As dancinhas e as academias de Jiu-Jitsu – descontração ou desrespeito?

Share it
Os tatames azuis na academia Renzo Gracie em NY

Os tatames azuis do Jiu-Jitsu. Foto: Erin Herle

No fim do mês passado, a internet sacolejou com mais uma de suas manias espontâneas, epidêmicas e totalmente loucas.

Sem nenhuma razão ou significado, com um propósito apenas de divertir e dançar, o vídeo “Harlem Shake” foi inoculado em lares, empresas, noticiários, batalhões e, claro, no mundo das artes marciais.

A dança insana gerou controvérsia também, e o GracieMag.com recebeu dois artigos com pontos de vista distintos. No primeiro, uma crítica pesada às danças no “chão sagrado” das academias. No segundo, uma defesa da descontração e alegria inerentes ao Jiu-Jitsu.

O debate levanta algumas questões. Por exemplo: qual o limite da descontração nos tatames? Qual o peso da tradição diante das novidades? Dança é sacrilégio?

Entre na discussão, escolha um dos lados e diga se você concorda, discorda ou muito pelo contrário.

Academia não é circo!

Por Mohamad Jehad, faixa-preta da Sul Jiu-Jitsu

A História conta com diversos relatos da utilização da música como forma de estimular um batalhão ou desestimular o lado rival. Na infantaria, aprende-se que as canções revelam se o moral da tropa está elevado ou não – quanto mais alto e vibrante for o canto, pior para o inimigo.

Não é este o caso nas artes marciais – com exceção, claro, da capoeira, que tem uma relação intrínseca com a música. Nas demais artes marciais, não temos como tradição o uso de qualquer distração musical durante a prática, pois não há benefícios para a concentração e o foco.

Eis então a questão. Por que vimos tamanha inundação de vídeos na internet onde lutadores de Jiu Jitsu parecem transformar tatames em salões de festa, raves ou bailes funks?

Será que todo pescoço apertado, todo braço envergado, todo sangue, todo joelho operado, todo preconceito superado não foram suficientes para criarmos uma geração de lutadores marciais disciplinados, honrados e sérios?

Será que Carlos e Helio Gracie aprovariam tal atitude, após verem em vida o sonho de transformar uma juventude desvirtuada em cidadãos responsáveis? Será que tais cenas grotescas não mancham o tatame como lugar sagrado e o kimono como um traje de guerreiros de reputação?

Todo homem ou mulher que se dispõe a trajar um kimono deve saber que, pelo menos naquele ambiente, não há lugar para outra coisa que não valores como honra, disciplina, ética e respeito.

Todos aqueles que, um dia, se sacrificaram pelo Jiu-Jitsu, certamente não gostariam de ver a academia transformada, mesmo que em poucos instantes, num circo. Afinal, o Jiu-Jitsu é uma arena cheia de leões, mas jamais um amontoado de palhaços.

*****

Bruno Bastos em foto descontraida na Finlandia

Bruno Bastos em armlock descontraído. Foto: Arquivo Pessoal

Falta de respeito é outra coisa

Por Bruno Bastos, faixa-preta da Nova União

Concordo que a academia de Jiu-Jitsu é um recanto mais do que sagrado, ponto. O que não consigo é ver manifestações como o “Harlem Shake” como falta de respeito. É apenas uma descontração do pessoal.

Falta de respeito é não aprender a fazer saudação ao entrar e sair do tatame, aos mestres e companheiros de treino. Falta de respeito é nao ser exemplo para os alunos. Falta de respeito é não expressar suas opiniões, sendo sempre politicamente correto.

Enfim, o tatame é sagrado, mas também é o lugar onde famílias inteiras se unem, religiosamente, em torno de uma vida saudável, onde pessoas aliviam o estresse do trabalho, onde os solitários ganham amigos, e até uma nova família. É um lugar onde as pessoas ensinam e aprendem todos os dias, mas também se divertem, celebram, comemoram, sofrem etc.

Vejo a dança e os vídeos apenas como uma brincadeira. E você? Para ajudá-lo a tirar a dúvida, envio uma versão que gravei na minha escola.

Ler matéria completa Read more
There are 85 comments for this article
  1. Fabricio Martins at 2:15 am

    Sr. Mohamed, o dojô continua sendo sagrado, tanto hoje quanto na época dos Grandes Mestres Carlos e Hélio, entretanto, cada um é filho do seu tempo, e é inegável que naquela época qualquer manifestação de alegria diferente era tratada com preconceito. Preconceito esse que não permitia a capoeira fosse praticada nas ruas, e hoje, como o Sr. mesmo atesta, a capoeira é intrinsecamente ligada à música. O tempo muda, o conceito de respeito não se perde, mas se modifica com o tempo, abarcando condutas que outrora não eram admissiveis. Bem-vindo aos novos tempos, tá na hora de aprender a berimbolar e dançar. Viva a alegria, só quem dança é feliz, desrespeito, consigo, é viver apegado ao passado. Berimbole, dance e seja feliz!

  2. Ana Caroline Flores at 2:35 am

    Acredito que a democracia nos permite ter opiniões diversas, sendo assim, cada academia pode escolher seu estilo de treinar. Fica a critério dos praticantes escolher onde gostam de treinar. Se ofende quem se deixa ser ofendido. Jiu jitsu está crescendo e agora não é praticado apenas por lutadores (quase religiosos), mas por pessoas comuns que buscam uma atividade física e descontração. RESPEITO é aceitar opiniões diferentes das nossas.

  3. Franco Kleinkauf at 3:16 am

    É muito estranho que hoje em dia isso seja debatido como falta de respeito em um país onde tanta coisa errada acontece e os "críticos" não falam nada! Acredito eu que o Mohamad Jehad esta perdendo a noção.Eu respeito todos os meus mestres cumpro todas as regras do jiu-jitsu ao entrar no tatame.O que adianta entrar lá treinar, fechar a cara, se machucar se vc não pode se divertir ? Se o grito é para botar respeito e intimidar o inimigo acredito que as equipes que fazem a dança estão sim tocando medo nas que não fazem! Dançar é arte, intimidar o inimigo faz parte! Respeito a todos e como disse o amigo Fabricio Martins "Bem-vindo aos novos tempos, tá na hora de aprender a berimbolar e dançar. Viva a alegria, só quem dança é feliz, desrespeito, consigo, é viver apegado ao passado. Berimbole, dance e seja feliz!"

  4. Marcelo Medeiros at 3:35 am

    não vamos dizer que não é engraçado em parte, mas é falta de respeito sim. tatame é lugar de concentração, dedicação, foco no trabalho desenvolvido! O que um professor faixa preta tem a passar de exemplo a seus alunos, quando os mesmos tem de espelho professores cada vez mais abobados, que fazem danças, se vestem de mulher, personagens de aventuras, "retardados", entre outros, no lugar onde depois é cobrado o respeito e hierarquia ? Como professor faixa preta, como vou cobrar de meus alunos o respeito que foi ensinado por meu professor um dia, se agora é moda gravar "palhaçada" no local de onde se deveria dar exemplo para a vida. Se isso são tempos modernos, não me admira cada vez mais as artes e etc, perderem suas essências e cada vez mais desviarem de suas origens. Por isso vivemos no mundo em que vivemos, porque os tempos mudam e mudam cada vez para "pior". Talvez um dia meu filho irá para a aula para ensinar o professor a roubar ou falsificar, isso são tempos modernos,… cada vez piores.

