UFC: Werdum recusou luta em Natal por impostos e nascimento da filha

Share it

Werdum reclama da alta tributação na bolsa de luta. Foto: Inovafoto/UFC

Werdum reclama da alta tributação na bolsa de luta. Foto: Inovafoto/UFC

Fabrício Werdum sentiu por duas vezes seguidas o gostinho de lutar pelo UFC no Brasil. Na primeira, contra Mike Russow, em Belo Horizonte, vitória avassaladora por nocaute técnico no primeiro round. E na seguinte, diante da lenda Rodrigo Minotauro, em Fortaleza, triunfo por finalização no segundo assalto. Mas, em seu próximo combate, contra Travis Browne, o gaúcho pediu para não atuar em terras brasileiras. No próximo sábado, dia 1º de fevereiro, em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde mora, está previsto o nascimento de sua segunda filha, Joana, com sua esposa, Karine. O casal já tem Julia, de seis anos, e o papai não quer saber de ficar longe delas.

“Recebi convite para lutar no Brasil, no dia 23 de março, mas, por alguns motivos, pedi para lutar nos Estados Unidos. O nascimento da Joana é um deles, a ansiedade está enorme. Aqui, posso ficar mais perto delas. Mesmo ficando alguns dias antes da luta longe de casa, a viagem de ida e de volta é mais rápida”, explica Werdum, que também aponta, fora do octógono, um grande rival dos lutadores. “Isso sem contar a questão dos impostos para lutar no Brasil. São quase 28% descontados e nunca ressarcidos. Agora, não posso ficar sem esse dinheiro, ele tem dona, é a Joana, e ninguém vai tirar dela”, disse aos risos.

Após finalizar Minotauro, Werdum se credenciou a disputar o cinturão do UFC contra o vencedor da luta entre Cain Velasquez e Junior Cigano. Com a vitória do americano, tudo se encaminhava para um grande show, possivelmente no México, até que o campeão se lesionou e vai precisar ficar parado por nove meses. Dessa forma, o UFC ofereceu o embalado Travis Browne ao brasileiro, que aceitou para não ficar muito tempo inativo, assim como aconteceu quando gravou o “TUF Brasil 2”, há um ano.

O foco nos treinamentos tem sido o preparo físico, por conta da capacidade de Browne em vencer no primeiro round – 12 de suas 16 vitórias foram assim. A rotina é intensa: às terças, quintas e domingos, Werdum faz preparação física de 8h às 10h com o casca-grossa Rubens “Cobrinha” Charles, seguido de aula particular de Jiu-Jitsu sem kimono de 10h30 às 11h30 e treino coletivo com pano de 12h30 às 15h. Às segundas, quartas e sextas, o treinamento é de MMA, com Rafael Cordeiro, e ainda, de 17h às 18h30, faz wrestling com Kenny Johnson.

“O Browne tem essa característica de ser explosivo, mas faremos uma luta de cinco rounds e isso é vantagem para mim, porque sei que o gás dele é ruim”, analisa. “Quero nocautear ou finalizar, mas se for preciso vou dar um show de cinco rounds. Preciso estar bem preparado fisicamente para isso, para executar a técnica que quiser, seja no Jiu-Jitsu, no muay thai ou boxe. É o físico que faz a diferença. O Cobrinha tem me dado ótimos treinos, sem me ‘matar’, fazendo o certo, o que preciso para cada momento. É difícil acordar e saber que vai ter treino físico por duas horas, mas com ele é muito bom. Vou mostrar ao mundo que estou preparado para o cinturão”.

O gaúcho está alerta com as cotoveladas de Travis Browne. Em suas últimas duass lutas, o americano nocauteou Gabriel Napão e Josh Barnett no primeiro round com a temida arma, em situações semelhantes que levantaram polêmica. Especialista em luta agarrada e cada vez melhor no muay thai e boxe, Werdum já tem o antídoto para não cair na mesma armadilha e utilizar suas qualidades para vencer.

“Não vou me desesperar para colocá-lo para baixo, como o Barnett, mas em algum momento vai ter corpo a corpo e oportunidade de lutar no chão. Estou confiante na trocação, treinando com o Rafael Cordeiro há anos, e desde a luta contra o Roy Nelson o mundo viu que não sou só lutador de Jiu-Jitsu, sou completo. Contra Napão e Barnett, ficou claro que tentar derrubar o Browne com double leg na grade não é um bom negócio e vou evitar essa entrada por causa das cotoveladas, que são rápidas. Mas ele precisa da grade para se apoiar e não vai conseguir fazer isso no meio do octógono. É bem simples de evitar, basta não se desesperar”, finaliza.

Fabrício Werdum e Travis Browne farão a luta principal do UFC on FOX 11, no dia 19 de abril, no Amway Center, em Orlando. O vencedor terá a chance de disputar o cinturão dos pesos pesados contra Cain Velasquez, que está afastado por lesão até novembro.

(Fonte: Assessoria de imprensa)

Ler matéria completa Read more
There is 1 comment for this article
  1. José Augusto Araújo at 4:21 pm

    não vejo muitas brechas para o Werdrum vencer esta luta, o Americano a maior, controla bem a distância, e bom na luta em pé, derrubar ele e praticamente impossível, quem tentou saiu nocauteado com as cotoveladas, se o Wedrum conseguir levar pro chão pode até finalizar, mais e uma luta bem dificil para o brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *