O dia em que a Mangueira deu vez ao MMA

Share it

Foto: Celso Magno.

Antes da entrada da quadra da Mangueira, diversos carros da polícia davam o tom das mudanças no cotidiano de quem ali vive. A comunidade carente no Rio de Janeiro, uma das mais famosas do Brasil, há décadas estava sobre o domínio do tráfico de drogas. Com o poder do Estado instaurado, hoje o povo da Mangueira pode aproveitar tranquilo o samba, a maior especialidade do local, casa de uma das escolas mais tradicionais, 18 vezes campeã do carnaval do Rio.

Além do samba, hoje os mangueirenses também podem aproveitar o MMA. Foi o que aconteceu neste sábado, no Jungle Fight 34. O evento de Wallid Ismail fez a Mangueira deixar a música de lado por uma noite para apreciar o que logo deve se tornar uma nova especialidade do local. Com o ensaio da escola cancelado, a quadra deu lugar ao cage e lutadores.  E o público também vibrou!

Na noite prevaleceram as lutas, mas o carnaval não ficou de lado. O evento teve direito a casal de mestre-sala e porta-bandeira, mais integrantes da bateria dentro do octagon. O ritmo e a luta se misturaram em harmonia.

Dos oito confrontos da noite, apenas um não terminou por finalização ou nocaute e seis deles não passaram do primeiro round. No combate principal, o manauara Adriano Martins precisou de pouco mais de um minuto para nocautear Neílson Gomes e levar o cinturão interino da categoria até 70kg. Gomes vinha numa série de 11 triunfos, mas Adriano encaixou muito bem os socos logo nos primeiros instantes.

Adriano comemora ocinturão.Foto:Celso Magno.

Numa das lutas mais empolgantes, Sidnei de Oliveira castigou bastante Reynaldo “Reyzinho’’, que, apesar de todos os ferimentos, não se entregou e aguentou os 15 minutos, derrotado apenas na decisão dos árbitros. Na sequência, foi a vez de Ari Santos fazer muito bem o dever de casa. Encaixou um belo triângulo com muita rapidez em Douglas Bertazine, que vinha de duas vitórias no Jungle.

O quinto confronto foi o mais rápido de todos. O atleta da comunidade Marcos Vinícius “Cabecinha’’ veio com tudo. Derrubou Maurício Rosi e disparou inúmeros socos, tudo em apenas 36 segundos. Nas lutas internacionais, Diego Akita conseguiu o nocaute para cima de Francisco Cylderlan no terceiro e último round. Na penúltima luta do dia, o boliviano Bazan Rojas rapidamente surpreendeu Lucas Rota, ganhando as costas e encaixando um mata leão.

Confira os resultados do Jungle Fight 34:

70kg Adriano Martins venceu Neílson Gomes por TKO a 1min21s do R1
77kg  Bazan  Rojas venceu finalizou Lucas Rota com um mata-leão a 1min13s do R1
66 kg Diego Akita venceu Francisco Cylderlan por TKO aos 4min13s do R3
61kg Marcos Vinicius “cabecinha” Sa Freire venceu Maurício Rosi por TKO a 36s do R1
70kg Ari Santos finalizou Douglas Bertazine com um triângulo a
1min13s do R1
61kg  Sidnei de Oliveira venceu Reynaldo Reyzinho por decisão umânime
93kg Rodolfo Buda finalizou Cleiton (Mangueira) com um mata-leão com aos 3min7s do R1
70kg Vitor Soldado Riso finalizou Rogério RG com uma chave de braço com aos 3min18s do R1

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *