ Stars
Clube Hebraica, São Paulo (SP)
Sábado, 23 de fevereiro de 2019

Card principal

Erberth Santos x Felipe Preguiça
Leandro Lo x Nicholas Meregali
Marcus Buchecha x João Gabriel Rocha
Wellington Megaton x Marco Barbosinha
Isaque Bahiense x DJ Jackson
Roberto Godoi x Renato Babalu
Patrick Gaudio x Tim Spriggs
Fernando Tererê x Delson Pé de Chumbo
Celsinho Venicius x Gabriel Rollo
Michelle Nicolini x Bia Basílio
Carlos Eduardo Silva x Ricardo Pingo

GP Meio-Pesado

Adriano Silva (B9) x Diego Gavião (Guigo JJ)
Jurandir Vieira (G13) x Rodrigo Serafim (Alliance)

Luis Marques (LR Xtreme) x Diogo Almeida (Almeida JJ)
Chico Salgado (BTT) x Paulo Procopio (X-Coach)

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *