Um repórter penetra na coletiva do UFC

Share it

Para começar, o nome não estava na lista.

“Ivan Trindade, de GRACIEMAG, não tem não? Você tem certeza que se credenciou?,” preguntou a recepcionista.

Sim, eu tinha me credenciado, mas recebi dois emails em resposta, um dizendo que o credenciamento tinha sido aceito e outro, logo depois, dizendo exatamente o contrário.

Pelo visto, o segundo estava correto.

Mas, como a coletiva era no Rio, deu-se um jeitinho e consegui a bendita pulserinha vermelha.

Lá dentro, clima de clássico.

Produção impecável, imprensa em peso e pontualidade quase britânica.

Às 13h09, Vitor Belfort entrou no salão, seguido pelo campeão dos penas, José Aldo, pelo presidente do UFC, Dana White, e também por Chad Mendes e Anthony Johnson.

Dana White iniciou dizendo que os ingressos estariam à venda nesta quarta-feira, a partir das 23h30 (leia tudo sobre a venda de ingressos aqui) e aconselhou: “Corram, porque os ingressos acabam logo”.

A coletiva seguiu sem grandes eventos, nenhuma confusão, nenhuma pergunta mais quente.

Zé Aldo garantiu que o fato de Chad Mendes treinar com Urijah Faber (que já enfrentou e perdeu para o brasileiro) não ajuda em nada o adversário: ” São duas lutas diferentes”.

Chad acha que ajuda, sim: “O Urijah está me passando os caminhos para chegar à vitória. Espero aproveitar a chance que me deram”.

Vitor Belfort comemorou o treino com Georges St. Pierre e seu time: “Foi muito proveitoso e espero que cada vez mais aconteça esse intercâmbio entre as estrelas do MMA. Nós temos que nos encontrar tanto no octógono quanto nas academias”.

O adversário de Belfa, Anthony Johnson, entrou no clima de paz: “É uma honra lutar no Brasil, que é o berço do MMA. O Belfort é um grande cara e um grande lutador”.

Na plateia, uma mistura de imprensa especializada e imprensa generalista.

Por isso, perguntas como: “Chad Mendes, você apareceu no Twitter com uma camisa do Vasco e o Zé Aldo é rubro-negro fanático. Você tem noção da rivalidade entre os dois clubes?”

O americano foi rápido na diplomacia, mas deixou no ar uma provocação a mais: “Aquela foto foi tirada bem antes da luta ser marcada. A camisa pertence ao meu técnico de Jiu-Jitsu, que é Vasco doente. Não queria ofender ninguém, mas vi jogos do Vasco e gostei do time. Posso torcer para ele, sim”.

Ou então, para Dana White: “Você conhece o Galvão Bueno, narrador da Globo?”

O “big boss” fez troça: “Não faço idéia de quem seja”.

Um gaiato na plateia completou: “É do Brasillll!”, imitando o global.

Outra questão foi sobre a emoção dos brazucas de lutar em casa.

“Já lutei no Rio e a emoção sempre foi grande, mas agora vou estar no grande palco. Com certeza voltará à minha cabeça o meu início, quando cheguei ao Rio”, respondeu Zé Aldo.

Carioca, Belfort manteve a linha de agradecimento: “Depois de tantos anos, será um privilégio lutar no Rio, estar na crista da onda. Minha promessa é dar o meu melhor”.

O microfone foi rodando entre os repórteres até que decidi fazer uma pergunta, aproveitei que ninguém tinha tocado no assunto ainda.

“Dana, há dois lutadores que estão sobrando em suas categorias, Jon Jones e Anderson Silva. Quando veremos os dois frente à frente? O UFC não pensa nesse confronto?”

O chefão sorriu e hesitou um pouco a responder: “Bem, o Anderson e o Jones ainda têm algumas coisas para fazer antes. Além disso, o Anderson tem relutado em subir para a categoria dos meio-pesados. Mas, nós sempre fazemos as lutas que os fãs querem ver e não será diferente com essa. Só não sei quando ela vai acontecer.”

E então o assunto mudou.

Dana ficou sério de novo e anunciou: “O TUF Brasil começará em 25 de março de 2012 e será transmitido todos os domingos, na Globo. Os técnicos dos dois times serão Wanderlei Silva e Vitor Belfort. Nos EUA, o TUF é o reality show que a mais tempo está no ar. O Brasil deve ficar muito empolgado por ter seu TUF”.

Um vídeo narrado em português apresentou o programa.

Quando as luzes reacenderam, Wand e Belfort lá estavam.

Dana prosseguiu: “Saindo daqui vamos a São Paulo para dar início ao processo de seleção. Devemos encontrar mais de 400 caras e vamos testar suas habilidades de lutadores, checar seus históricos e selecionar aqueles com as personalidades mais atrativas para a televisão”, explicou.

Depois de nova volta pelo salão, o microfone voltou até minha mão: “Wand e Belfort, vocês têm velha rivalidade como lutadores e agora vão se enfrentar como técnicos. O que faz de cada um de vocês um técnico melhor do que o outro?”, provoquei.

Os dois, porém, se mantiveram impecáveis.

“Não penso nisso. Quero apenas poder passar algo da minha experiência sobre o que é ser um lutador para os novos atletas. Vou ensinar o que é ter vontade de vencer, como lidar com contusões, treinamento, vitórias e derrotas”, contemporizou Wand, quase nos fazendo esquecer que um dos seus apelidos é “Cachorro Louco” ( e o outro é o “Assassino do Machado”).

Belfa foi ainda mais diplomático: “Minha preocupação é dar o meu melhor. Vou estar lá de corpo, alma e espírito”.

Para terminar, Dana garantiu que os dois vão se enfrentar no grand finale do evento.

“Para mim, não é uma revanche, e sim mais uma luta. Aliás, nem penso nisso agora. Para  mim, o passado é um cheque compensado, o futuro um cheque pré-datado e o presente é dinheiro na mão”, filosofou Belfort.

Wand lembrou a derrota no UFC Brasil, há quase 15 anos: “Não consegui desempenhar bem naquela luta, mas muito tempo passou desde lá. Espero fazer meus fãs felizes dessa vez”.

Confira abaixo uma galeria com 19 imagens da coletiva do UFC 142, marcado para 14 de janeiro, na HSBC Arena.

[flickr set=72157628407456023]

A seguir, alguns vídeos com entrevistas das estrelas do UFC.

 

 

 

 

 

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *