WPJJC 2014: Lucas Lepri revela como estuda os oponentes com ajuda do GRACIEMAG.com

Share it
Lucas Lepri comemora mais uma vitória no Jiu-Jitsu. Foto: GRACIEMAG

Lucas Lepri comemora mais uma vitória no Jiu-Jitsu. Foto: GRACIEMAG

Faixa-preta de Fabio Gurgel, o imprevisível Lucas Lepri é um dos astros do Jiu-Jitsu escalados para o WPJJC em Abu Dhabi, que ocorre entre os dias 16 e 19 de abril.

Lucas vai disputar o torneio na categoria até 76kg, ao lado de Michael Langhi, Rodrigo Caporal, Claudio Caloquinha, Roberto Satoshi, Vinicius Pulga e outras feras.

Direto de Atlanta, onde ministra aulas na academia de mestre Romero Jacaré, Lepri bateu um papo com GRACIEMAG sobre a mudança no sorteio das chaves no WPJJC, falou do estudo dos adversários, comentou os treinos de passagem de guarda e mais. Confira e aprenda um pouco mais com ele.

GRACIEMAG: que você tem trabalhado de especial nos treinos para vencer em Abu Dhabi?

LUCAS LEPRI: Pretendo chegar mais explosivo e fazendo a tática certa. A luta é mais curta, seis minutos, então tem de estar atento. É difícil prever o que vai acontecer em cada luta, mas tento evitar cair em posições ruins. Certamente a guarda 50/50 é uma delas [risos].

Outra novidade anunciada pela organização é o lance de sortear o nome dos lutadores sem nenhum cabeça de chave. O que achou?

Na minha opinião, teria de deixar os dois atletas da mesma equipe de lados opostos na chave, e sortear o resto. Não tenho nada contra não ter cabeças de chave, mas o “time A” de cada equipe tem de estar em lados diferentes. Se acontecer de chegarmos à final o mérito é nosso e cabe aos atletas decidirem o que querem fazer. O trabalho já foi feito. Acho que o fechamento de chave é fruto de trabalho em equipe. Treinamos muito para que possamos dar o melhor de nós e sairmos vitoriosos. Mas além da vitória individual, vem a vitória do time. Ninguém treina sozinho, o mérito quando se chega à final é dos atletas e consequentemente da equipe. Sempre me perguntam: “Mas você e o Michael Langhi nunca vão lutar para a gente ver?” A questão não é lutar, é muito além disso. Há o respeito que temos pelo outro, a amizade de vários anos, os treinos, o estudo que fazemos juntos de cada adversário, os camps… Realmente é um trabalho de equipe, que faz toda a diferença. Fechamos o Pan por cinco anos, o Europeu dois anos, e não vejo nenhum problema em ceder o título a ele, e sei que é recíproco. Quando ele fica com o título me sinto campeão da mesma forma, não muda nada.

Você está escalado na divisão até 74kg no torneio nos Emirados Árabes. Já estudou os possíveis adversários?

Sei de alguns atletas com quem supostamente vou lutar, mas tento treinar focando o campeonato e me colocando em situações no treino que possam ocorrer durante o evento. Com isso, fico mais confiante física e mentalmente. Não costumo ver vídeos de adversários, só olho quando alguém posta no Facebook ou quando a GRACIEMAG posta, mas com certeza preciso adquirir mais esse hábito…

Sua passagem de guarda é um aspecto bem forte no seu jogo. Como você pensa a passagem?

Eu luto de acordo com o que o adversário me dá. Toda ação gera uma reação, e você tem de saber aproveitar o momento para aliviar ou aumentar a pressão botando seu oponente em desconforto. Gosto de passar a guarda cruzando o joelho em algumas situações, outras passando por fora, gosto de passar colando também, o que o pessoal chama de “old school” ou clássica. Depende muito da luta.

Ler matéria completa Read more
There are 6 comments for this article

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.