Desclassificação em debate – Em defesa do Jiu-Jitsu de Keenan e Paulo Miyao

Share it

O lado fã de quase todos nós aplaudiu a atitude do árbitro ao desclassificar os dois finalistas do absoluto faixa-marrom do WPJJC de Abu Dhabi. Isso porque o que todos nós queríamos era assistir a uma luta eletrizante, com idas e vindas, destes dois grandes lutadores de Jiu-Jitsu.

Acontece que nem sempre embates entre dois grandes lutadores se traduzem em grandes lutas.

Alguém se lembra dos momentos que antecederam a luta entre BJ Penn e Matt Serra em setembro de 2002? A maioria aguardava o maior combate no solo da história do UFC. E o que se viu foi uma luta travada em pé, que, aposto, nenhum dos dois campeões considera estar na lista dos seus melhores momentos.

É apenas um exemplo entre tantos. Fabio Gurgel e Amaury Bitetti lutaram incontáveis vezes nos anos 1990, e raramente a luta deles era resolvida por mais que dois pontos. O mais interessante é que a maioria criticava duramente a técnica do eventual vencedor (Amaury, na maioria das vezes), mas a razão de a luta ser travada era porque o nível técnico de ambos era altíssimo e equivalente, e não por ausência de técnica como se fazia crer.

Fora Keenan Cornelius observa Luciano Mendes desclassificando os finalistas no WPJJC de Abu Dhabi 2013 Foto Dan Rod

Desclassificados: Keenan Cornelius e Paulo Miyao (encoberto) observam incrédulos o gesto do juiz Luciano Mendes, na final do aberto marrom do WPJJC de Abu Dhabi. Foto: Dan Rod/GracieMag

Mesmo um dos maiores finalizadores do fim da década de 1990, Nino Schembri, se viu segurando a luta em combate que abriu cinco pontos contra outro monstro da finalização, Fernando Margarida, em luta casada realizada em São Paulo.

E até aquele que é possivelmente o maior finalizador da história do Jiu-Jitsu de competição, Roger Gracie, passou bons momentos “descansando” na guarda fechada de Marcus Buchecha, durante o confronto dos dois no Metamoris, simplesmente porque era o mais prudente a se fazer naquele momento.

Precisamos distinguir valentia de inteligência e estratégia, e não estimular a valentia desmedida, beirando ao suicídio.

Novamente, é mais fácil ao não assistirmos a Keenan Cornelius e Paulo Miyao entrarem para matar e morrer que nossa frustração de fã se reflita num lado perverso de comemorar a desclassificação de ambos.

Mas, concorde você ou não com a atitude do juiz, não é justo passar a julgar o Jiu-Jitsu destes dois atletas pela luta de um contra o outro, e usá-la para desconstruir as qualidades técnicas de ambos.

Lutas parelhas e monótonas não são privilégios da atual geração, sempre existiram e sempre vão existir. Mas se você quer analisar a técnica e o ímpeto dos dois melhores faixas-marrom da atualidade, faz mais sentido observar suas lutas contra outros adversários.

Notará, pois, que Paulo impressiona domando monstros muito além dos seus 61kg desde que era faixa-azul, e que o percentual de finalizações de Keenan Cornelius é tão alto quanto notáveis antecessores dele na faixa-marrom, jovens reis da categoria como Ronaldo Jacaré, Márcio Pé de Pano e Fernando Margarida.

Sequer conheço pessoalmente Keenan e Paulo. Mas admiro o Jiu-Jitsu que eles apresentam, muito além do que é percebido no confronto direto entre os dois.

*** E você, leitor, qual sua opinião sobre a desclassificação? Comente.

Ler matéria completa Read more
There are 92 comments for this article
  1. Fernando Costa at 8:55 pm

    Entendendo perfeitamente a opinião do Lucas Atalla que é um dos maiores conhecedores da arte, todavia os dois não estavam lutando. Os dois não foram desclassificados na hora, foram advertidos, punidos e depois desclassificados! Eles não buscaram a luta desde o início.

  2. Alberto Andrade at 8:55 pm

    Justamente pela frustração que esperados combates causaram, é que a regra foi modificada! O árbitro aplicou bem a regra, tanto que foi aplaudido pelo público! Os lutadores tem que treinar para lutar, e não para praticar o anti-jogo!

  3. Pablo Aragão at 9:04 pm

    Nao concordei com a desclassificacao dps atletas. Sei que nao foi bonita a luta, porem aquo nada mais é do que estrategia. Acho ainda que eles nao estavam amarrando na ocasiao, amarraram muito mais em outras ocasioes e nao foram desclassificados. Mas reapeito a d3cisao do arbitro e a opiniao de todos.

    • Pablo Aragão at 10:14 am

      Exatamente e se tratadon de dois atletas com o jogo muito parecido aquele que abrir mao do seu estilo estara favorecendo o seu adversario. Nenhum atleta ira querer abrir mao de ganhar um mundial ou um pan ou um europeu.

    • Thiago Dias at 11:38 am

      Pablo Aragão
      As Pessoas comentam que a regra foi cumprida,que os dois estavam amarrando,etc…Não concordei com a desclassificação da forma que ocorreu.Faltou flexibilidade do árbitro.Após a segunda punição ele poderia ter voltado a luta em pé,e a partir daí se não houvesse maior movimentação desclassificaria. Amarrão tem que ser punido sim,mas existe uma grande diferença entre amarrar e lutar com cautela. o BJJ cresceu e as técnicas evoluíram.Não querem berimbolo,não querem 50/50 escrevam no livro de regras que são proibidas.E para finalizar,dar o prêmio para o terceiro colocado foi um grande erro,ainda mais que o mesmo é da academia do referido árbitro.

  4. Leo Lucio at 9:44 pm

    Independente de técnica ou não, falta é visão de jogo. Mudar a estratégia no meio da luta mostra q o seu arsenal é vasto.
    Eqto Roger vs Buchehca, não acredito q estava no tatame o "mesmo" Roger finalizador dos mundiais.

    • Flavio Maia at 10:35 pm

      O arbitro agiu corretamente, até ´pq ele advertiu 3 vezes os atletas, só gostaria de saber se o arbitro faria isso em uma luta de Rafael Mendes e Cobrinha por exemplo. |Mas acho que ele agiu muito bem. 2 lutadores de jiu jitsu,10 minutos com a bunda no tatames é ridiculo. Ninguem tentou subir pelo menos pra fazer uma vantagem. Os caraspodem ser o que for como fala o Redator da materia, mas nessa luta foram horriveis e estamos descutindo essa luta. osssssssssss

  5. Marreta Jiu Jitsu Brasileiro at 10:32 pm

    Não concordo com a desclassificação pelo simples fato de diferença de peso entre ambos, Keenan faz um jogo para não se deixar levar no "berimbolo", já Paulo usa o recurso no qual o deixa em plenas condições de lutar de igual pra igual com os "grandões", pois os irmão Miyao são os únicos na história que lutam absolutos e estão sempre no topo, graças ao jogo que os permitem a isso…

  6. Cassio Werneck at 10:45 pm

    Fala Lucca!!Perfeita a sua colocacao e principalmente a comparacao das lutas do Bitteti vs Gurgel com as do Keenan vs Paulo‚nos viviamos reclamando deles lutarem judo‚agora estamos reclamando deles puxarem pra quarda.A melhor forma de resolver isso seria sem limite de tempo‚mas como nao e possivel num campeonato desse porte‚poderia existir uma regra em que force um dos 2 lutadores fazerem guarda ou passar a guarda.Por exemplo depois de algumas tentativas de quedas ou de puxar para quarda o juiz para a luta faz um cara e coroa durante ou mesmo antes da luta(a faixa verde e amarela ja poderia ser um sinal)e quem ganhar escollhe a posicao de passagem ou de guarda e depois de um tempo estipulado e logicamente se nao acontecer a finalizacao eles trocariam de posicao.Dessa forma possivelmente iriamos ver as qualidades tecnicas do lutador por um todo como queda‚passagem de guarda e guarda. Um grande abraco e valeu pelo debate

    • Luca Atalla at 11:17 pm

      Cassio Werneck sempre com bastante sabedoria. Eu também gosto de determinados momentos haver este "sorteio" e se iniciar já no chão. Como em toda mudança de regra, no entanto, precisa-se debater bastante e escutar a opinião dos professores e equipes. Abraço!

    • DiPipe Luciano Júnior at 2:26 am

      Vão fazer com a luta em cima do jiu jitsu o que fizeram com a luta de chão do judô, se isso acontecer.
      Isso tem que ser implantado na filosofia do atleta, pelos mestres.
      Lhe puxou na guarda ?, sobe, ganha uma vantagem, que se a luta terminar empatada, você ganha e passa a guarda.

  7. Antonio Brito Souza at 10:46 pm

    a filosofia do jiu jitsu , sempre foi o dominio do oponente e a busca da finalizaçao, o que diferenciava margarida, terere, jacare roger gracie etc ..seguindo a sua logica em uma olimpiadas nao deveria existir medalha de ouro , porque todos sao de alto nivel….kron gracie, minotauro, royce gracie e mestre helio gracie , acho que tambem nao concorda com vc …

  8. Marcos Pappalardo at 12:04 am

    Concordo com o arbitro, tendo em vista que ele usou a regra para tomar a decisão. Não confunda algumas poucas posições eficientes,, que alguns atletas treinam exaustivamente, com um grande lutador de jiu jitsu. rande Lutador de jiu jitsu, sempre faz lutas bonitas, sem amarrar. Não lembro de ter visto alguma luta ruim, do Rickson, do Roller, do Rodolfo, do tanquinho e outros, que mesmo amarrando mostram técnica apurada. Bom atleta puxa pra guarda e pega ou raspa e se for puxado, passa e pega. Infelizmente uma minoria hoje em dia tem essa postura. que pena!

  9. Marcos Paullo at 2:01 am

    Excelente atitude da Arbitragem, jogo de cumade do caralho…… Marrom tem mais e que cair pra dentro mostrar o que sabe fazer fica esse jogo amarrado acabando com a beleza do esporte.

    • Márcio Sousa at 2:05 am

      O árbitro aplicou bem a regra, tanto que foi aplaudido pelo público! Os lutadores tem que treinar para lutar, e não para praticar o anti-jogo!

  10. DiPipe Luciano Júnior at 2:19 am

    Ainda bem que a comparação do Keenan com o Jacaré, o Pé de Pano e o Margarida, foi no fim do texto.
    Se é no início, eu nem leio.
    O que se mede é que as lutas deles não são chatas por prudência, e sim por covardia, os dois ficam de bunda sentada no chão fazendo guarda, porque um não levanta e passa a guada do outro, porque não se provar o melhor.
    Acho que dos dois, o Keenan é o menos pior, o mais confiante.
    Eu rezo todo dia para que isso não seja o futuro do jiu jitsu, para que os faixas marrons que perdem para eles, na preta tenham uma evolução a ponto de anular esse jogo.
    Espero também um regra que puna a pessoa que fechar uma 50/50 e não atacar dali, que as puniççoes venham só para quem fechar a fifty, assim evitarão puxar e a pessoa vai ter que tentar abrir, caso o outro impeça, a punição passa para o outro.

  11. Romero Jacare Cavalcanti at 2:29 am

    Caro Lucas respeito a sua opiniao, lutas chatas e amarradas nao acontecem so hj em dia, antigamente tambem tinha muita luta chata e amarrada, mas o juiz deve ser o condutor da luta como em todos os esportes de luta, se ele adverte , manda os lutadores se movimentarem e nem assim eles obedecem, tem sim que serem punidos com a desclassificacao, quem sabe assim nao aprendem as regras, bem essa e a minha modesta opiniao. Luta de cahorro engatado depois de cruzar ninguem merece.

    • Luca Atalla at 3:18 am

      Mestre, também respeito muito a sua opinião, e eu de fato estou defendendo a qualidade do Jiu-Jitsu dos dois atletas independente da luta entre eles ser boa ou não, ter sido boa ou não. Uma luta chata (ou meia dúzia delas, que seja) não deveria apagar um histórico de (chutando) 50 finalizações e ser julgada fora do contexto, ao menos-também, é claro–na minha opinião.

    • Romero Jacare Cavalcanti at 3:38 am

      Sim eu entendi sao 2 belissimos atletas sem duvida, so acho que deveriam se espelhar em atletas que realmente lutam pra frente e no caso do juiz mandar movimentar cai pra dentro senao nao adianta reclamar depois, acho que o juiz acertou em cheio, mas concordo com voce eles tem jiu jitsu de qualidade pra mostrar.

  12. Julio Bolognesi Sommerhauzer at 3:21 am

    Não acho que a desclassificação foi correta nesta luta. Concordo que deve haver desclassificação quando ambos lutadores se negam a lutar, porém nesta luta não consigo ver as 3 punições.

  13. Alexandre Ribeiro at 6:48 am

    Queridos mestres e amigos, na minha opiniao o jiu jitsu deve ser travado com um atleta por cima e outro por baixo, passando, guardeando , derrubando amassando ou sendo amassado. Ja o fato de dois lutadores estarem por baixo, como a guarda dupla, ai sim acredito que nao ha o comprometimento com a luta, entendo que a intencao deles era de lutar, mas julgar a intencao eh muito dificil e temos que julgar e conceituar o posicionamento e na minha opiniao ficar sentado sem querer oassar a guarda eh nao se comprometer com a luta. Admiro muito o jiu jitsu do Paulo e Keenan e acho que eles sao fenomenos do esporte, mas acho q guarda dupla nao eh jiu jitsu e se depois dos primeiros 30 seg nao ha comprometimento com a passagem, deveria sim aplicar punicao. Obrigado

  14. Nilson Pokemom Lopes at 7:18 am

    A regra foi aplicada, ela sempre esteve lá, para aqueles que acham que outras lutas tbm deveriam ser punidas eu tbm concordo e em outros casos foi errado o arbitro que não puniu… no caso desta luta o arbitro foi correto…
    Os atletas tiveram varias chances de mudar o jogo para nao serem desclassificados, houve a primeira puniçao, houve a segunda puniçao, houve a terceira punicao… foram 3 chances. Nenhum deles mudou, nem o Keenan, nem o Paulo e muito menos o arbitro que foi corretissimo!
    Nao confundam o costume de ver arbitros "errarem" ao nao punir com a postura correta do arbitro que puniu…

  15. Alexandre Pereira at 9:49 am

    Se voce fez 10 x 0 seu oponente é que tem que correr atraz… A movimentaçao de quem esta ganhando pode ser tornar um suicidio… Nao é questao de amarrar a luta… Tem que ter estrategica… Em todo esporte existe isso… Futebol, ciclismo,corrida… Vamos refletir…. Alexandre Pit Bull, MG

  16. Mario Fernandes at 10:28 am

    Luca, você foi brilhante no seu artigo e fez com que grandes conhecedores do jiu-jitsu se manifestassem com argumentos sérios. O Jacaré foi ótimo ( cachorro engatado). Na verdade os dois lutadores são ótimos pelo simples fato de que não estariam aonde estão sem um jiu-jitsu de alta qualidade, muito menos lutando absoluto com 60 kg. O que se viu foi a aplicação da regra atual e regras são feitas para serem mudadas e melhoradas. Esse tipo de jogo apresentado criará formas de ser anulado e superado e aí está a beleza de nossa arte marcial. Lembro que a 50/50 apareceu surpreendendo e , muito rapidamente, já haviam várias soluções , defesas e ataques. Grande abraço

  17. Lucas Lima at 11:05 am

    acredito que o arbitro quis aparecer mais que os dois lutadores, uma luta travada nem sempre significa falta de combatividade, se todos os árbitros começarem a ver as lutas dessa forma não haverá mais lutas entre dois ótimos guardeiros .

  18. Igor Silva at 12:03 pm

    Se em vez de vantagem, o atleta ganhasse dois pontos ao subir primeiro, isso não aconteceria, até porque em uma luta com dois atletas desse nível os dois pontos poderiam definir o combate.

  19. Rafael Marangoni at 1:45 pm

    "Precisamos distinguir valentia de inteligência e estratégia, e não estimular a valentia desmedida, beirando ao suicídio."

    Exato.
    Uma pena os atletas terem sido desclassificados, errado a meu ver. Principalmente num campeonato que é um dos poucos que oferece uma premiação em dinheiro significante.

  20. Caio Souza at 2:40 pm

    Os dois estavam lutando, buscando pegadas, atacando os pés, estava movimentado. Esse ano mesmo, Cornelius finalizou o Miyao, numa luta q se deu da mesma forma. Eles não vão arriscar a se abrir só pro público ter um show. É o trabalho deles, a vida deles, treinam o ano todo pra isso, pra serem eficientes. Aí, vem um regra e tira isso deles, alegando que para o bem do show. O arbitro seguiu a regra, correto. Mas e qntas lutas ficam sem ir para frente, com um fazendo guarda e o outro por cima? Acredito q pelo fato de ambos estarem sentados, isso pesou no juiz. Ninguem reclama das lutas em q o Lo ganha por 1 vant do Lepri ou do Langhi. No caso, ambos se expoem pouco. E não venha dizer q eles estao buscando a finalização, pois os Miyao e o Cornelius tbm buscam, e o fazem muitas vezes. Mas não reclamam pq tem um por cima e um por baixo. Estão estigmatizados a isso, ao fato de um estar por cima e o outro por baixo. Concordo q é mais bonito, mas prefiro a eficiência do q a beleza. Mas vamos ver agora, seguindo essa nova cartilha, a qual todos aprovam, acredito q não haveram mais lutas ganhas em poucas vants, ja q isso é sinal de q arriscaram pouco, não se expuseram e fizeram mal ao show.

    • Vinicius Ventura at 11:38 am

      Concordo com vc em parte. Realmente a estratégia tem que ser seguida e final é final. Mas não está sendo questionado a qualidade dos atletas, muito menos suas conquistas anteriores. São dois fenômenos que vão dar mto o que falar ainda. Entretanto, em cima da luta, a decisão do arbitro abriu um precedente e, que com certeza, puxará outras decisões do tipo. O mais importante disso foi ter iniciado o debate e com isso deverá ser tomada uma atitude que melhore ainda mais a qualidade das competições, pois o Jiu-Jitsu não mudou o que está mudado é a forma de competir

  21. Raphael Macena Goncalves at 3:50 pm

    Não concordo com a desclassificação dos dois. O jogo dos caras é esse e o nível dos atletas é bem parelho. Tudo bem que não era uma luta bonita mas acho até falta de respeito com os atletas que treinaram e se dedicaram para estar ali.

  22. Thiago Stefanutti at 4:43 pm

    O arbitro deve ser imparcial e jamais analisar a luta por nomes ou historia. Na minha opiniao para o arbitro nao estao lutando Paulo e Kennan, mas sim dois lutadores que devem ter os mesmos direitos e obrigacoes assim como todos os outros. Esse tipo de criterio pode ser muito perigoso e pior tendencioso, a luta deve ser analisada com imparcialidade.
    Concordo e muito com a opiniao do Xande, respeito muito os dois lutadores e acho inclusive os dois acima da media, mas essa luta foi terrivel.
    Acredito tb que a regra deve evoluir na mesma velocidade do esporte, por que nao se criar regras especificas para esse tipo de situacao impedindo assim que desclassificacoes como essas ocorressem. Por exemplo penalizacao por guarda dupla poderia-se obrigar os dois atletas a reiniciarem o combate de pe todas as vezes.
    De qualquer forma parabens ao Paulo e ao Kennan pelo que vem fazendo nas suas carreiras e vamos passar a guarda rapaziada!!!

  23. Oton Dantas at 9:13 pm

    Assistir vídeos de combates entres os dois atletas Keenan Cornelius e Paulo Miyao anterior a esse em que Cornelius consegue neutralizar o 'berimbolo', passar a guarda de Miyao e ganhar a luta. Se foi estratégia mal feita ou amarração, penso que a postura do árbitro foi correta, os dois lutadores teriam que buscar outras técnicas pra definir a luta, seus técnicos deveriam está atentos as advertências e orientar corretamente seus pupilos, pois o Jiu Jitsu é pra frente, finalizando ou não, sempre tem que se buscar a finalização, é esse o Jiu Jitsu que o mestre Hélio Gracie criou. Se no final um atleta da mesma equipe do árbitro foi premiado porque a 'regra' dizia que deve ter um campeão da categoria, azar para os dois excelentes atletas. Na próxima luta entre os dois espero uma estratégia melhor elaborada ou novas técnicas de melhor eficiência pra definir o combate. Oss

  24. Ígor Ribeiro Marques at 12:48 am

    A qualidade do jiu jitsu de âmbos é incontestável. Também acho correto haver estudo durante a luta, afinal, quem compete e já subiu num importante pódio, sabe que pra estar ali, é necessário um misto de coragem desmedida, e estudo calculista. O que não justifica a atitude de Keenan e Paulo em ficar na posição de guarda dupla durante todo o tempo da luta. Ao notar que o árbitro pede mais combatividade, usando o que está a sua disposição (punições e desvantagens), os atletas, em respeito a autoridade no tatame, deveriam mudar sua atitude e buscar o combate. De fato, a posição de guarda dupla é uma posição de ataque onde qualquer atleta pode pegar as costas, subir na posição de leg-drag, etc. Porém, como em qualquer outra posição (guarda aranha, meia guarda, guarda fechada, guarda x, em pé trocando quedas, etc) quando em um determinado tempo nada acontece, o árbitro central deve entrar em cena punindo-os, como fez o árbitro dessa luta. E eu, penso que ele, o juiz de Keenan e Paulo, agiu corretamente. Abraços e bons treinos!

  25. Santiago Fernando Do Nascimento at 2:42 am

    Concordo em gênero e grau, mas não é porque sempre existiram lutas travadas que as coisas devem continuar como sempre foram; é preciso mudar para que o esporte evolua sempre.

  26. William Correa at 6:28 pm

    nossa…realmente dipipe viajou grande…comentário sem critério nenhum, tirou os dois maiores nomes da faixa marrom para nada, gostaria muito de ver as suas técnicas contra um dos dois…falar e criticar é fácil…fora isso concordo com o arbitro no sentido que o aviso de combatividade já tinha sido dado, com punições e tal, nenhum fez guarda ficaram trocando pegadas sentados entrelaçados…só isso, nenhum quis arriscar.A regra foi aplicada só isso, mas esses dois guerreiros não deixam de ser dois monstros

  27. Royler Gracie at 7:42 pm

    Acho que já esta mais do que na hora de fazermos mudanças.
    Certo ou errado a regra de um jeito ou outro tem que mudar e acabarmos com essa amarração. Jiu-Jitsu para sempre….

    • Carlos Augusto at 2:51 am

      Olá a todos amigos e amantes do Jiu-jitsu. Sinceramente tenho receio em comentar aqui por que lá pelas tantas alguém se ofende mas eu acho o jiu-jitsu de competição nos moldes atuais muito aquém da fonte original.
      Eu fico imaginando o Grande Mestre Helio Gracie fazendo guarda sentada na rua…isso nunca iria acontecer acredito (posso me enganar mas quase certo que não).
      O jiu-jitsu praticado nas competições em que não há a obrigação pela finalização, em que não há uma desenvoltura do jogo não é jiu-jitsu. Aliás, acho que não seja por uma série de fatores mas enfim…

      Em dezembro tive o prazer de fazer aula particular e seminário com o faixa preta Leonardo Xavier, da escola tradicional e os ensinamentos dele eram o básico do básico e ninguém sabia no seminário. Posicionamento simples, postura, levantada técnica correta, raspagem tesoura correta, conexão entre tantas outras situações que deveriam ser o currículo básico, enfim,um jiu-jitsu simples e eficiente para a vida toda.

      Quanto mais distante da fonte- família Gracie estamos, mais distante do verdadeiro jiu-jitsu estamos. E não falem por favor em evolução por que atualmente parece involução, um atraso.
      Tenho a convicção que a imensa maioria das academias de jiu-jitsu no mundo todo não passam aos seus alunos, de forma clara, correta e repetitiva ( para sair no automático) a defesa pessoal por exemplo. Enfim, estamos distante do jiu-jitsu que pega, que vale para o dia-a-dia.

      Por um jiu-jitsu que pegue e que seja para a vida toda, sem o uso da força.

      Um abraço a todos,

      Santiago

  28. Luis Henrique Gonçalves at 9:54 pm

    acho que como a luta do jacaré e do Roger Gracie teve um debate muito grande por um lutar com o braço quebrado, e se teve um estudo e mudou as regras na época, no caso do Paulo e do Keenan também deve ave um estudo… hj é muito comum ver até faixas branca tentando a posição dos dois, jiu jitsu é uma luta evolutiva e altamente estratégica (como nos falamos é o xadrez das artes marciais). Ouve o acontecido e muitos estão falando que isso ou aquilo, mas imagina um lutador sair do Brasil outro do EUA com a cabeça super focada chegar na final de um evento como esse, abandonar a estrategia que o pós na final, o que o técnico dele iria falar… o erro foi cometido e quem não comete erro, tudo bem que tem o jiu jitsu do fulano do sicrano que os caras são super campeões mas acho que com certeza os dois vão se encontra de novo e vão ficar mais esperto, por que essa foi a ponta que faltava para começar a regras dessa naturesa… nunca vi um arbitro de qualquer competição ter tido a coragem que esse teve… agora vai vera até modinha falar (lute) e dar punição na sequencia pois antes o arbitro parava e explicava porque da punição… posso estar errado mas também erro na luta e na vida fiquem com Deus.

  29. Leonardo Nogueira at 10:08 pm

    Concordo totalmente com a atitude do Juiz! A luta tem que ser dinâmica! , um passando e o outro defendendo!, alguém tinha que tomar a atitude de ficar por cima! , e não foi o que aconteceu.

  30. Vinicius Ventura at 11:26 am

    A qualidade dos dois atletas é incontestável e, até por isso, está sendo questionado a postura deles na luta. Concordo que sempre houve luta amarrada, apesar de não concordar em relação a luta do Nino vs Margarida, que teve raspagem, reposição, passagem…Não sou daqueles saudosistas que não consegue aceitar (e entender) a evolução do esporte, porém sou do tempo em que raspar era "tira"r o oponente de cima e colocá-lo pra baixo, não se entrelaçar com o outro e sair por cima todo embolado!!!! É possível ser um grande campeão lutando pra cima, seja por baixo ou passando e grandes campeões comprovam isso até hj. Salve Roger Gracie, Xande Ribeiro, Marcelo Garcia, André Galvão, Kron Gracie, Buchecha, Rodolfo Vieira, só pra citar alguns de diferentes gerações que lutam o puro da arte, porém acompanhando a evelução!!!!

  31. Alencar Ferrari at 4:57 am

    Não concordo com a desclassificação. Não estavam amarrando e sim buscando uma oportunidade para finalização.
    Os dois atletas estavam trocando pegadas e se movimentando constantemente. Sou da época que Jiu-Jitsu era um por cima e outro por baixo, mas qual o problema de se lutar de outra maneira (os dois sentados)? Todos nós sabemos que o principal objetivo é do Jiu-Jitsu é a finalização e se quisermos ficar inventando regras para obrigar os atletas a lutarem de maneira x ou y, aí sim vamos perder a essência do Jiu-Jitsu.
    O jogo deles é eficiente e pra frente sim! Tanto que estão sempre nas finais, e com muitas finalizações.
    Não tenho procuração pra defender nenhum dos dois, alias nem os conheço, mas acredito que por maior que seja o apelo por lutas dinâmicas e plásticas não devemos comprometer a eficiência em favor da plasticidade ou o que quer que seja.
    Um atleta derrotado na semi como campeão?!! O dia em que a frase "Que vença o melhor" definitivamente não valeu.

  32. Thiago Niky at 6:32 pm

    O Keenan tem um jogo de JJ bem amplo, ele joga a estratégia dependendo do lutador, já os iramos Miyao são sempre a mesma coisa, sempre o berimbolo. O Keenan sempre que ganhou deles, teve que fazer o mesmo estilo de jogo e foi superior. Neste ultimo que perdeu, percebe-se que ele não tem mais paciência pra esse joguinho, e partiu pra passar a guarda e acabou perdendo. Infelizmente os irmaos vao chegar na preta, e torco pra que tomem aula de JJ dos mais experientes e parem com esse tipo de "jogo" .

  33. Thiago Nozuma at 5:23 am

    Jiu jitsu enrolado? para com isso! Jiu Jitsu não é luta para insensato, mas para quem pensa, quem tem estratégia.. e digo mais.. 20 segundos para fazer alguma coisa é besteira, se o cidadão já entrou na competição entrou para finalizar, ou pontuar! O que deveria mudar é a regra e não os competidores que sofreram essa falta de respeito! Se vale ouro, cedo ou tarde alguém ia fazer alguma coisa então desclassificar por embolamento??? fala sério! se é pra ver show existe o circo.. isso aqui é ARTE SUAVE irmão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *