O Jiu-Jitsu como ferramenta social: o campeão mundial juvenil da UPP

Share it
Diogenes, Gabriel e Ribeiro no pódio. Foto: Arquivo Pessoal

Diogenes, Gabriel e Ribeiro no pódio. Foto: Arquivo Pessoal

Aos 16 anos, Gabriel Monteiro, morador do morro da Providência, no Centro do Rio, conquistou o título mundial da IBJJF na faixa-azul. O menino finalizou dois de seus três adversários na categoria meio-pesado juvenil. Foi a primeira vez que ele viajou para fora do país, mas isso não o intimidou, pelo contrário.

“Cheguei ansioso para o campeonato, mas em nenhum momento fiquei nervoso. Eu sabia o quanto esse título seria importante para mim e para a minha equipe. Gostei de ver todas aquelas pessoas na arquibancada e o lugar, que é bem bonito. Mas lutei como faço nos treinos e deu tudo certo”, resumiu Gabriel, que começou a treinar em 2011, quando foi inaugurada a primeira sala de artes marciais do projeto Geração UPP, na Providência.

Antes um “garoto problema”, que dava dor de cabeça aos familiares, vizinhos e até aos policiais da comunidade, hoje o jovem aluno do projeto Geração UPP só dá trabalho aos adversários.

“Eu era um menino que só vivia na rua, descalço, não sabia respeitar o próximo, viva arrumando briga na rua, xingava as pessoas. Depois que entrei no Jiu-Jitsu eu melhorei, passei a dar mais valor às coisas, a respeitar as pessoas. O Jiu-Jitsu e os meus mestres foram muito importantes para melhorar a minha disciplina”, reconhece o campeão.

Christian Ribeiro e Thiago Diogenes, policiais e professores de Jiu-Jitsu, comandaram Gabriel Monteiro durante o torneio. Orgulhoso pelo sucesso do trabalho desenvolvido, Ribeiro exaltou outras conquistas do pupilo, que vão além da medalha de ouro.

“O Gabriel sempre foi um garoto agitado, bagunceiro e dava muito trabalho nos treinos. Ele até entrou no Jiu-Jitsu para melhorar sua postura. Acreditavam que, se ele não tivesse uma orientação, possivelmente ele ia arrumar algum problema grande. Os policiais da UPP, os familiares e amigos tinham muito medo do que poderia acontecer com ele”, revela o faixa preta. “Hoje ele melhorou o comportamento, parou de matar aula e está se dedicando aos estudos. A família dele e os vizinhos sempre vêm nos agradecer”.

O sucesso também é fruto da parceria entre a Legião da Boa Vontade, Super Rádio Brasil, Prime Esportes, Boomboxe e Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro.

Ler matéria completa Read more
There is 1 comment for this article
  1. Anderson Ribeiro at 7:29 pm

    Parabéns Gabriel e seus professores, nós que trabalhamos com crianças da comunidade sabemos como é difícil realizar um sonho como lutar um mundial nos EUA. esperamos que em breve possamos mandar muitos atletas de comunidade para lutar fora, se já lutamos contra as maiores adversidades, lutar em outros país vão tirar de letra, parabéns aos parceiros dos projeto sociais Legião da Boa Vontade, Super Rádio Brasil, Prime Esportes, Boomboxe e Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro, graças a vocês nossas crianças ainda sonham e sem vocês seria impossível salvar essas vidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *