Fabio Gurgel e o UFC Rio: “Faixa-preta que chega às costas não pode perder a luta”

Share it
Fabio Gurgel na Alliance São Paulo, com Serginho Moraes. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

Fabio Gurgel na Alliance São Paulo, com Serginho Moraes. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

 

Presente no octagon após a vitória de Serginho Moraes, o general da Alliance Fabio Gurgel deixou o UFC Rio feliz como todos os praticantes de Jiu-Jitsu. Por um momento, ele se transportou para uma certa noite no Grajaú, vinte anos antes.

“Este UFC Rio foi inesquecível para quem é do Jiu-Jitsu. Houve grandes apresentações no chão, como a de Demian, vimos quatro finalizações bonitas e ainda e tivemos a arena toda gritando ‘Jiu-Jitsu!’, o que me fez lembrar na hora de 1991, do nosso Desafio no Grajaú Country Club”, disse Fabio, hoje de manhã, em papo por telefone com o GRACIEMAG.com.

De fato, ver Rodrigo Minotauro (autor da finalização da noite, uma chave de braço em Dave Herman) e Demian Maia cantando o grito de guerra da arte suave juntamente com uma HSBC Arena apinhada é algo para se lembrar.

Fabio, como bom professor, não ficou apenas nos elogios e comemorações. Afinal, houve também posições perdidas e lutas idem, em especial ataques nas costas desperdiçados.

Foi o caso das lutas de Luiz Banha contra Chris Camozzi, Massaranduba contra Tibau e Erick Silva contra Jon Fitch. Os três brasileiros pegaram as costas, mas sem sucesso.

“O que mais eu repito na academia é o seguinte: o faixa-preta que chega a uma posição dominante, como é o caso das costas, não pode perder a luta jamais. Claro que no UFC sempre tem do outro lado um oponente duríssimo capaz de se defender, há o cansaço envolvido e por vezes o golpe pode escorregar, mas é preciso estar pronto para tudo. Na minha análise, o pessoal está deixando um pouco de lado o refino e o ajuste da posição, obtidos com mais estudo e mais treino específico de Jiu-Jitsu”, opinou.

“Entendo que no MMA o pessoal tem de treinar diversos aspectos diferentes, luta em pé e wrestling, mas é preciso estar pronto para não sair mais dali, e finalizar. O Demian, por exemplo, voltou após um bom tempo a mostrar seu Jiu-Jitsu bonito e teve recurso: se a luvinha começou a atrapalhar o mata-leão, ele mudou para o estrangulamento mão-com-mão e terminou a luta. É preciso treinar essas diferentes situações em treinos, com luvas, o oponente escorregando e tudo. Sempre vai haver algo para atrapalhar, isso não pode ser desculpa”, acrescentou.

Na luta específica de Serginho Moraes, aliás, o pupilo de Gurgel não deixou a chance escapar. Mochilou, aguardou com paciência e depois estrangulou pelas costas.

Dana White elogia Erick Silva contra Fitch e lembra GSP

“O Serginho fechou o cadeado nas costas do Renée em pé, e esperou. O cadeado com as pernas é bom para você não perder as costas, mas por outro lado prejudica um pouco para atacar. Mas para o Serginho estava bom, mesmo se não desse tempo de pegar, o round estaria ganho. O que acontece é que o cadeado fechado na barriga vai minando o gás e resistência da vítima. Dito e feito, o Renee acabou cedendo e indo para o chão. E ali o Serginho é habilidoso o suficiente para não perder o golpe”, explicou Gurgel.

Entre as derrotas mais lamentadas pelos brasileiros e fãs de Jiu-Jitsu, a batalha Jon Fitch vs Erick Silva foi premiada como a luta da noite.

O presidente do UFC, Dana White, elogiou bastante o capixaba, derrotado via decisão unânime.

“O Erick Silva foi bem, está em grande forma, mas tem de aprender com esta luta como o Georges St-Pierre fez após perder para Matt Hughes. Tirou como lição e voltou melhor. Foi um grande teste para o Erick, havia muita pressão mas ele foi bem”, avaliou Dana White.

Para os resultados completos do UFC Rio 153, clique aqui.

Ler matéria completa Read more
There are 11 comments for this article
  1. Pedro Goston at 7:04 pm

    Erick Silva foi prepotente, uma coisa é você ter um nome feito como é o caso do Anderson e se dar ao luxo de querer entrar no octógono no 1º round de guarda baixa, outra coisa é você ser um cara que está buscando escrever seu nome e se dar a esse luxo contra um cara durissimo como é o Fitch. Serve de lição, pois agora voltará praticamente ao final da fila numa possivel disputa de cinturão.

  2. Mitson Mattos at 8:50 pm

    Não diga bobagens Pedro… Abaixar a guarda não é se dar ao luxo de nada. Pelo jeito vc conhece pouco de estrategia de luta nas artes marciais. Baixar a guarda é mexer com a estrategia adversaria, é atrair o inimigo para um contra ataque mortal… Ele foi bem sim, mas o Jon Fitch foi mais feliz. Isso é normal. Cada um dá o seu melhor e no final o juiz levanta a mão de apenas um. Não tem que ficar criando coisas onde não tem.

  3. Pedro Goston at 11:10 pm

    Cada um tem sua opinião e a minha é essa, se pra você ficar de guarda baixa que LOGICAMENTE dá a possibilidade do adversário acertar um golpe em você com muita mais facilidade não é um "luxo", então tudo bem, nossa discussão para por aqui.

  4. Goiamy Povoa Filho at 11:53 pm

    Parabéns Demian Maia… Show de luta. Concordo com o Fábio Gurgel, atleta de Jiu-Jitsu de verdade, se pega uma posição forte como as costas, não pode largar. Só não concordo com o Minotauro dando arm-lock saindo de uma montada em MMA. É muito arriscado. Ele perdeu o primeiro e só conseguiu completar o segundo porque é o Minotauro. Um atleta ordinario não creio que seja interessante puxar arm-lock montado. Senta a mão!

  5. Pingback: Rolou nos Tatames – 13/10 a 19/10 | Grapplers United - Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *