Shaolin e o retorno ao pano: “Sinceramente, o Jiu-Jitsu não mudou nada”

Share it
Vitor Shaolin passa uma posição para os seus alunos com Dedé Pederneiras. Foto: Vitor Shaolin TV/Divulgação

Shaolin na guarda de Dedé Pederneiras em NY: o professor pediu mais eventos da IBJJF na Costa Leste. Foto: Vitor Shaolin TV/Divulgação

Vitor “Shaolin” Ribeiro, tricampeão mundial em 1999, 2000 e 2001, voltou às competições de Jiu-Jitsu no Mundial de Masters & Sêniors após quase uma década sem vestir o kimono. “Sinceramente? Acho que o Jiu-Jitsu não mudou nada”, disse o professor radicado em NY, em entrevista exclusiva ao GRACIEMAG.com.

Shaolin detalhou ainda sua trajetória até o ouro dos pesos leves, a final contra Marcos Torregrosa e muito mais. Confira.

GRACIEMAG: Qual a lição para retornar com sucesso após tanto tempo parado, sem lutar de kimono?

VITOR SHAOLIN: Bem, nos últimos anos posso não ter lutado Jiu-Jitsu, mas estive bem envolvido com o MMA, o que com certeza me ajudou muito. Também tive um bom tempo para treinar para o Mundial de Masters, e saiu tudo como o programado.

Como foi sua trajetória rumo ao ouro dos leves? O que achou da final contra o Marcos “Yemaso” Torregrosa?

Na minha primeira luta, eu estava um pouco travado, e quando o adversário fechou a guarda com bons ataques dali acabei demorando para me posicionar do jeito que eu queria. Na semifinal, eu já estava mais solto e encontrei meu jogo logo no começo. Na final, ele mostrou ser um cara com uma ótima guarda aberta. E é aquilo, no Master são seis minutos de luta apenas, se você errar acabou. Eu então lutei com paciência, demorei a ajustar as pegadas e quando comecei a tentar a passar a guarda dele o tempo acabou. Preciso de mais tempo para me acostumar com esse tempo de seis minutos.

Você acha que mudou algo do Jiu-Jitsu de dez anos atrás para o Jiu-Jitsu atual?

Sinceramente, acho que não mudou nada. Com certeza a parte física está mais forte, mas isso desde a minha época nunca foi problema lá na academia.

Quando veremos você lutando no Brasil novamente?

Sempre que eu tiver tempo para treinar, e me sentir motivado para lutar, vou competir aonde der. O único obstáculo é a academia, porque minha vida mudou muito, às vezes não dá para pensar só no meu treino, tenho de pensar no treino dos meus alunos.

O esporte continua crescendo em Nova York e nos EUA?

Certamente, nos EUA o Jiu-Jitsu cresceu muito, e em Nova York também. Agora queremos ver Nova York um pouco mais presente no calendário de competições da IBJJF.

O que você aprendeu com esta experiência de ensinar sua arte em Nova York?

A principal coisa que tirei desses quatro anos de América é a seguinte: tudo que é combinado antes sai mais barato no final. Planejamento, entende? Outra lição eu aprendi no filme “O poderoso chefão”: as notícias que chegam podem sempre ser boas ou ruins, mas sua cara tem de ser a mesma ao reagir.

E o MMA, parou mesmo?

Pois é, não estou nem treinando MMA, estou focado na academia e, agora, em voltar a treinar Jiu-Jitsu.

Qual sua avaliação sobre o sucesso da Nova União nos pesos mais levinhos do UFC?

Olha, na minha cabeça a Nova União sempre foi muito bem no MMA, no peso leve, mas agora os eventos cresceram e a exposição está muito maior. Temos alguns campeões do UFC na academia e com certeza muito mais gente treinando e vindo por aí. Fico feliz ao ver o trabalho do Dedé (Pederneiras) dando frutos.

Ler matéria completa Read more
There are 4 comments for this article
  1. Isaias Moraes at 3:43 am

    O atleta precisa lutar um mundial, pan, com os adultos (nada contra o master, eu mesmo sou senior jah ) dai ele vai ver que nos ultimos anos, mudou sim, e muito, em especial com os mais leves!

  2. Ricardo Renneg at 8:04 pm

    Olha, para mim o jiu-jitsu mudou bastante sim… o que acontece é que o jiu-jitsu mais clássico não tem muito segredo não. O jiu-jitsu do Shaolin tem tudo para fazer a "festa" hoje em dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *