Após título em casa em Abu Dhabi, Carol De Lazzer sonha com ouro mundial

Share it

Carol De Lazzer está treinando forte em Abu Dhabi para derrubar as rivais em Long Beach. Foto: Arquivo Pessoal

Gaúcha de Caxias do Sul, a faixa-preta Caroline De Lazzer conheceu a fama como atleta e professora de Jiu-Jitsu em Abu Dhabi, na capital dos Emirados Árabes, onde mora há cerca de quatro anos. É lá no deserto do Oriente Médio que a lutadora de 32 anos, casada com o também faixa-preta Marcão “Santa Cruz” Oliveira, segue afiando seu jogo para tentar o ouro no Mundial 2013, em Long Beach, a partir do dia 29 de maio, na categoria meio-pesado.

A primeira missão de Carol na temporada foi cumprida: no WPJJC de Abu Dhabi, em abril, ela venceu o peso até 72kg, ao superar Fernanda Mazzelli na final, por três vantagens.

O que ela espera do Mundial na Califa? GRACIEMAG bateu um papo com ela para descobrir.

GRACIEMAG: A festa pelo ouro em Abu Dhabi foi grande. E agora, como estão os treinos para o Mundial da IBJJF em Long Beach?

CAROL DE LAZZER: Optamos por manter o mesmo treinamento, muito wrestling, judô, Jiu-Jitsu, drills e muita atenção à preparação física. Após cada campeonato, a gente analisa cada detalhe para buscar corrigir os erros cometidos, algo importante para chegar pronta e confiante para um grande torneio. Meu treinamento será todo em Abu Dhabi, aqui temos um grupo de treino de alto nível que me ajuda em todas as áreas. Meu marido e treinador Marcos Oliveira se encarrega de organizar o cronograma de treinamento e a estratégia para cada adversária.

Você vai lutar de meio-pesado. Está confiante para tentar também o absoluto, e tentar um modo de surpreender a campeã Gabi Garcia?

Estou lutando em categorias mais leves hoje, por isso não tenho a intenção de lutar o absoluto. De fato a Gabi é hoje o maior nome do Jiu-Jitsu feminino mundial, é uma atleta que vem evoluindo a cada campeonato, além de ser uma guria de um coração gigante. Acho que tenho a fórmula para lutar com ela, tanto que já usei uma vez (risos). Mas no caso o segredo é a alma do negócio. Seja como for, fico na torcida para que a mais preparada vença sempre. Vamos ver o que vai rolar lá na hora.

Como foi a festa da vitória no WPJJC 2013, título conquistado diante de sua torcida?

Eu sempre desejei muito vencer o WPJJC. Desde 2009, quando vim morar nos Emirados Árabes, eu tinha dois objetivos: um era me tornar campeã do WPJJC; o o outro era fazer uma lutadora árabe campeã. Eu sabia que o caminho seria longo, pois era o início da implantação do Jiu-Jitsu feminino no país. Em 2012, optei não lutar, pois meu objetivo era estar 100% focada nas minhas alunas e dar toda assistência e segurança para elas durante a competição. Das minhas cinco alunas inscritas, quatro medalharam e duas foram campeãs. Uma delas, Shamsa Hassan, se tornou a primeira mulher dos Emirados campeã mundial. Este ano então decidi que era minha vez de ser campeã. Contei com o apoio do Marcos, dos amigos, das alunas e de meus colegas de treino, e todos tiverem um papel essencial nessa conquista. Acredito que a vida tem seu próprio tempo e quando damos o melhor de nós, somos recompensados com momentos assim, em que a vitória não é apenas um resultado, mas a soma de todos os momentos, as experiências, ou seja, a jornada que te levou até ali.

O que ficou de lição após a vitória em cima de Fernanda Mazzelli na final?

Eu já tinha lutado com a Mazzelli em torneio de wrestling. Então a luta ocorreu do modo traçado. Marcos e eu tínhamos estudado o jogo de todas as meninas da categoria e treinamos para todas as situações. Eu sabia que não poderia errar com a Fernanda, pois ela joga muito bem na guarda. A estratégia foi impor meu ritmo do início ao fim e foi o que ocorreu. Só pude respirar aliviada quando acabou, e venci por três vantagens.

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *