Rafael Feijão comenta estreia no UFC contra Thiago Silva: “Temos estilos parecidos”

Share it

Faixa-preta de Jiu-Jitsu, Rafael Feijão finalizou Mike Kyle em seu último combate. Foto: Divulgação/Strikeforce

Rafael Cavalcante “Feijão” se aproxima de realizar o sonho da maioria dos lutadores de MMA: fazer parte do seleto grupo de atletas do UFC. O meio-pesado de 31 anos estreia na organização no dia 8 de junho em Fortaleza, na final do reality show “TUF Brasil 2”, e seu adversário será o nocauteador Thiago Silva.

Feijão foi campeão do Strikeforce em 2010 e tem em seu cartel 11 vitórias, todas por nocaute, e três derrotas – uma delas para Dan Henderson, a que tirou seu cinturão em 2011. Em sua última luta, ele encarou pela segunda vez Mike Kyle, quando finalizou o adversário em um duelo eletrizante, mas o resultado foi anulado após o brasileiro ser suspenso. Rafael recorreu da decisão, ficou um ano sem pisar no ringue, mas algo melhor o esperava.

Além de estrear no Brasil, Feijão estará no mesmo card de um dos seus maiores amigos e ídolos, Rodrigo Minotauro.

O lutador de Cuiabá sabe a pedreira que vem chegando e não se abala. Ao contrário, fala da motivação em enfrentar um striker como ele e avisa: “Não tem outro caminho, esta luta vai terminar em nocaute”. Há quem já aposte que o encontro entre Rafael Feijão e Thiago Silva será o melhor combate da noite, devido à agressividade dos dois atletas. Confira uma entrevista exclusiva de Rafael Feijão ao GracieMag.com.

GracieMag: Enfim, o UFC. E na mesma noite que o seu mentor Minotauro. Qual é a sensação?

RAFAEL FEIJÃO: É a realização de um sonho, afinal vou estrear logo no Brasil e no mesmo card do Minotauro, que é um dos meus maiores ídolos além de mentor. Estou me preparando bem, fazendo o dever de casa. Essa luta (contra Thiago Silva) vai ser muito dura, é um atleta com um estilo muito parecido com o meu. É um cara de mãos pesadas, nocauteador nato, então acredito que essa luta não tem outro caminho a não ser um nocaute pra um dos dois lados.

Como foi esta surpresa de lutar em Fortaleza?

Na verdade eu já tinha pedido para lutar no Brasil, mas como eu estou fazendo a estreia no evento meu empresário me falou para não pedirmos muita coisa. Inicialmente a luta seria dia 6 de julho em Las Vegas. Pensei vamos lá, vamos lutar. Depois eles conseguiram me proporcionar lutar aqui e estou feliz demais, não só devido o Minotauro estar no card, mas também pela presença da minha torcida. Tive a oportunidade de ver os brasileiros fazendo festa duas vezes, quando eu estava no córner do Anderson e do Rodrigo no Rio, e posso dizer: torcida como essa no mundo inteiro eu nunca vi. Estou muito motivado, Cuiabá estará em peso no evento, o Rio também.

Chegou a pedir para lutar com o Thiago Silva?

Em um evento no passado nós quase lutamos, mas não pedi esta luta contra o Thiago, não. É uma pena serem dois brasileiros, mas estou pronto para qualquer combate. Estou me preparando para um dia lutar com o melhor lutador da categoria, não penso só nessa luta, vejo como o caminho para muitas outras. Eu acho que essa luta vai se desenrolar em pé, vai ser uma guerra este combate. Acredito em uma trocação bem agressiva.

E o chão também pode acabar sendo um caminho, não? Como estão os treinos?

Nós fechamos uma parceria para este camp com Bruno Frazatto, que acredito ser a inovação do Jiu-Jitsu hoje. Ele, os irmãos Mendes, André Galvão, Ramon Lemos, essa nova leva do Jiu-Jitsu vem com muita novidade. O Bruno elevou muito o nível do meu Jiu-Jitsu, nos últimos treinos todo mundo tem comentado a minha evolução. Ele é um fenômeno e tem ajudado a mim, ao Erick e até ao Minotauro! Hoje acredito que temos o melhor time do mundo. Atletas como Minotauro, Minotouro, Erick, Maldonado, toda essa galera junta proporciona o melhor treino que pode existir. Tenho certeza que esse camp com todos juntos só vai elevar o nível de todo mundo e vai fazer que a gente realize grandes lutas. UFC Brasil, a final do “TUF 2”, podem esperar que a galera da Team Nogueira vai passar o carro!

Como é sua preparação física para lutar na elite dos meio-pesados do UFC?

Estou com uma parceria nova, a Analítica Farmácia de Manipulação, que está me ajudando muito e meus médicos Marcio Tannure e Janaína Barboza são fenômenos que estão elevando muito minha condição. Além deles, claro, o Rogério Camões está sempre comigo e é o principal responsável pela minha preparação física para o combate. Hoje o MMA precisa de atletas de um nível muito alto, então detalhes fazem diferença. Estou buscando evoluir em tudo que posso, trabalhando com a medicina ortomolecular em especial para ajudar a perda de peso. Faltam três meses para minha luta e já estou com o peso que precisaria estar a um mês da luta. Estou com 106kg e muito bem.

Existe pressão para a estreia no UFC ou é mito?

Na verdade o que importa é a bagagem que você leva de luta dentro do octógono. Não importa se é Strikeforce, se é UFC. Tanto que nos últimos eventos do UFC vocês podem ver que os atletas do Strikeforce chegaram ganhando. Então é dessa experiência que estou falando. Eu me sinto confortável dentro do octógono, sei me movimentar, já passei por vários tipos de situações lá dentro, boas e ruins, então essa bagagem que a gente conquista ninguém pode tirar da gente. Me considero um atleta top três da categoria e vou provar isso em menos de três lutas.

O objetivo é o cinturão?

Quero estas três lutas para chegar à disputa do cinturão. Minha meta é estar sempre no topo da categoria e vou fazer tudo o que puder e não puder para chegar  a este ponto. Sou um atleta muito discilplinado, não aceito perder nem no cara-ou-coroa. Meu foco de treinamento é sempre ir mais, busco passar dos limites todas as vezes. Tudo o que fiz na vida eu consegui chegar no ponto desejado e não vai ser diferente desta vez.

Pensa em lutar com Dan Henderson de novo?

Se a oportunidade surgir sim, se não não. Considero o Dan Henderson um cara perigosíssimo, já mostrou isso pelas lutas que fez. Quando lutei com ele muita gente falou, “Poxa, perdeu para um coroa…” Daí o velho foi e bateu em todo mundo. Ele provou que é um atleta muito duro. No meu combate contra ele eu estava ganhando os dois rounds e ele acertou aquela mão sinistra e a luta acabou. Isso pode acontecer, é MMA, luva pequena, dois atletas pegadores…

E o Jon Jones? Pode ser vencido?

Todo ser humano tem falhas e sempre vai aparecer alguém melhor do que a gente. Sempre vai ter alguém que está treinando mais, que se empenha mais na dieta, que faz mais quantidade de treinos por dia, tem uma preparação física melhor e que vai correr atrás de tudo isso. Acredito em preparação para tudo, tanto psicológica quanto física. Acho que eu tenho a possibilidade de vencer uma luta dessa porque acredito no meu potencial. Sei que preparado fisicamente, focado como estou agora, eu não garanto vitória, mas tenho a possibilidade de vencer Jon Jones, sim.

TUF BRASIL 2
Ginásio Paulo Sarasate, Fortaleza, CE
8 de junho de 2013

Rodrigo Minotauro vs Fabricio Werdum
Rafael Feijão vs Thiago Silva
Rony Jason vs Mike Wilkinson
Erick Silva vs John Hathaway
Ronny Markes vs Derek Brunson
Ildemar Marajó vs Jason High
Caio Magalhães vs Karlos Vemola

Ler matéria completa Read more
There are 5 comments for this article
  1. Máximus Meridius at 7:59 pm

    kkkkk.. se considera top 3?? Que humildade! E onde fica o Gustafsson, Shogun, Lyoto, Henderson, Glover, Mousasi, Rashad, Davis ? Primeiro, reze para passar do Tiago Silva e de preferência sem substâncias proibidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *