Qual a diferença entre instinto e consciência no Jiu-Jitsu? Carlinhos Gracie explica

Share it
Carlinhos Gracie com Roger na GB América, na Califórnia. Foto por Ivan Trindade.

Carlinhos Gracie com Roger na GB América, na Califórnia. Foto por Ivan Trindade.

O Jiu-Jitsu foi feito para todos, pessoas de qualquer idade e peso que sonham em saber se defender sem se machucar ou causar machucados em ninguém.

Na medida que avançamos no aprendizado da arte, no entanto, dois aspectos se desenvolvem: o instinto e a consciência. Ambos importantes para o progresso do lutador, por certo, mas que também vivem se digladiando na mente do praticante.

Em preleção recente, mestre Carlos Gracie Jr. falou sobre o tema.

“Tem pessoas que tem muito conhecimento de Jiu-Jitsu e às vezes tem pouco instinto de luta. Nesses casos o conhecimento sobrepuja o instinto. E tem o outro lado, o camarada que tem pouco conhecimento e tem muito instinto. Apenas o instinto já o salva, pois permite que ele se safe das situações de risco, não seja finalizado à toa e lute bem”, explicou o faixa-coral Carlinhos Gracie.

“Já vi muitas vezes o cara saber sair da posição com o instinto, mas na hora de explicar a posição não sabe, pois não tem a consciência do que faz. Se ele um dia quiser ser professor não vai saber explicar a posição. Na academia eu tinha muitos graduados, faixas-pretas, que eu chamava para passar a posição. Eles pediam na hora: ‘Não, por favor, não me coloca para ensinar não’. Eles ficavam apavorados”, relembrou o fundador da Gracie Barra.

Como Carlinhos comentou, agora na Gracie Barra há muitos graduados fazendo aula de iniciante, para revisar o básico e poder ensinar ainda melhor e combater vícios e fundamentos que foram neglicenciados no passado.

“O joguinho de um atleta bem treinado muitas vezes só funciona quando está cheio de gás. Na hora que bate o prego, que ele está com meio palmo de língua para fora da boca ou quando ficar mais velhinho, o Jiu-Jitsu dele cai muito”, disse o Gracie. “A técnica, o conhecimento e a consciência deixam a gente tranquilo quando se está numa posição ruim. Porque é uma posição que exige o gasto de muita energia. E você tem de sair bonitinho, na hora precisa que o cara cometer um erro”.

“Eu sempre fui muito fã do básico. Depois que você tiver um bom Jiu-Jitsu básico, o resto se desenvolve sozinho. Você cria, inventa. O resto é fácil. O difícil é o A, E, I, O, U”, encerrou Carlinhos.

Ler matéria completa Read more
There are 9 comments for this article
  1. Éber Godofredo at 8:51 pm

    Fatooo… Acredito q instinto e conhecimento si completam, pois (no caso de competidores), o cara q procura somente acumular conhecimento e não procura aplicar aquela posição q ele aprendeu em uma situação real di combate, acaba ficando pra traz, pois aqueles detalhes, os ajustes finais e aquelas reações que ficam automáticas em sua cabeça, só mesmo quem está com o os conhecimentos em dia, e vivencia com frequência situações reais de combate e estará com instinto apuradíssimo pra render bem.

    • Eulen Castro Viana at 9:07 pm

      Perfeito! vou mostrar isso pra alguns alunos faixa preta da minha equipe que eu tinha Razão o cara passa um posição basica os caras nao querem fazer por se achar estrela depois ta no sufoco e gasta toda a sua energia quando pega um cascudo que nem ele tai o porque nunca aprendeu direito ou pior pensa que aprendeu cheios de vicios

  2. Pingback: Qual a diferença entre instinto e consciência no Jiu-Jitsu? Carlinhos Gracie explica | BoxingTown

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *