UFC 160: Cigano quer Velasquez ainda este ano e Pezão crê em “decisão divina”

Share it

Júnior Cigano venceu por nocaute, levou o prêmio de luta da noite e ainda garantiu sua chance à disputa de cinturão. Foto: UFC/Divulgação

A noite de sábado, 25 de maio, começou cheia de alegria para os brasileiros. Depois de garantir que buscaria o prêmio de melhor finalização do UFC 160, Glover Teixeira foi o único lutador do card a fazer o adversário dar três tapinhas e desistir do combate. Com uma guilhotina logo no primeiro round, o faixa preta de Jiu-Jitsu interrompeu a sequência de vitórias do neozelandês James Te-Huna, e faturou a bolada de U$ 50 mil pelo feito.

Ainda no octógono Glover recebeu o carinho e cumprimentos do ex-campeão mundial de boxe, Mike Tyson, e foi bastante elogiado pelo pugilista.

Ao GRACIEMAG.com o atleta confirmou que pela primeira vez no Ultimate decidiu junto com seus treinadores que o melhor seria usar o jogo de chão, e essa era a estratégia definida. Glover ainda revelou que não pedirá por uma disputa de cinturão, mas espera enfrentar os melhores daqui pra frente, tendo em vista que o próprio Dana White o classificou entre os tops da categoria.

Júnior Cigano foi outro a levar a torcida brasileira ao delírio. Em uma luta tensa e de bastante trocação, como já se esperava, o ex-detentor do cinturão dos pesados viu a sua frente um dos maiores desafios de sua carreira. Com queixo duro e mãos fortes, Mark Hunt suportou os três round e marcou o rosto do adversário, apesar de estar perdendo por pontos. Cigano não deixou de confiar no nocaute, e com um chute rodado acertou em cheio o neozelandês, que foi à lona faltando pouco mais de 40 segundos para o final da luta. No chão, o brasileiro usou a maior de suas armas, os punhos, e nocauteou Mark Hunt.

A vitória trouxe para Júnior Cigano não apenas o prêmio de luta da noite, mas uma nova chance ao título. Pela terceira vez, ele e Cain Velásquez se enfrentarão para de uma vez por todas definir quem é o melhor peso pesado do mundo.

O brasileiro falou ao GRACIEMAG.com logo após a luta e disse não ver a hora de começar os treinos para o novo desafio:

“Sinto como se fosse a primeira disputa de cinturão. Desta vez posso dizer que estarei 100% e vou dar o meu melhor para trazê-lo de volta ao Brasil. Quero que esta luta seja ainda em 2013”.

No evento principal da noite, Antônio Pezão encarou o campeão Cain Velasquez, em uma revanche. Como era de se esperar o americano tentou levar a luta para baixo logo no início, mas “Bigfoot” defendeu as quedas. O brasileiro foi surpreendido com um direto, que o fez cair. Velasquez aproveitou a oportunidade e partiu para cima, conectando diversos golpes enquanto Pezão apenas se defendia.

Mario Yamasaki, árbitro do combate, pediu para que o desafiante esboçasse maior reação, mas ao entender que já não dava mais para ele, finalizou a luta anunciando a vitória de Cain por nocaute técnico.

Pezão levantou muito nervoso e questionou Yamasaki o motivo de ter parado o duelo. Além disso o brasileiro alegou negligência por parte do árbitro, que não teria punido o campeão após levar golpes na nuca.

Ao GRACIEMAG.com, Antônio Pezão contou que pediu que os dirigentes do UFC assistissem ao combate, e contassem quantos socos ilegais levou. Mais calmo, ele sugeriu também que Mario Yamasaki fosse punido:

“Não se trata apenas de perder uma luta. São meses de treinamento, eu estava preparado para aquela situação, eu não estava nocauteado. Levei golpes ilegais, não tiro o mérito do Cain, mas um árbitro que interrompe um sonho desta forma tem que ser punido. Investi muito dinheiro e esforço nesse camp para alguém chegar e tirar assim. Deus sabe o que faz, sabe o que é melhor pra mim. Eu aceito o que Ele decide para minha vida. As vezes Ele não queria ver eu e meu amigo Cigano lutando. As vezes essa é a hora dele”, afirmou o brasileiro com resiliência.

E você leitor? Acredita que o árbitro errou nesta decisão?

UFC 160
MGM Grand Garden Arena, Las Vegas, EUA
25 de maio de 2013

Cain Velasquez venceu Antônio Pezão por nocaute técnico a 1min21s do R1
Júnior Cigano venceu Mark Hunt por nocaute aos 4min18s do R1
Glover Teixeira finalizou James Te Huna com uma guilhotina aos 2min38s do R1
TJ Grant venceu Gray Maynard por nocaute técnico aos 2min07s do R1
Donald Cerrone venceu KJ Noons por decisão unânime dos jurados

Card Preliminar

Mike Pyle venceu Rick Story por decisão dividida dos jurados
Dennis Bermudez venceu Max Holloway por decisão divida dos jurados
Robert Whittaker venceu Colton Smith por nocaute técnico aos 41s do R3
Khabib Nurmagomedov venceu Abel Trujillo por decisão unânime dos jurados
Stephen Thompson venceu Nah-Shon Burrell por decisão unânime dos jurados
George Roop venceu Brian Bowles por nocaute técnico a 1min43s do R2
Jeremy Stephens venceu Estevan Payan por decisão unânime dos jurados

 

Ler matéria completa Read more
There is 1 comment for this article
  1. Mario Carreiro at 5:51 pm

    kara esse mario yamasaki e um palhaço…. ja nao bastava aquela que nao deu a vitoria para vanderlei com o franklin…agora mas essa japa fdp!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *