Carlinhos discute suposta separação entre “Jiu-Jitsu esportivo x defesa pessoal”

Share it
Roger Carlinhos Gracie by Ivan

Carlinhos Gracie com Roger na GB América, na Califórnia. Foto por Ivan Trindade.

Faixa-coral fundador da equipe Gracie Barra, Carlos Gracie Jr passa uma temporada em Santa Catarina, onde mata saudades do Brasil e dos amigos do Jiu-Jitsu.

O mestre, idealizador também da Federação Internacional de Jiu-Jitsu, aproveitou a ocasião para dar sua parcela de opinião sobre um debate que movimenta as redes sociais e as conversas na academia há um tempinho: o Jiu-Jitsu esportivo que se espalha pelo mundo pode ser visto como uma vertente que se contrapõe às técnicas de defesa pessoal?

“Isso é um pouco de fantasia, uma forma de dividir o Jiu-Jitsu: o Jiu-Jitsu é uma coisa só”, começa Carlinhos Gracie, no vídeo esclarecedor a seguir. Veja e participe do debate.

 

Ler matéria completa Read more
There are 18 comments for this article
  1. Edson Ribeiro at 7:36 pm

    O problema, é treinar e não saber se desviar de um soco por exemplo, usar técnicas de projeção até chegar em uma montada. Tem faixa preta que não treina queda e muitas vezes nem da esse tipo de treino para seus alunos. Por muito tem se falado em divisão.

  2. XMiguel XGagno XNunes at 9:01 am

    Lamentável alguns praticantes e professores não se dedicarem também à defesa pessoal. Nada contra quem quer se dedicar às competições. Pelo contrário, todo o Jiu Jitsu é uma arte marcial belíssima. Mas o que se vê muito por aí são academias que só passam o Jiu Jitsu de "marcar ponto". Não passa nada de defesa pessoal. O praticante mal sabe se defender de uma "gravata de rua". Talvez, uma solução para incentivar o treino de defesa pessoal seja criar essa modalidade de competição no Jiu Jitsu. Se não estou enganado, o Sambo, da Rússia, possui em suas competições a modalidade de defesa pessoal.

  3. Yvone Magalhaes Duarte at 11:08 am

    Muito.bom! Jiu-jitsu engloba defesa pessoal e todas as técnicas de chão. Originariamente, o judô também fazia parte do Jiu-jitsu e muitos lutadores têm resgatado esse amplo recurso e aprimorado mais ainda suas alternativas seja para competir, seja pra dominar um ataque imprevisível de algum agressor.

  4. Telmo Giani at 11:50 am

    Quando observamos lendas do jiujitsu como Rickson e outros mestres que estão nos tatames ensinando há muito tempo, questionando a pouca prática da defesa pessoal no jiujitsu tem que ter uma reflexão. A defesa pessoal tem sido sistematicamente ignorada no jiujitsu em várias academias. Fábio Gurgel dizia que é o conhecimento da defesa pessoal é que faz o lutador ser o que é e deve ser treinada tanto ou mais que a parte esportiva. Infelizmente temos graduados que não sabem se defender do double nelson, uma gravata lateral ou estrangulamento frontal. Mas, tem que destacar um ponto: muitos alunos não gostam das aulas de defesa pessoal. Att

  5. Paulo Gavinho at 12:35 pm

    Excelentes comentários. Abaixo vai o comentário que fiz sobre um vídeo de um praticante brigando com um leigo num jogo de basquete em que fizeram uma roda e ninguém se meteu:
    Muito legal ver o JJ ser aplicado com essa eficiência mas há que se observar o seguinte: Uma coisa é uma briga mano a mano como essa em que ninguém interfere. É como briguinha de estudante. Outra coisa é uma porradaria onde não sabemos quem é quem e, se formos para o chão podemos ser chutados. Nesses casos sempre é bom estar treinado em trocação. Para esses casos o JJ tem a defesa pessoal e os atemis que, infelizmente não são mais praticados em detrimento da ganância dos campeonato$. Nos anos 50 meu irmão mais velho treinou JJ na famosa academia Gracie da Av. Rio Branco. A primeira coisa que lhe ensinaram foi a Defesa Pessoal (Hélio Gracie não queria aluno apanhando na rua). Depois é que se ensinava o Jiu-Jitsu que vemos hoje só que com mais usos de quedas.

  6. João Vitor at 5:52 pm

    Olá.
    Atualmente, 90% das academias começam suas aulas do chão. Numa situação real de violência urbana, não estaremos no chão. Na rua não existe distinção de graduação nem de peso. Sou praticante da arte suave há 3 anos, nesse meio tempo pratiquei uns 6 meses de judô. Somente esse período no Judô me ofereceu uma visão diferente das projeções e técnicas de desequilíbrio do oponente, que em alguns casos consigo ter vantagem sobre meus colegas de treino. Acredito que a discussão é válida, os mestres precisam rever alguns conceitos para que essa arte marcial maravilhosa não perca sua essência.
    Oss.

  7. Karina Gracie at 5:41 am

    na minha opinião sempre foram separados.um é esporte p/ competicão para ser praticado por atletas,e o outro é defesa pessoal ,que pode ser praticado por todos,mas infelizmente esta sendo esquecido, existem poucos que sabem ensinar e menos ainda são os que praticam!

  8. Alexandre Marciano Ricardo at 11:53 am

    O Jiu Jitsu não pode ser reduzido as regras competitivas. A competição é uma parte muito importante da modalidade mais o Jiu Jitsu é muito maior que as regras que o limitam em uma competição. A metodologia da Gracie Barra está ligada a raiz mais pura do Jiu Jitsu o que torna a pratica de nossos estudantes uma experiencia completa e altamente segura para atender os diversos objetivos de diferentes praticantes. Jiu Jitsu é a melhor defesa pessoal do mundo, não só contra um possível agressor mais contra o estilo de vida moderno onde o sedentarismo, má alimentação, doenças cronico degenerativas, estresse são inimigos reais e que precisamos combater todos os dias. Jiu Jitsu Gracie Barra é sua blindagem pessoal, encontre uma escola e faça uma aula experimental. Defenda-se de si mesmo.

  9. Gabriel Chaves at 3:00 pm

    É uma pena ver esse tipo de coisa admiro muito o trabalho da familia Gracie e admiro a arte suave mais vendo tantas academias abandonando a pratica da defesa pessoal me faz ficar na duvida entra praticar Jiu ou Krav Magá

  10. Paulo Gavinho at 3:13 pm

    Gabriel Chaves Infelizmente, hoje em dia, quem quiser treinar defesa pessoal tem que procurar o Krav Magá (claro que existem outras modalidades como o Kombato etc), que aliás, é muito eficiente por sua simplicidade mas começa a se deturpar em vista dos interesses financeiros. O Aikido é excelente, porém muito complicado e exige treinamentos muito longos. Ainda veremos a Defesa pessoal do Jiu-Jitsu ressuscitar e evoluir acrescentando técnicas de Karate, Krav Maga e antigas "malandragens" hoje esquecidas. Ainda hei de conseguir montar uma turma aqui em Petrópolis. O que falta são os interessados. Todo mundo quer, na verdade, é ter medalhas de Jiu-Jitsu esportivo e tirar onda de campeões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *