Como uma mulher se torna uma faixa-preta campeã de Jiu-Jitsu? Angelica Galvão conta

Share it
Angelica Galvão quer mais um ouro no Pan da IBJJF. Foto: Instagram Angelica Galvão/ War Tribe

Angelica Galvão quer mais um ouro no Pan da IBJJF. Foto: Instagram Angelica Galvão/ War Tribe

Com títulos mundiais na faixa-roxa e na marrom, este conquistado em 2014, Angelica Galvão chegou com moral à faixa-preta de Jiu-Jitsu. Neste ano, com a cinta escura, a esposa do astro André Galvão já fez bonito e beliscou o ouro no Europeu da IBJJF, em janeiro.

A jornada continua, e neste domingo, 15 de março, Angelica briga pelo ouro no peso leve do Pan 2015. A categoria não está mole, já que conta com Bia Mesquita, a atual campeã mundial e pan-americana (peso e absoluto), além de Nyjah Easton, Fabiana Borges e outras feras. Como vencer uma divisão recheada de pedreiras? Angelica explica:

“Qualquer campeonato tira meu sono, não será a primeira vez. Sei que na faixa-preta não existe categoria fácil. A Bia é a atual campeã absoluta, mas a maioria das meninas já possui bastante experiência na faixa-preta. É o meu primeiro ano na faixa-preta, e não ter o peso do favoritismo me deixa mais confortável. Os treinos foram ótimos, como sempre aqui na Atos San Diego, sem surpresas. Só quero chegar lá, fazer o que treinei e dar o meu melhor”, comenta Angelica.

Por contar com Galvão sempre ao seu lado, ela conta o que aprende com o bicampeão mundial de Jiu-Jitsu todos os dias.

“O André tem uma grande parcela em tudo na minha vida, tanto na vida de atleta como de mulher. Ele é meu mentor, professor, esposo e patrão [risos]. Aprendo diariamente com ele que somente o trabalho duro leva à vitória. Há uma frase dele que me marcou: respeitar o adversário não significa deixar de acreditar em você mesmo. No Europeu, isso deu certo. O título foi especial, fiquei feliz. Lutar dez minutos é tempo para caramba. Não se pode parar de lutar até o último segundo. Pude ver aonde evoluí e também aonde preciso melhorar. Cometi erros que não posso cometer contra faixas-pretas mais experientes”, reflete a campeã.

Outro ingrediente vital para vencer no Jiu-Jitsu está na mente e no corpo, como ela explica:

“Antes do campeonato, gosto de ir ao cinema, fazer uma massagem, esvaziar a mente e não fazer literalmente nada”, conta Angelica.

Para ver os faixas-pretas em ação no fim de semana, acesse IBJJF.tv.

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *