UFC Rio: sem um triunfo de José Aldo o MMA brasileiro estaria condenado?

Share it
Uma derrota de Aldo teria posto tudo a perder no MMA? Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Uma derrota de Aldo teria posto tudo a perder no MMA? Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

O UFC 179, realizado no Rio de Janeiro, foi mágico. José Aldo encarou o rival Chad Mendes, batalhou cinco assaltos, venceu. Festa no ginásio do Maracanãzinho. Pessoas gritavam, choravam, “é campeão”. José Aldo, o campeão do povo. O último cinturão brasileiro fica no Brasil. Mas, e se Aldo tivesse perdido?

Seria, no mínimo, traumático. Um sabor amargo de Maracanazzo, como quando a seleção brasileira foi derrotada pelo Uruguai, em 1950, em pleno Maracanã. José Aldo, fã de futebol, certamente tinha isso na cabeça. Chad Mendes com a cinta peso-pena em sua posse, festejaria no cage com os companheiros de Alpha Male em mais um título que os americanos teriam roubado de nós.

Há quem diga que seria o fim do MMA no Brasil, com as quedas recentes de Anderson Silva, Júnior Cigano e Renan Barão, o último título brasileiro iria para longe assim como a vontade de assistir MMA do público.

Em entrevista recente ao “The MMA Hour”, Wallid Ismail disse que José Aldo “Salvou o MMA brasileiro”, e que “seria muito ruim se ele tivesse perdido nosso último cinturão”. A visão de mercado seria perturbadora, de fato. Empresas do ramo de MMA vão diminuindo sua atuação, e o ponto crítico ocorreu logo após a derrota de Anderson Silva.

Mas, será mesmo que o MMA perderia força com uma derrota de José Aldo? A tristeza seria geral, mas os fãs não ficariam desamparados de ídolos. Mesmo sem cinturões, feras como Lyoto Machida, Junior Cigano, Fabricio Werdum, Renan Barão e Ronaldo Jacaré seguem com uma legião de fãs, que esperam ansiosamente por mais uma atuação de seus guerreiros no cage. A torcida não diminuiu.

A impressão que fica é que, assim como no futebol, o torcedor brasileiro segue passional. O amor e o ódio são grandes, mas a memória não condena. Nada de grave vai para o coração. O mais importante é torcer e vibrar pela vitória seguinte.

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. Thiago Santos at 6:42 pm

    Infelizmente não sabemos valorizar quando temos bons lutadores. Como diz um ditado, "Vice e último não são nada, o que importa é ser campeão."

    Creio que além de todos os lutadores citados, temos novas jóias sendo lapidadas e o panorama futuro é animador. Mas existe uma distancia muito grande entre os que estão envolvidos no MMA e os entusiastas de plantão – para esses, os nomes são Anderson Silva, Aldo e Cigano e pouco sabem sobre o passado dessa empresa e o início de todo o MMA.

    No mais, sou amante das boas lutas, mais do que de um cinturão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *