Por dentro da mente de Mackenzie Dern, a número 1 do mundo no Jiu-Jitsu feminino

Share it
Mackenzie em foto de Dan Rod.

Mackenzie nas costas, durante o Pan de 2011. Foto de Dan Rod / GRACIEMAG.

Faixa-preta desde os 20 anos, com títulos mundiais em todas as graduações, a meio americana meio brasileira Mackenzie Dern (Gracie Humaitá) coleciona vitórias em todos os campos: Mundial Sem Kimono, ADCC, Pan, Europeu de Jiu-Jitsu Mackenzie Dern e sua estreia no MMA. E tudo com direito a um Jiu-Jitsu bonito e agressivo, que arranca aplausos dos torcedores nos ginásios, sem falar em alguns assobios encantados.

Com graça e muita bravura, Mackenzie, número um do ranking faixa-preta em 2015/2016, nasceu em Phoenix, Arizona, e desde os 3 anos brinca nos dojôs com o pai Wellington Megaton, e compete entre as atletas adultas desde os 14. Sem medo de amassos, Kenzie sempre gostou de treinar com o pai e com os rapazes. Mackenzie Dern confia no trabalho duro e vê os torneios como a parte divertida do Jiu-Jitsu.

GRACIEMAG procura mostrar, aqui em nosso portal e nas páginas de nossa revista, a intimidade dos campeões e trazer o leitor para dentro do bate-papo, na busca de oferecer mais motivação e conhecimento para você, para seus alunos e familiares. Este artigo com Mackenzie foi originalmente publicado em nossas páginas. Assine GRACIEMAG e garanta os melhores textos do Jiu-Jitsu mundial. A seguir, confira algumas das principais lições desta encantadora casca-grossa que se inspirava nos feitos de Kyra Gracie.

GRACIEMAG: Como você busca ter um Jiu-Jitsu mais ofensivo? Faz um treino apenas voltado a finalizações?

MACKENZIE DERN: Não, não treino nada específico para afiar as finalizações, é só o meu jeito de atacar. Sempre me sinto melhor na luta quando estou um passo à frente das adversárias, e é o que tento treinar todos os dias. O que faço é procurar não aceitar posições, por mais que os companheiros de treino tentem me botar nelas. O que faço, muitas vezes, é escolher um objetivo para o treino do dia e me concentro somente nisso. Por exemplo: um dia escolho apenas passar a guarda, no outro fico o treino inteiro lapidando raspagens. Isso eu sinto que me ajuda bastante para me sentir confortável em qualquer situação. Uma vez confortável em todos os aspectos, o atleta naturalmente fica mais perto de se ajeitar, controla melhor o adversário e a finalização surge mais facilmente, em qualquer posição.

Como você vê o cenário do Jiu-Jitsu feminino atualmente?

Fico muito satisfeita ao ver mais e mais mulheres nos Mundiais, e as categorias mais cheias, isso já faz bastante diferença para as atletas e o público. Além do mais, isso obriga a gente a fazer mais lutas, e assim somos obrigadas a enfrentar uma variedade de estilos muito maior. Ou seja, evoluímos particularmente e o Jiu-Jitsu feminino evolui junto. É muito bom ver o Jiu-Jitsu feminino crescendo.

Qual é a dica que você poderia dar para as meninas que ainda têm receio de vestir o kimono?


Minha dica é começar experimentando fazer umas aulas com as amigas. Convide uma grande amiga e faça uma aula teste. Fica mais divertido ainda. O Jiu-Jitsu é um estilo de vida que ajuda na saúde, na defesa pessoal e com a autoestima; assim, começando a praticar com as amigas, as iniciantes terão mais razões para se manterem motivadas, em especial nos dias em que a gente pensa em desistir, o que acontece normalmente. Minha dica seria a de chamar as amigas e uma ajudar as outras, buscando crescer juntas nos treinos.

O que você, uma peso-pena, aprendeu ao enfrentar diversas vezes a peso pesado Gabi Garcia?

Em todas as vezes que lutei com ela, no Europeu 2015, no Pan e no World Pro de Abu Dhabi do mesmo ano, aprendi que não se pode errar nem um milímetro. É difícil treinar para enfrentá-la, pois não se consegue arrumar um parceiro de treinos com o jogo igual ao dela. A cada luta, eu me sentia como num teste. Era um teste para saber o que daquela vez ia funcionar, e se alguma coisa ia funcionar, né? Eu tentava vários recursos de guarda para ver o que funcionava ou não, por causa da diferença de peso. Realmente não é fácil passar quase a luta inteira dobrada pela metade.

Você treina há quase 20 anos, e aprendeu 
tantos os hábitos de treino à moda antiga do seu pai Megaton, que além de tudo era bom judoca, como aspectos de treinos mais modernos. Como você mesclou isso para você?


Aprendi muito com o meu pai, e hoje aprendo muito com grandes competidores de elite. Aprendi muito sobre diferentes treinamentos e o que realmente é preciso para conquistarmos aquilo que sonhamos. Aprendi que cada pessoa tem um jeito diferente de treinar ou de executar as técnicas, mas há um ponto em comum: todo campeão se dedica muito, a ponto de forçar os seus limites todos os dias na preparação, e ir sempre um pouco além. Buscar se exceder é o segredo. E acho que isso me ajudou bastante. Acho que tenho sorte de conhecer tantas pessoas boas e pegar um pouco do treinamento de cada um. A preparação é o principal, acho que a hora da luta deve ser o momento mais fácil em comparação a todos os preparativos para chegar lá.

Em quem você se inspirou quando começou?


Na Kyra! Sempre fui muito fã dela e queria chegar aonde ela estava. Mas eu não sinto que procurei copiar o jogo de ninguém especificamente. Sempre admirei vários lutadores e lutadoras, e o que eu buscava sempre era pegar um pouco de cada. Acho que a gente sempre se inspira e procura copiar um pouco do Jiu-Jitsu que é bonito e vencedor. Por exemplo, eu sempre gostei de ver as lutas de Jiu-Jitsu do Marcelo Garcia, do Léo Vieira e do Ronaldo Jacaré.

Pensa em engravidar e ser mãe, 
um dia?


Sim, quero ser mãe um dia! Tenho alguns objetivos para conquistar primeiro, tanto no Jiu-Jitsu como no MMA no futuro breve, mas já penso nisso. Quero lutar mais MMA primeiro. Mas eu certamente gostaria de passar um pouco do que fiz e do que aprendi para os meus filhos.

Como você treina para corrigir seus erros?

Eu gasto muitas horas com meus defeitos. Sempre estou vendo o que fiz de errado nos vídeos, mesmo nas lutas nas quais ganhei. Sempre estou tentando melhorar meu jogo e me expor menos, porque jamais há uma atuação perfeita. O segredo é perceber que há sempre um detalhe a melhorar, e assim vou sempre buscando diminuir os meus pontos fracos. Se há uma posição em que sinto que preciso melhorar, que ainda não estou 100% confortável, eu me coloco nela durante vários treinos até eu achar que melhorei. Ou até perceber outra posição em que tenho de melhorar. Às vezes passo o treino inteiro só treinando um aspecto de uma passagem ou só treinando um tipo de guarda, isso por horas e horas. E também procuro treinar muito minha mente, ou seja, visualizando os meus próximos objetivos e trabalhando a confiança em como vou executar aquilo na hora H.

Curtiu os ensinamentos de Mackenzie? Assine GRACIEMAG, em formato revista ou Revista GRACIEMAG digital, aqui!

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *