Polícia no sul do Brasil quer ver 100% de sua tropa praticando Jiu-Jitsu a médio prazo

Share it
Jiu-Jitsu: o principal reforço da tropa da Brigada Militar no Rio Grande do Sul. Foto: Divulgação

O faixa-marrom Henrique e o Jiu-Jitsu: o principal reforço da tropa da Brigada Militar no Rio Grande do Sul. Foto: Divulgação

Quando jovem, nos anos 1920, grande mestre Carlos Gracie não teve dúvidas por onde começar a disseminar o Jiu-Jitsu no Brasil: nas academias de polícia. Foi o que o perseverante aluno de Conde Koma procurou fazer, em incursões a grandes cidades como São Paulo e Belo Horizonte, entre outras.

Hoje, com a técnica de solo popularizada no mundo todo, em especial entre soldados dos Rangers, do Bope e outras tropas de elite, no Brasil o processo continua caminhando.

Uma das corporações policiais mais tradicionais do país, com 175 anos de lutas, a Brigada Militar tornou-se mais uma instituição a apoiar a prática do Jiu-Jitsu popularizado pelos Gracie.

Na cidade gaúcha de Bagé, a Brigada, cujas funções hoje envolvem serviços de policiamento ostensivo, rodoviário, ambiental, aéreo, bombeiros, atendimento ao turista e patrulha em áreas de fronteiras, lançou seu primeiro torneio interno de Jiu-Jitsu, a ser realizado neste domingo, 15 de dezembro. Sua meta, no entanto, é maior que oferecer medalhas.

Seu objetivo, a médio prazo, é que 100% da tropa se torne praticante do nosso Jiu-Jitsu. A meta é que, com o treinamento rotineiro, aumente a saúde e a eficiência dos oficiais para a atividade policial.

Em Bagé, os policiais militares treinam há cerca de oito meses, três vezes por semana, com o instrutor Henrique Curvelo, natural do Rio de Janeiro.

Como entende o capitão Augusto Ferreira Porto, trata-se da arte marcial perfeita para a atividade policial: “Afinal, ela mira a dominação sem golpes traumáticos, já que o Jiu-Jitsu é caracterizado pela luta de solo com a utilização de técnicas de alavanca, torções e pressões capazes de dominar e imobilizar qualquer oponente”, reforça o capitão.

As informações são do jornal local “Minuano”.

E na sua região, leitor de GRACIEMAG? A polícia já faz uso frequente do Jiu-Jitsu para o bem? Se você conhece uma boa história da arte suave na polícia, divida com a gente.

Ler matéria completa Read more
There are 11 comments for this article
  1. Virgulino Brasileiro at 1:14 pm

    Eu uso constantemente. Sou faixa preta do Rodrigo Feijão – Nova União – e sou bombeiro militar a 20 anos. Tem umas mil histórias. A ultima foi um ladrão, perseguido por uma galera de uma obra, e que invadiu o quartel fugindo. Cinturei, dominei as costas girando por baixo do braço, engatei o esgana-galo e, no chão, botei uma kimura pelas costas até a vtr chegar. O detalhe é que salvei a vida do ladrão, pois se o povo pega antes te mim, tinha linchado.

  2. Virgulino Brasileiro at 1:16 pm

    Nossa, tem história de briga de galera em evento, de suicida querendo pular de ponte, se cortar com faca, atirar na própria cabeça…Tem história de bêbado tentado matar a mulher, drogado tentando matar a mãe, tudo resolvido no mais puro jiu jitsu! Dava pra escrever um livro!

  3. Lms Martins at 11:04 pm

    Ótimo, sou policial militar em Foz do iguaçu (fronteira com Paraguay e Argentina), Parana, e aqui também existe uma projeto parecido, com estrutura dentro do 14º Batalhão. Sou praticante da arte suave (Nova União) a vários anos e já utilizei da mesma por algumas dezenas de vezes, como o colega Virgulino. O Jiu Jitsu não só oferece para o policial um ótimo condicionamento físico, mas principalmente, o alto controle em como agir em qualquer tipo de ocorrência. BJJ Oss

  4. Musashi Tonysamurai at 3:38 am

    EM MINAS GERAIS TEM UM PROJETO DE JJ NA 1°CIAMESP, CONTAGEM. COMECEI A TREINAR LÁ E JÁ FAZ 02 ANOS. MELHOROU MTO A MINHA SAUDE MENTAL. É INCRIVEL, POIS ALGUMAS VEZES, APENAS A POSTURA E CONFIANÇA DE UM LUTADOR DE JIU-JITSU JÁ FAZ O INFRATOR RESPEITAR MAIS.

  5. Musashi Tonysamurai at 3:49 am

    ACREDITO QUE UM DOS MAIORES BENEFÍCIOS DESSA INICIATIVA É TORNAR O POLICIAL MAIS JUSTO E CIVILIZADO, EVITANDO EXCESSOS, COMO TORTURAS E ABUSOS. POIS, O VERDADEIRO GUERREIRO UTILIZA ESTA ARTE PARA TESTAR SUAS HABILIDADES EM TORNEIOS E COMO UMA TERAPIA, DESCARREGANDO AS TENSÕES NOS TREINOS. É ISSO QUE NÓS APRENDEMOS COM A ARTE SUAVE.

  6. Henrique Curvelo at 8:33 pm

    Acredito que as técnicas do jiu-jitsu possam vir a contribuir positivamente para o esquadrão tornando nossa polícia ainda mais consciente e precisa em suas abordagens de rotina.
    Pra mim é uma honra poder contribuir no conforto e na segurança dos bajeenses.
    Em nome da equipe Balance Jiu jitsu, com imensa satisfação, agradeço ao capitão e também parceiro de treino: Augusto Porto, por sua visão e por fazer do BALANCE JJ parte desse projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *