Flávio Cachorrinho e a medalha de ouro: “Só existe Jiu-Jitsu onde há desafio”

Share it

Flávio Cachorrinho a caminho das costas. Foto: Ivan Trindade/ GRACIEMAG

Após dois anos, Flávio “Cachorrinho” Almeida desafivelou o cinto de executivo, amarrou a faixa-preta e resgatou o kimono para o Las Vegas Open de Jiu-Jitsu, de onde voltou com a medalha de ouro no peso pesado. Primeiro, o irmão de Ricardo Cachorrão apertou o pescoço de Eliot Kelly (Coalition 95) pelas costas, e depois venceu Renan Vital (Gordo) por pontos na final.

Flávio, 33 anos, conversou com GRACIEMAG e comentou a conquista. Confira e aprenda com o professor da GB.

GRACIEMAG: Como foi retornar às competições após dois anos parado?

FLÁVIO CACHORRINHO: Estou satisfeito com meu desempenho. Cometi alguns erros técnicos na final, mas fora isso acho que estava bem fisicamente e lutei de forma dinâmica, soltando o meu Jiu-Jitsu. Senti um pouco as pegadas e o tempo das posições. A maioria dos meus parceiros de treino é mais leve, eu não estava acostumado com a força e pegada dos pesos pesados. E lutar dez minutos, também, é bem diferente de lutar seis, o tempo da luta no master. Esse foi o maior ajuste que tive de fazer. Saber me dosar mais para render até o final, sabe? Eu fiz muito treino educativo para condicionamento físico e técnico, o que me ajudou a ampliar o meu jogo.

Na sua visão, como foi a final dos pesados com o Renan?

Abri uma boa vantagem no começo com uma raspagem e uma pegada de costas. Mas o Renan é duríssimo e cresceu da metade da luta em diante. A queda de ombro dele é perigosa e tratei de administrar o cansaço enquanto ele estava disposto a correr atrás do prejuízo. Acabei usando muito minha guarda, os treinos renderam frutos. Depois, perto do fim da luta peguei as costas novamente e venci – e com o berimbolo. A posição não saiu por acaso, tenho treinado bastante essa manobra moderna. Tento sempre acompanhar a evolução do Jiu-Jitsu.

Qual foi a lição que você tirou da medalha de ouro em Vegas?

Na minha opinião, só existe Jiu-Jitsu onde há desafio. Se o aluno, atleta, ou professor não está sendo desafiado, ele não está crescendo; e sem crescimento pessoal a prática do Jiu-Jitsu não faz sentido.

É esta a importância da competição na formação de um praticante?

Pois é, todo praticante deve procurar competir. Trata-se, no fundo, de buscar situações, em que os limites da sua capacidade física, mental e emocional sejam testados. Só quando o praticante tem consciência dos seus próprios limites, pode trabalhar para expandi-los. Para muitos, frequentar aulas duas vezes por semana de forma consistente já é um desafio enorme, que proporciona o crescimento almejado. Para outros, esse desafio só ocorre numa competição de alto nível físico e técnico como os campeonatos da IBJJF. Seja qual for a situação de cada indivíduo, o importante é se manter desafiado, porque o desafio é uma pré-condição para a prática do Jiu-Jitsu.

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. Pingback: Flávio Cachorrinho e a medalha de ouro: “Só existe Jiu-Jitsu onde há desafio” | SportSquare

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.