    • Denise Marques at 3:56 am

      Retardados ? Olha acho que se vc tiver um filho e criar ele com esse vocabulário certamente ele vai ser um! Se seu filho vai ir para a escola e ensinar o professor a roubar e falsificar certamente ele terá aprendido isso em casa né ? Acho que vcs reclamam muito é de inveja né ? Pq vcs vivem dizendo que são os donos do SUL, mas não ganham nada, olha com toda a certeza atos como o seu demostram o pq do jiu jitsu ser tão mal visto perante a sociedade, pois pessoas que ofendem as outras simplesmente por inveja já demostram o que são! Falta de respeito é dizer que são alguma coisa quando não são nada! Como diz meu namorado no tempo de SUL eu só latia agora onde estou eu sei o que faço! Vcs tem que abrir a mente mais, fazer igual um aluno de vcs fez postar foto só de cueca, fazer programa e tal e vcs aceitam ele. E se fosse aparecer um aluno gay no teu tatame o que vc faria ? É Marcelo Medeiros ter uma faixa preta na cintura não garante respeito a ninguém, mas a humildade sim! Pensa nisso! beijo pra ti! #InvejaMata

    • Marcelo Medeiros at 4:55 am

      ser gay não é ter diferença alguma, será tratado do mesmo modo, com respeito e dignidade e sim eu já tive colegas assim dentro do tatame e isso nunca foi motivo para diferença alguma! se meu filho saber do meu vocabulário e ter respeito dentro do seu esporte significar que ele é um retardado, sim ele será um retardado. acho que se uma pessoa entra em um esporte para aprender sobre o mesmo, é sobre isso que ele tem que aprender, cada qual caminho tem suas regras e modos ou não seria procurado, aprenderiamos qualquer coisa em qualquer lugar, aaa menos que tu vá a aula de matemática para aprender português, quimica e seja lá o que for já que tu faz o que quer, onde quer né.

    • Franco Kleinkauf at 5:31 am

      Então tu concorda com dançar no tatame ? Pq agora fiquei confuso com a tua resposta! Ahh e sobre ir nas aulas de matemática para aprender química é válido pq na aula de matemática eu aprendi a formula correta para somas em química assim como eu aprendi a fazer o vídeo de Harlem Shake com a família jiu jitsu que pertenço!

  5. Marcio Mendonça at 4:16 am

    muito melhor ser "retardado" com medalha no peito e uma grande amizade dentro do tatame, do que ficar se preocupando com dancinha das academias dos outros e não cuidar da evolução dos seus próprios alunos, até agora todos que opinaram contra não tem expressão nenhuma dentro do jiu jitsu, e pelo que conheço deles, ainda vão ter que "rebolar muito" pra sair da segunda divisão do jiu jitsu.

  6. Carlos De Carvalho Tavares at 4:57 am

    Acredito que cada um deve cuidar o que acontece dentro de sua academia, ficam cuidando da academia dos outros e deixam de ensinar e treinar seus alunos, por isso que quando chegam em campeonatos levam pau de quem faz dancinha. Dentro do tatame tem tempo e momento pra tudo, momentos de concentração, determinação, aprendizado e muito suor, mas tambem de descontração e brincadeiras entre amigos e irmãos de tatame, tudo isso sem deixar de lado o RESPEITO, HIERARQUIA e DISCIPLINA.
    A maior falta de respeito é querer determinar como os outros devem se comportar e gerir suas academias.

  7. William Costa at 5:08 am

    dançinha feraa ! ninguem tem que ta se metendo onde não é chamado ! e se estiver se metendo é pq ta com inveja , e como o marcio disse é melhor ser retardado com a medalha no peito e uma "GRANDE FAMILIA " dentro do tatame , do que ficar falando merda , !OSSSSS

  8. William Costa at 5:08 am

    dançinha feraa ! ninguem tem que ta se metendo onde não é chamado ! e se estiver se metendo é pq ta com inveja , e como o marcio disse é melhor ser retardado com a medalha no peito e uma "GRANDE FAMILIA " dentro do tatame , do que ficar falando merda , !OSSSSS

  9. Rafa Teixeira at 5:12 am

    A melhor resposta é que cada um deve cuidar da sua academia e se preocuparem se estão ensinando técnicas de Jiu-Jitsu aos seus alunos ou só preocupados em VENDER faixas e ainda depois de 20 anos ainda se acham dono do esporte no Sul!!! Dança quem quer quem não quer não dança, ninguém deve ser obrigado a dançar….Se eles estão aprendendo Jiu-Jitsu durante o treinamento deles e isso é feito após um treino não vejo problema nenhum…
    Quem não canta ou dança é amargo, por isso estão em franca decadencia a anos no estado… Esse Mohamad vá para Venezula assumir o posto do Chavez!! Aposto que não evoluiu com o tempo… Não deve nem saber ensinar um berimbolo ou uma 50/50 para algum aluno!!!

  10. Fabio Barbiero at 5:14 am

    é muita importância para algo sem importância… não vai mudar em nada ter dancinhas ou não… deveriamos nos preocupar em organizar melhor nossos campeonatos que tirando os tops( brasileiros, sulamericanos, gramado etc) são uma bagunça

  11. Fabio Silva at 6:49 am

    Sr. Mohamed, acredito que todos tem o direito de fazer o que bem entender, alem do mais nao estamos prejudicando ninguem, elo contrario estamos mostrando que os praticantes da Arte Suavr sao pessoas alegres, descontraidas e vivem a vida normalmente! Oss

  12. Rafael Marangoni at 6:57 am

    Falta de respeito são os políticos do Brasil.

    Uma "brincadeira" não muda em absolutamente nada a hierarquia, o respeito pelos grandes mestres, pelo dojo, pelos parceiros de treino, pelos professores.

    O próprio nome diz, uma brincadeira.

  13. Chico Borgese at 7:26 am

    Honrar o tatame e a faixa que usa na cintura e muito mais que dancar ou qualquer outra forma de expressao….e ser integro em suas atitudes, e nao dar golpes manchando o nome do nosso esporte e da nossa nacionalidade em paises do mundo afora!!!!!!!Isso sim e a maior forma de respeitar o jiu jitsu!!!!!!!!!!

  14. Fernando Hennemann at 10:36 am

    Eu acho que não existe só competidor dentro das academias.Tem gente que usa o jiu como um esporte para defesa pessoal, simplesmente para emagrecer, ou so mesmo como valvula de escape.Brincadeira o tempo todo é uma coisa, mas descontrair as vezes é sadio.Agora tu imagina, eu trabalho dia todo, saio de la cansado e estressado, dai eu vou pra uma academia dessas que dizem que são as corretas, as melhores do Sul, e me deparo com um clima pesado e sem nenhuma brincadeira, vai parecer que eu sai do meu trabalho e estou entrando em outro.Me desculpa, mas não concordo com o SR. Mohamed. Prefiro a minha academia que faz as brincadeira e descontrai, te garanto que somos muito mais unidos dos que todos do Sul.E é com esse clima que formamos campeões, então acho que não está tão errado o metodo de ensino,não acham??

  15. Filipe Daudt at 12:14 pm

    Acredito que está havendo um exagero em demasia no fato de afirmar que um momento de descontração e integração no tatame seja uma falta de respeito com a arte ou um movimento pejorativo para o Jiu Jitsu.

    O que acho uma falta de respeito são vários(não chamarei nem de colega de arte), saírem as badernas, arruaçando e brigando, sujando o nosso nome e impondo vários preconceitos para o Jiu Jitsu.

    Concordo plenamente com o respeito, espírito de corpo e reverência dentro do tatame, mas acho também um absurdo pensar que seríamos mal vistos por nossos mestres antigos por apenas um momento de alegria e descontração no nosso ambiente de luta!

    De nada adianta termos uma conduta dentro do tatame, em quanto fora saímos dos ensinamentos completamente, desrespeitando, humilhando ou com qualquer outro tipo de conduta.

    Oss

  16. Alex Tchaka at 12:15 pm

    Eu acho q tem muita gente preocupada com dancinha, a minha familia (equipe), agente se preocupa com resultados no tatame, fazemos o tatame de nossa casa, então vcs estão vendo os resultados ai, a dancinha é uma alegria na familia e não está desrespeitando ninguem, Deus sabe de tudo, eu e meus alunos amamos o tatame, então, eu acho q não desrespeitamos ninguem, obrigado.

  17. Alex Tchaka at 12:15 pm

    Eu acho q tem muita gente preocupada com dancinha, a minha familia (equipe), agente se preocupa com resultados no tatame, fazemos o tatame de nossa casa, então vcs estão vendo os resultados ai, a dancinha é uma alegria na familia e não está desrespeitando ninguem, Deus sabe de tudo, eu e meus alunos amamos o tatame, então, eu acho q não desrespeitamos ninguem, obrigado.

  18. Anderson Machado Bjj at 12:15 pm

    O tatame é a segunda casa do lutador os parceiros de treino são como irmãos, agora se você não pode ter um momento de descontração com seus amigos e irmãos na sua própria casa onde isso ocorrerá? Atividades como essa muitas vezes servem para reforçar os laços dentro da equipe, ajuda aliviar a tensão pré competição, faz como que os estão chegando agora se sintam a vontade nesse ambiente. O que é errado e desrespeitar seu colega de treino, seu professor ou denegrir a imagem dos antigos mestres e obviamente não é o que acontece. Dançar no tatame é apenas por um pouco de alegria no cotidiano de quem diariamente treina duro para alcançar bons resultados.

  19. Felipe Bonetti at 12:15 pm

    SE CADA UM CUIDASSE DA SUA ACADEMIA TUDO SERIA MELHOR!!! PARECEM BANDO DE VIZINHA FOFOQUEIRA!!!! EU RESPEITO A HIERARQUIA, A DISCIPLINA, E A ETICA NO JIU JITSU, MAS NAO PREGO AOS MEUS ALUNOS QUE E UMA RELIGIAO, ONDE TEM QUE TODO MUNDO ESTAR ALIENADO DENTRO DE UM TATAME APENAS PARA UM FIM!!! PROFESSOR MUITAS VEZES E AMIGO, PSICOLOGO, ORIENTADOR, SEM PRECISAR IMPOR SUA FAIXA, TEM TANTA GENTE POR AI DENTRO DO ESPORTE QUE DENIGRE A IMAGEM, MANIPULANDO REPORTAGENS, INDO PARA COMPETICOES UM TANTO QUANTO DUVIDOSAS, TEM GENTE QUE GANHA UM CAMPEONATO OPEN COMO NO RJ E CHAMA DE MUNDIAL, ENTAO TEM MUITA COISA ERRADA EM TODOS OS ASPECTOS, E NAO E UM VIDEO, OU UMA MODA VIRAL DE INTERNET QUE TIRARA O BRILHO DA ARTE SUAVE!!! TREINEM MAIS E FALEM MENOS !!ESSA E MINHA DICA!!!! OSSSS

  20. Joelson Theobald at 12:21 pm

    Comecei no Jiu Jitsu como esporte contra o sedentarismo, aprendi além de posições e golpes, valores e respeito. Onde no momento do treino a seriedade reina, porém, existem momentos onde tiramos para descontrair e isso (falando por mim) foi de grande valor, sendo que consigo sair do treino de cabeça levantada, completamente aliviado de toda a pressão do cotidiano, mas acima de tudo sei que existe seriedade na equipe vencedora em que participo e que as brincadeiras realizadas são uma maneira de mostrar para os não conhecedores da arte que o Jiu Jitsu não é o que a mídia fala como uma arte cheia de brigões e preconceituosos. Agora…bora treinar pq tenho mais o que me preocupar…..tipo ajudar minha equipe a vencer.

    • Rodrigo Weber Fleck at 7:18 pm

      Concordo com você Joelson Theobald…muitas vezes chegamos cansados por causa das preocupações do nosso dia a dia, então vamos treinar e não vejo problema algum e descontrair. Estamos tão acostumados com pressão que uma simples descontração não é sinônimo de desrespeito.

  21. André Terra at 1:04 pm

    Desrespeito maior é com o próximo, o tatame chamado de lugar sagrado ao qual todos os que praticam a arte suave o definem deve ser respeitado sim, sem dúvida, mas o sagrado não é só o solo (tatame) sagrado é o companheirismo, a amizade, a lealdade e a satisfação de estar com seus amigos de treino. Desrespeito é você trabalhar duro o dia todo, se estressar, e quando enfim chegar o melhor momento do dia que é treinar, você ser impedido de se descontrair por alguns momentos que sejam. Na nossa família, treinamos muito duro, obtemos resultados, nunca satisfatórios porque sempre queremos alcançar um patamar acima, mas também brincamos e nunca, mas nunca mesmo nos preocupamos com o que os colaboradores de outras academias tem feito, nossa preocupação é conosco mesmo.

  22. André Terra at 1:04 pm

    Desrespeito maior é com o próximo, o tatame chamado de lugar sagrado ao qual todos os que praticam a arte suave o definem deve ser respeitado sim, sem dúvida, mas o sagrado não é só o solo (tatame) sagrado é o companheirismo, a amizade, a lealdade e a satisfação de estar com seus amigos de treino. Desrespeito é você trabalhar duro o dia todo, se estressar, e quando enfim chegar o melhor momento do dia que é treinar, você ser impedido de se descontrair por alguns momentos que sejam. Na nossa família, treinamos muito duro, obtemos resultados, nunca satisfatórios porque sempre queremos alcançar um patamar acima, mas também brincamos e nunca, mas nunca mesmo nos preocupamos com o que os colaboradores de outras academias tem feito, nossa preocupação é conosco mesmo.

  23. Juliano Schneider at 1:10 pm

    " Uma geração termina e outra começa! "
    Não existe desrespeito algum, até por que o real teor das artes marciais são o respeito e a evolução mutua de seus camaradas.
    Somos responsáveis por nossos atos, bem como o exemplo que somos a muitos.
    Agora me digam, do que vale a pena ser lembrado pela sociedade:
    Como os Bad boys, que saiam da academia dando porrada em todos?

    Ou exemplos dentro da sociedade, afinal estamos em uma nova geração, é só olhar a maneira que os novos nos observam, cheios de perspectivas e entusiasmo.

    Então sejamos conhecidos pelas boas ações, a alegria e confraternização de uma família!!!

    Fui!!!

  24. Rafael Martin at 1:29 pm

    Desrespeito com a o Jiu Jitsu e não ter o Mundial sediado no Brasil!!
    Tinha que ser obrigatorio pelo menos de 2 em 2 anos ser aqui!

    Estamos perdendo o Jiu Jitsu para a America, daqui a pouco não será mais nosso!

    E por isso que temos que brigar, não por dancinhas, cada mestre que cuide de seu tatame, e cada um escolha o que lhe achar melhor.

  25. Henrique Chaka at 1:49 pm

    Nossa galera do jeito que ta esse debate parece que o pessoal dança todo dia "Harlem Shake", gente é gravado uma vez só, é postado e já era. Normalmente é antes ou depois dos treinos.

  26. Renato Brançani at 1:59 pm

    Tem hora pra tudo, tem hora pra ficar sério, treinar e seguir as tradições… Mas tb tem hora pra descontrair, dançar, bater bato… É só saber diferenciar cada momento e saber que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa… Grande abraço a todos da Graciemag e não se esqueçam que o importante é o jiu ser levado a diante com conhecimento, responsabilidade e competencia. abraços

  27. Paulo Bardo at 2:00 pm

    Ai Marcio Mendonça ta important hein, ta incomodando tanto q tm cara escrevendo artigo pra ti da indireta! nao dá nada, o resultado c v dentro do tatame e na medalha no peito.
    Desrespeito é nao ter uma federaçao unificada para só assim dar o salto d qualidade q o JJ merec, menos hipocrisia e a mais atitude!

  28. Nelson Marques Nogueira at 2:35 pm

    Eu, particularmente, não preciso de dancinhas nem para comemorar algo, nem para descontração, mas acho que nesse caso o importante é que cada um faça o que achar melhor, quem acha bom imitar essas modinhas, ótimo, e quem não acha, ótimo também. Prefiro que postem videos de técnicas de aula de Jiu-Jitsu, isto sim!

  29. Fernando Pieper at 4:51 pm

    Mohamad, muito aprendi contigo e muito tenho a aprender. Não só as técnicas de jiu-jitsu, mas o significado de amizade, honra, respeito, dedicação, disciplina e educação. Pouco importa o que penso sobre as dancinhas. Mas o que tenho a plena convicção é de que muitos deveriam ser seus alunos e aprender o que é respeito, disciplina e educação. Certamente sairiam curados, sei lá, se da falta de educação ou da dor de cotovelo por não serem parte da história do jiu-jitsu no Sul. Grande abraço amigo Mohamad. Lhe tenho como um pai no tatame e muito torço para seres o avô do meu filho.

  30. Juliano Souza Corrêa at 6:32 pm

    Acho que os são contrários a alegria e descontração nos treinos, são justamente aqueles que não sabem o que são títulos, medalhas e nem conquistas de campeonatos há um bom tempo, vivem de passado e estagnaram no tempo achando que sua “supremacia” ou currículo que tiveram outrora e que já a muito tempo não são mais, não evoluíram, e que hoje estão na segunda divisão do Jiu-Jitsu no Rio Grande do Sul. Engraçado, pois pelo que vejo das equipes que postaram algum tipo de vídeo descontraído, engraçado ou até mesmo aderindo a uma moda mundial, são todas equipes de ponta, vencedoras, e mestres respeitados e de renome mundial, e que cultuam os princípios do Jiu-Jitsu com alegria, descontração , leveza e suavidade como o próprio nome da arte já diz. Estes que estão incomodados, deveriam estar mais preocupados em qualificarem melhor seus alunos para os campeonatos, pois lá sim é onde é constatado o aprendizado, quem treina, aprende e honra os ensinamentos de seu mestre e o nome da sua equipe (família). De nada adianta ser graduado dizer que é professor e nos campeonatos os adversários passarem o carro geral, com que moral ele vai ser o exemplo para seus alunos se ele não tem a capacidade de ganhar um título uma medalha que seja e mostrar que o que ele ensina dá resultado. Resumindo tudo isso…para falarem mal, primeiro ganhem títulos e sejam exemplos, caso contrário, podem continuar achando que são os todos poderosos do Jiu-Jitsu do Sul, enquanto isso a minha família traz de volta do campeonatos as medalhas estampadas no peito!!!

  31. Emerson Berega at 11:08 pm

    Ta na personalidade de cada professor, uns são mais discontraídos , outros mais fechados e tal …
    O importante é treinar sério, buscar resultados dentro e fora do tatame , unindo a equipe com valores coletivos de honra e respeito. Isso com dancinha ou sem dancinha.
    Além do mais , cada um cuida de sí, e o tempo responde quem está correto.
    Mas quando vejo uma galera numa daninha dessa, eu lamento muito por não estar lá junto!

  32. Tiago Antunes at 12:10 am

    Respeito, seriedade, comprometimento com o Jiu-Jitsu e principalmente com a família e os irmãos do tatame é o que eu vejo quando assisto algo semelhante, pois vejo uma galera que além de estar junto por causa do Jiu, está junto também no momento de brincadeira, descontração e amizade, se isso não é união, respeito e reconhecimento ao nosso mestre, não sei então o que é… "com los terroristas"

  33. Leão Ferreiro at 2:50 am

    Com respeito a quem não gosta da dancinha, mas sou mt respeitado por meus alunos e vou fazer meu próprio video, não serví o quartel por não achar o método militar como eficiente… lí um comentário q não lembro d quem éh… mas, se entrar no meu tatame um travestí, e na hora que tem que trainar sério ele respeitar e me trouxer resultados nos campeonatos, pouco me importa se dança ou não…

  34. Joao Felipe Roessler at 4:14 am

    muitos souberam debater e expor seus pontos de vista de forma saudável! Mas teve gente que mostrou total desrespeito e usaram esse espaço para tentar denegrir a imagem da Sul Jiu-Jitsu que é simplesmente a academia/família mais tradicional do Rio Grande do Sul que além de já ter formado muitos atletas de renome mundial busca sempre formar cidadãos honrados. Não quero me estender mas peço mais respeito pessoal… Até mesmo no balé ou no circo respeito é essencial… OOSSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *