Qual seria a sua seleção brasileira de Jiu-Jitsu?

Share it
Paulo Miyao em foto de divulgacao

Paulo Miyao: um dos craques do Jiu-Jitsu atual, e quarto no ranking mundial da IBJJF. Foto: Divulgação

Se você pudesse escalar hoje a seleção brasileira de Jiu-Jitsu para lutar contra o resto do mundo e nos dar orgulho lá fora, que time de craques você escalaria, amigo leitor?

De acordo com o ranking mundial da IBJJF, que premia a constância dos resultados, hoje os 11 faixas-pretas brasileiros mais bem colocados seriam:

Marcus Buchecha com a camisa 1; André Galvão, Caio Terra, Paulo Miyao e Leandro Lo; João Miyao, Vitor Oliveira, Michael Langhi e Rafa Mendes; Yuri Simões e Lucas Lepri.

Ou seja, 11 cracaços, e ainda teríamos Rodolfo Vieira, Romulo Barral, Gui Mendes, João Gabriel e Bruno Malfacine, entre muitos outros, no banco, se fosse preciso. Que escrete!

Contudo, a seleção brasileira de Jiu-Jitsu não é apenas fruto de imaginação da equipe GRACIEMAG. Essa seleção existiu, e isso já tem 20 anos. Nossa equipe aproveita os dias que antecedem o Pan de Jiu-Jitsu para relembrar a história dessa “escalação” que teve uma eliminatória de pegar fogo, dentro de um colégio no Rio de Janeiro.

Foi em 1995 que surgiu a ideia de uma seleção de Jiu-Jitsu para atuar nos tatames estrangeiros. A proposta nasceu por conta da realização do primeiro Pan, em Irvine, na Califórnia. Os melhores lutadores do país, assim, iriam viajar para os EUA com tudo pago.

Quem relembra a saga é o professor Marcio Feitosa, da Gracie Barra:

Selecao brasileira de Jiu Jitsu de 1995 Foto Arquivo Marcio Feitosa

A elite da seleção brasileira de Jiu-Jitsu de 1995. Foto: Arquivos Marcio Feitosa / GRACIEMAG

“Decidiram organizar a seletiva no colégio Padre Antônio Vieira, no Humaitá, e o Carlinhos e o Royler organizaram as chaves e arbitraram, se não me engano. Houve uma disputa para azuis e roxas e outra para os faixas-marrons e preta. Um lance interessante é que grande parte da comunidade do Jiu-Jitsu de competição não acreditou que fosse rolar esse Pan nos EUA, e muito menos que grandes patrocinadores como a Petrobras iriam ajudar a bancar passagem para os vencedores. Mas um dia Mestre Carlinhos chegou na academia e falou: ‘Meus filhos, se preparem para a guerra que vai rolar campeonato e vai valer passagem!'”, relembra Marcio, que guardou a foto dessa seleção de faixas-pretas. “Isso deveria estar num museu do Jiu-Jitsu, é muita fera junta!”.

A primeira seleção brasileira faixa-preta de Jiu-Jitsu, muitos dos quais que acabaram brilhando no Pan de Irvine, foi então formada por campeões como:

Roberto Traven, Ryan Gracie, Leonardo Castello Branco, Daniel Gracie e Adilson Bitta; Marcio Feitosa, Rony Rústico e Rommel Cardozo; E, agachados, Marcello Tetel; Alexandre Soca, Paulo Sérgio, Helio Soneca e Vinicius Draculino.

Tinha pouca pressão esse time?

Campeão na ocasião na divisão azul e roxa, o hoje árbitro Alexandre Baraúna, da academia GFTeam, lembra que as eliminatórias já reuniram a elite do esporte na época. “Não podia lutar qualquer um, tinha de ter sido campeão brasileiro, vice brasileiro ou campeão estadual. Foi mais um grande trabalho desenvolvido pelo mestre Carlinhos e pelo Royler, máximo respeito. Lembro que graças a esse título, na divisão até 91kg roxa, eu pude ir aos EUA de avião pela primeira vez. Assim que cheguei à Disneilândia, a primeira coisa que fiz foi tirar uma foto dando um mata-leão no Mickey, eu estava emocionado”, conta o faixa-preta de 41 anos, graduado em 1999 em conjunto por Ricardo de la Riva e por Julio Cesar Pereira.

Diploma da selecao brasileira de BJJ de 1995

Diploma da seleção brasileira de BJJ de 1995. Foto: Reprodução

“Uma curiosidade é que este primeiro Pan de 1995 foi em Irvine. Começou pequeno, desacreditado pela comunidade do esporte, mas 20 anos depois ele cresceu, tornou-se gigante e tradicional e hoje é realizado pela IBJJF na mesma cidade californiana”, conclui Feitosa.

Quer saber mais histórias do Jiu-Jitsu e relembrar o passado da arte suave? Fique de olho em GRACIEMAG, todo mês nas bancas com grandes artigos.

Para saber mais sobre o Pan de Jiu-Jitsu de 2015, clique aqui.

Ler matéria completa Read more
There are 11 comments for this article
  1. Narciso L. Junior at 8:14 pm

    muito desse ''pedigree'' migrou pros EUA infelizmente e ta formando atletas americanos em vez de brasileiros, a seleção de daqui a mais 20 anos do Brasil vai ter que suar muito para vencer o Pan

  2. Isaias Moraes at 3:14 am

    Hje um grupo de atletas do centro oeste estava questionando os custos p/ se federalizar e pagar as inscrições nos campeonatos. É razoável está observação. O país está num momento difícil economicamente.

    Esse tipo de problema gera uma discussão antiga – melhores condições e serviços oferecidos ao público alvo se faz com concorrência (e licitações).
    No Bjj, a "saída" mais rápida parece ter sido a criação de "nova federação(s) ". Seria um sonho duas ou mais federações juntarem forças para ajudar os atletas a crescerem (automaticamente o esporte cresce, as federações também). Mas o BJJ, parece ter "donos". Monopólio é provavelmente a raiz do problema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *