Gabriel Silva fala da estreia no Jungle Fight 50 e dos treinos com o irmão

Share it

Gabriel Silva, por enquanto, é conhecido como o irmão mais novo do lutador do UFC, Erick Silva.

Mas ele quer ser mais do que isso. Para tal, Gabriel estreia no Jungle Fight 50, dia 6 de abril em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Ele enfrenta Vinícius “Astro Boy” Baraldo, atleta gaúcho que busca a quinta vitória no cartel.

Gabriel começou a carreira de MMA no Espírito Santo, mas a pouca idade não o permitia competir como profissional. Agora, com 18 anos, o capixaba tem a oportunidade de mostrar o resultado dos treinos intensos que tem feito com nomes de dar inveja, como o mano Erick Silva, Bruno Frazatto, Rafael Feijão, Minotauro, Minotouro, e até Anderson Silva.

O jovem talento, no entanto, tem os dois pés no chão, e sabe que tem muito a aprender. GracieMag foi à academia XGym, onde Gabriel Silva tem feito seu camp, acompanhou os treinos do peso-galo e a avaliação é clara: ele está pronto para o primeiro passo.

GracieMag: Você mal terminou o colégio e hoje está treinando com várias feras do UFC. Como foi isso?

GABRIEL SILVA: Fiz três lutas no Espírito Santo, tenho três vitórias no MMA nos pesos leves. Foram lutas profissionais mas eu ainda não tinha idade para competir, tinha 17 anos. O Erick então me incentivou. Disse que ao completar a maioridade eu faria um evento de nível nacional, mas sob uma condição: que eu viesse treinar no Rio com ele. Então terminei o ensino médio e me mudei pra cá em janeiro. Desde então treino como se fosse lutar qualquer dia. O Wallid conseguiu esta oportunidade e vou lutar em abril.

Como foi se adaptar aos treinos fortes na Team Nogueira e XGym?

No começo foi difícil, os treinos são completamente diferentes no Espírito Santo. Aqui são treinos pesados, fortes, todos os dias, duas vezes por dia. Agora já engrenei, estou me sentindo bem melhor fisicamente e também melhorando tecnicamente. Estou aprendendo bastante. Só agradeço por poder fazer parte destas duas equipes. Estou tentando evoluir e aprender com estes caras que são os melhores do mundo.

Moro com o Erick e com o Bruno Frazatto e essa convivência com campeões me faz aprender cada dia uma coisa diferente. Isso é muito importante pra mim. Procuro ficar atento à cada detalhe para poder somar na minha preparação.

Você é faixa-roxa de Jiu-Jitsu, certo? Como está a sua preparação no jogo de chão com o Bruno?

Sempre treinei Jiu-Jitsu, mas de três anos para cá eu abandonei um pouco o pano. Me dediquei mais ao MMA e ao submission. Mas não porque eu quis, mas porque as circunstâncias me levaram a me dedicar a outras artes. Agora, com Bruno Frazatto, tenho focado no Jiu-Jitsu para o MMA, e acabo de ser graduado faixa-roxa por ele e por meu irmão. Sei que fiquei um pouco atrasado, mas estou recuperando o tempo perdido.

Gabriel Silva pegou a faixa-roxa de Jiu-Jitsu no Rio. Foto: Divulgação

Você sente alguma pressão nas comparações naturais com seu irmão?

Não me sinto pressionado. Neste convívio diário o Erick me passa muita segurança, me deixa à vontade em relação ao meu  lado profissional. Sei que não tenho a obrigação de ganhar, mas sim de lutar bem. Então vou lá para colocar em prática meu treinamento, e tudo que pratiquei neste tempo. Confio no meu treinamento e a própria equipe tira essa pressão de mim. Sei que sou novo, mas estou muito confiante.

Quais as suas metas no MMA profissional?

Quero lutar na divisão dos 61kg e chegar ao topo. Sei que vou ter de ralar bastante, caminhar um longo caminho, mas eu estou disposto a pagar o preço de seguir adiante. Escolhi isso pra mim e mudei para o Rio de Janeiro atrás deste sonho. Quero ser um dos melhores da minha equipe. Vai demorar, hoje sou apenas um aprendiz no meio dessa galera, mas estou feliz. Estou focado neste meu adversário, vou viver o presente. Quero ser campeão dos eventos em que eu estiver. Vou buscar a vitória nessa e nas próximas lutas até chegar a uma disputa de cinturão.

Em quem você se espelha neste meio?

No Erick, por saber e vivenciar a história dele. É fácil dizer que é fã, mas poucas pessoas realmente conhecem a história do lutador. Por ter esse exemplo dentro de casa sei exatamente o que se passa com ele. Muitas vezes passei a dificuldade junto com ele. No UFC Rio 2 eu fiquei com o Erick no final do camp, fiz a dieta que ele fez, vi como é difícil. Me espelho nele porque sei de onde ele veio e o que enfrentou para estar onde está hoje. Torço para que ele chegue ainda mais adiante, e sei que ele vai conseguir.

>> Confira o card do Jungle Fight 50:

Jungle Fight 50

Porto Alegre, RS

6 de abril de 2013

Robson New vs Wagner Noronha (Cinturão Interino dos Moscas)
Douglas Del Rio vs Itamar Rosa
Uziel Martinez Vale vs Fabricio Arevalo
Renato Moicano vs Mauro Chaulet
Dimitry Zebroski vs Tiago Trator
Leandro Frois vs Yuri Maia
Gabriel Silva vs Vinícius “Astro Boy”

 

 

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *