Zé Mario analisa Anderson Silva x Chris Weidman no UFC 162: “Estou apreensivo”

Share it
Zé Mario vs Renzo Gracie na superluta do ADCC 2011. Foto: Luca Atalla/Graciemag

Zé Mario vs Renzo Gracie na superluta do ADCC 2011. Foto: Luca Atalla/Graciemag

Aos 46 anos, Zé Mario Sperry segue topando novos desafios. Em outubro, o faixa-preta de Carlson Gracie encara Fabio Gurgel numa das superlutas do ADCC em Pequim, na China.

Enquanto afia seu Jiu-Jitsu com a turma da X-Gym, o campeão mundial absoluto de 1998 e ex-ídolo do Pride segue observando atentamente o panorama do MMA. A pedido de GRACIEMAG, ele usou seu olhar técnico para avaliar a disputa de cinturão entre Anderson Silva e o desafiante Chris Weidman, no UFC 162, dia 6 de julho. E ele está preocupado. Confira:

GRACIEMAG: Como você vê essa disputa entre Anderson Silva e Chris Weidman, na luta principal do UFC 162?

MARIO SPERRY: Estou muito apreensivo em relação a essa luta. Weidman tem um jogo que, no meu entendimento, pode representar um problema real para o Anderson. Ele tem um wrestling de excelência, se movimenta muito bem no chão e sabe socar e chutar bem.

Dá para prever algum desfecho?

Estou na torcida para o Anderson ter uma noite iluminada, pois seu adversário é sem dúvida nenhuma o mais perigoso que ele já enfrentou.

Como estão seus treinos de Jiu-Jitsu na X-Gym, no Rio de Janeiro?

Muito bons. Tenho treinado sob a orientação de toda a equipe da X-Gym, que é coordenada pelos professores Josuel Distak e Rogério Camões. Tenho feito também minha preparação física com o professor Diogo de Souza. Como estava afastado dos treinos sem pano há algum tempo, estou fazendo uma estruturação de base. Estou treinando muito Jiu-Jitsu. Depois que saí da Blackzilians, acredito que agora tenho mais tempo para investir em meu treinamento. O trabalho lá era gratificante, mas muito puxado. Além de dirigir os treinos, viajava muito. Ainda sinto saudade de toda a equipe, dos treinos e da cidade. Era um ambiente agradável.

O que mudou desde a sua vitória contra o Renzo no ADCC 2011, na Inglaterra?

A única coisa que realmente mudou é que não estou totalmente parado agora. O ADCC 2011 me fez respirar Jiu-Jitsu novamente, após quatro anos afastado do esporte. Com o ADCC, voltei para o mundo das lutas e acabei convidado para trabalhar na Blackzilians, o que me fez manter a forma. Também foi importante para fazer amigos e aprender novas técnicas, estratégias e treinamentos. Sou o mesmo lutador, agora mais maduro. Estou competitivo.

O que o ADCC traz de mais instigante?

O ADCC é a olimpíada da luta agarrada. Os melhores e mais determinados lutadores do mundo no chão se testam. Vencer um ADCC leva o atleta a outro patamar. Gosto também do critério de prorrogação em caso de empate.

Como você analisa a superluta com Fabio Gurgel, no dia 19 de outubro?

Será bem disputada. Temos nossas características e quem conseguir impor seu ritmo vai vencer. Quando me perguntaram se eu lutaria com o Fabio, aceitei na hora. Ele tem uma história vencedora no esporte, não só como atleta, mas como professor de várias gerações de lutadores. Nós nos definimos pelos adversários que escolhemos enfrentar.

Ler matéria completa Read more
There are 3 comments for this article
  1. Levy Vieira at 6:50 pm

    Só cacas grossas, e vai sair faisca mesmo, agora com relação ao spider e Weidman, sou brazuka, vou torcer para o aranha, mas sinceramente, acredito que o Silva vai perder essa hein, principalmente se a luta for para o chão, o anderson tem um jogo indiscutível, mas seus adversários me colocaram dúvidas muitas vezes, os caras mais duros que ele enfrentou foi o Hendo e o Belfort, mas esse ultimo quando foi nocauteado estava vindo de recuperação, mas vamo ver o que vai dar, mas querendo ou não, estão promovendo essa luta de forma sutil, se não se percebe, bastidores apenas, pois os atletas estão em silêncio kkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *