Os 3 principais erros que sabotam a sua passagem de guarda, por André Galvão

Share it
André Galvão prepara a passagem de guarda contra Igor Silva, no Europeu. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

André Galvão prepara a passagem de guarda contra Igor Silva, no Europeu. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

A equipe GRACIEMAG trabalha de forma incansável para sanar todas as dúvidas que surgem durante sua longa e prazerosa jornada no Jiu-Jitsu. A dúvida de hoje, enviada por diversos leitores, envolve a passagem de guarda e os pecadilhos que sabotam o nosso jogo por cima.

Atual campeão europeu absoluto e professor experiente, o faixa-preta André Galvão destrinchou os três principais erros que ele vê os alunos e competidores cometerem ao tentar passar a guarda. Bom estudo, e comente que erro você costuma perceber nos seus treinos.

1. Erro: não quebrar as pegadas do rival

“A falha ao quebrar a pegada é um dos erros mais frequentes, ao meu ver. Ao passar, é vital que você domine as pegadas no kimono do oponente, sem jamais deixar o adversário prevalecer e dominar você. Com isso, você passa a ter mais liberdade para se movimentar, afinal guarda de kimono só é guarda se houver pegada!”, ensina.

2. Erro: não matar o quadril e ficar no “quase-passa”

“Não matar o quadril ao passar é outra falha evidente. Sem isso, o lutador fica naquele famoso “quase-passa”, quando o oponente dá um jeito de repor, ou virar de quatro. Mas, se o passador fechar bem o espaço entre o próprio quadril e o quadril do adversário, terá sucesso nas passagens e vai evitar que o oponente se remexa muito, principalmente naqueles primeiros dez segundos decisivos quando a gente chega ao cem-quilos”, lembra Galvão.

3. Erro: falta de movimentação

“A falta de movimentação é outro ponto vital para você corrigir se anda tendo dificuldades para transpor a guarda inimiga. O passador deve sempre pensar na transição ao passar, isto é, saber passar para os dois lados, direito e esquerdo, e aprender a hora de fintar um lado e ir para o outro. Dessa forma, o passador terá sempre um plano B ao passar, e vai contar inclusive com boas combinações de posições, por exemplo uma transição da passagem para a pegada de costas, afinal o guardeiro volta e meia vai expor as costas para tentar se defender. Fique atento para atacar as costas sempre”, incentiva André.

Reveja um pouco dos treinos do campeão e alguns de seus melhores momentos em campeonatos, e afie a passagem!

Ler matéria completa Read more
There are 3 comments for this article
  1. Leonardo Neves at 3:59 pm

    Acrescentaria mais dois erros comuns nos treinos ou lutas: o quadril alto e a falta de preocupação em ganhar a esgrima. Esses são erros que venho me atentando sempre e corrigindo sempre que me pego esquecendo ou sendo raspado com certa facilidade. Oss!

  2. Lucas Nicolas at 4:20 am

    Esse 2º erro de não matar o quadril, é um dos erros mais fáceis de ser visto. Na euforia de tentar passar a guarda, e quando o guardeiro é daqueles casca grossa, nós tentamos passar a guarda de qualquer jeito, para, "pelo menos", pontuar. É onde o camarada, Leonardo no outro comentário falou, esquecemos esse quadrilzão alto e somos raspados facilmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *