Durinho comenta vitória, vê evolução no MMA e sonha com ADCC em Pequim

Share it
Gilbert Durinho exibe seu cinturão após vitória no MSA. Foto: Carlos Arthur Jr. /GracieMag.com

Gilbert Durinho exibe seu cinturão após vitória no MSA. Foto: Carlos Arthur Jr. /GracieMag.com

Faixa-preta cascudo em todos os setores, Gilbert “Durinho” Burns venceu mais uma no MMA, no Rio de Janeiro, na segunda-feira. Além de treinar feras do UFC, como Vitor Belfort e Cezar Mutante, Durinho voltou a finalizar, agora no card do evento nacional MSA, segmento preliminar do evento MMA Chapions League, realizado no dia 25 de março, na Barra de Tijuca.

Durinho falou a GracieMag sobre a diferença no psicológico do atleta que compete no Jiu-Jitsu e no MMA, além da sua carreira como treinador e da vontade de ir à China, para competir no ADCC 2013.

Tudo isso, claro, antes de voar para o rodízio de pizza mais próximo, para se desvencilhar dos grilhões da dura dieta feita para o confere.

GracieMag: No fim das contas, o que você sente de diferente após uma luta de Jiu-Jitsu e uma de MMA?

GILBERT DURINHO: O Jiu-Jitsu no MMA é muito específico, bem diferente. O contato no MMA é de verdade, você pode se machucar muito, então o psicológico muda ao aplicar o Jiu-Jitsu no MMA.

Você derrubou o Rodolpho Coronel e já quase caiu montado… Foi instinto?

Eu sabia que o meu adversário não era do Jiu-Jitsu, então teria a superioridade no chão. Sabendo disso, já busquei cair numa posição boa, montando e soltando cotoveladas. O árbitro ainda nos levantou, e precisei derrubar de novo para conseguir pegar o braço.

Qual seu próximo passo?

Bem, agora mudei o foco. Agora entra a cabeça de treinador. Estou indo para a equipe Blackzilians treinar o Vitor Belfort para o UFC no Combate 2, em Jaraguá. Mas, mesmo como treinador, sou viciado em treinar, e vou continuar evoluindo por lá, sugando muito do Rashad e dos outros astros. Vou continuar aprendendo, focado nas lutas do Vitor e do Mutante, mas pensando no meu jogo também.

O fato de ter lutado ajuda muito na hora de ser treinador?

O treinador que já lutou passa outra confiança. Meu ritmo de lutar e de treinar MMA me dá uma visão melhor para o Jiu-Jitsu aplicado no MMA. E, como conheço o jogo do Vitor, já posso pensar em como ele pode aplicar isso na luta. Minha evolução no MMA ajuda muito na parte de treinador. Lutar ajuda mais a ser treinador do que o contrário.

E depois do UFC em Jaraguá?

Em outubro, acho que vou tentar esse ADCC. Vai ficar difícil porque estou indo para os EUA treinar o Vitor, e não vou poder fazer a seletiva. Mas vou continuar lutando e finalizando as minhas lutas para ver se recebo um convite dos organizadores.

 

MMA Champions League 
25 de março de 2013
Teatro dos Grandes Atores, Rio de Janeiro, RJ

Card principal (MMACL 1)

Ronys Torres venceu Julio Cesar “Field” por nocaute técnico no R2 (cinturão até 70kg)
André Chatuba venceu Cassiano Freitas “Tytschyo” por nocaute técnico aos 4min39s do R1 (cinturão até 77kg)
Ismael Marmota venceu Marcelo Barreira por nocaute técnico aos 2min10s do R1 (cinturão até 84kg)
Lincoln de Sá finalizou Joriedson Reis “Fein” no triângulo de mão aos 3min58s do R5 (cinturão até 57kg)

Card preliminar (MSA 3)

Gilbert Durinho finalizou Rodolpho Coronel no armlock no R1 (cinturão até 70kg)
Denison Silva venceu Celson Rolim por decisão unânime dos jurados (cinturão até 57kg)
Sérgio Bomba venceu André Lourenço por decisão unânime (cinturão até 61kg)
Geraldo Freitas venceu Gustavo Prado por finalização no armlock aos 4min20s do R1 (cinturão até 66kg)
Rodrigo “Bruga” venceu Ângelio “Tilapa” por decisão unânime (cinturão até 93kg)
Felipe Nilo venceu Elias Santos por decisão unânime (70kg)

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *