“MMA hoje é só sangue e dinheiro”, diz Rickson ao lançar novo show

Share it
Rickson Gracie mostra suas técnicas no seu seminário, no Rio. Foto: Carlos Ozório

Rickson Gracie durante seminário no Rio de Janeiro. Foto: Carlos Ozório/GRACIEMAG

Um novo evento no Brasil quer mexer com as estruturas do esporte. Apresentado por Rickson Gracie, o evento Mestre do Combate fará sua primeira edição no próximo dia 22 de novembro, no Vivo Rio, clássica casa de shows no Aterro do Flamengo, na Cidade Maravilhosa.

Sem o card divulgado ainda, o formato do torneio é inovador. A pesagem, para começar, será na noite da luta, medida que procura legitimar a categoria dos lutadores ao mesmo tempo que poupa a saúde dos atletas. Durante o combate, ninguém será salvo pelo gongo ou vai vencer por pontos: para ter o braço levantado pelo juiz, é preciso nocautear, finalizar ou obrigar o outro a desistir. Em caso de empate ao final dos dois rounds – o primeiro com dez minutos de duração, o segundo com cinco, o resultado vai para o povo.

Sim, o público que acompanha de casa ou da plateia tem um voto, o juiz tem um voto e mestre Rickson Gracie tem o voto de desempate.

“Queremos criar um novo paradigma e recuperar valores da luta que foram perdidos ao longo do tempo. Hoje a luta significa sangue e dinheiro. Vamos valorizar o espirito de vitória e a estratégia”, observa Rickson, diretor técnico e esportivo do Mestre do Combate.

As categorias vão do peso pesado (acima de 93kg) ao peso leve (até 70kg), e os atletas serão reunidos em times. Cada evento terá o embate entre duas equipes, sendo declarada vencedora aquela que tiver no mínimo três de seus lutadores vitoriosos nos cinco duelos disputados. A equipe vencedora se classifica para o evento seguinte.

Segundo os organizadores, serão distribuídos 700 mil reais aos lutadores, entre bolsas e prêmios durante a temporada 2012/2013. Os atletas ainda disputam o título de melhor lutador da noite. O calendário do Mestre do Combate engloba nove eventos, e os sete primeiros deles já tem data e local.

Ler matéria completa Read more
There are 31 comments for this article
  1. Alan Ricelle at 8:19 pm

    ate que enfim teremos de volta um evento de confrontos reais onde o lutador nao vence por pontos ou favoritismo, onde acontece falsos nocalte tecnicos, onde o noucatiado tecnicamente ainda tem total condiçao de lutar mas aproveitam o momento para dar a vitoria pro favorito do evento, estou ancioso pra assistir esse evento espero que seja como pride e outros eventos que eu cresci assistindo, parabens ao rickson e aos idealisadores da ressureiçao do mma.

    • Marcelo de Magalhães at 8:22 pm

      Alan, você tem razão! Por mais que o UFC esteja no topo, tem apenas sangue e muita marmelada. Tenho certeza que esse evento será top… lutas de verdade!

      Sobre o PRIDE? Nossa… saudades desse evento. Muuuuuito superior ao UFC.

    • Alan Ricelle at 8:30 pm

      e infelismente o ufc virou so marketing um jogo de negocios finaceiro ,mas de tempo em tempo sempre vai aparecer alguem querendo traser a realidade de volta aos rings… agora o pride ta dificil ser superado, he so saldade mesmo.

    • Macarius Galius at 11:49 pm

      Marcelo de Magalhães concordo com você quanto ao Pride, como esquecer as lutas do rickson, o cala boca do wanderley no sakuraba, os triângulos mortais de minotauro, as atuações memoráveis de Fedor? vai se levar uma vida inteira, e jamais veremos momentos como aqueles.

  2. Elder De Freitas Oliveira at 9:27 pm

    Para um leigo como eu, é dificil expressar uma avaliação. O que sei é que o Esporte não deve ser luta/sangue/dinheiro. Uma utopia dentro do Sistema atual, mas, não custa manter a Esperança. Desde os primórdios, a prática esportiva, além da salutar competição, é um grande elo a irmanar povos/nacões.

  3. Macarius Galius at 11:45 pm

    nisso o rickson tem razão, hoje se perdeu o conceito de estratégia, de calma, de sangue frio, com o tempo pequeno de cada rounds, o atleta não tem tempo de trabalhar o clinch e fazer uma distribuição de peso correta, sem contar a proliferação de academia de fundo de quintal ensinando o modismo do mma, onde ve-se adolescentes e jovens na casa dos 25 anos, calçando luvas de boxe, e socando iguais a loucos, chutando saco iguais a loucos, se lesionando de graça, e aprendendo mais briga de rua do que a verdadeira técnica do jiu-jitsu brasileiro para o vale tudo, gerando com isso um espetáculo deprimente e lamentável.

  4. Armando Val Soares at 3:55 pm

    Agora sim, desse evento será mostrado ao mundo os verdadeiros lutadores . Eu faria ainda mais, deixaria uma luta 30 minutos ininterruptos e mais um round de 5 minutos sem intervenção de juiz que preocupa com público. Rickson tem todo o respaldo e autoridade pra mostrar a todos como a verdadeira luta se desenvolve.É um ícone do esporte, completíssimo e de extrema inteligência e caráter. Parabéns, vai fazer história novamente.

  5. Everton Evaristo at 8:14 pm

    Só nao ficou claro para min a questão do 'gongo', se o cara estiver no meio de uma trocação, e o gongo tocar, ele não precisa parar de bater? Outra coisa, quanto ao voto do povo, sera que isto nao vai trazer 'regionalização', por exemplo: se um evento acontecer no rio, e o combate for entre um atleta do rio e um de são paulo, e a decisão for para a platéia, sera que havera imparcialidade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *