Tetra mundial no-gi, Caio prepara armadilha para Malfa

Share it

Caio na final do Mundial. Foto: Dan Rod.

Caio Terra vem se consolidando nos últimos anos como um dos melhores lutadores de Jiu-Jitsu em ação. Com a língua afiada, como por exemplo em declarações sobre doping na arte suave, Caio tem o chão ainda mais arisco. Nos últimos quatro anos, o faixa-preta dominou o Mundial Sem Kimono. Nesta temporada, a vitória sobre Laércio Fernandes na final valeu o tetracampeonato ao representante da Gracie Fighter que, mesmo assim, não está satisfeito.

Confira o bate-papo com o GRACIEMAG.com:

O que foi mais difícil neste Mundial?

Eu venho de muitas lesões sérias e ainda por cima machuquei as minhas duas mãos poucos dias antes do Campeonato. Na verdade, depois do Mundial de kimono, em junho, eu lutei mais campeonatos do que treinei. Eu acabei me consagrando pela quarta vez campeão mundial no-gi, algo que foi muito gratificante. Esse objetivo foi a minha maior motivação, se não única, de mesmo bastante debilitado ir lá competir. Mesmo assim fiquei muito decepcionado com a minha performance. Queria ter lutado bonito e para a frente, mas infelizmente meu corpo não permitiu isso. Geralmente a cada vitória você cresce e luta melhor, mas eu fiquei bem desanimado e esse foi o maior motivo para eu nem ter me arriscado no absoluto.

Você prefere lutar com ou sem kimono?

Eu acho mais prazeroso treinar de kimono, mas tenho cada vez mais certeza de que é necessário treinar os dois, tanto para lutar de kimono quanto sem. Lutar não tenho muita preferência, mas é claro que é sempre melhor lutar o que você está treinando mais.

O que deu de errado no Mundial com kimono que você espera corrigir?

Infelizmente, o Mundial de kimono foi o único campeonato que eu pude treinar esse ano e, na verdade, treinei bastante. Eu finalizei todas as minhas lutas e na final o Bruno Malfacine me ganhou nas vantagens. Não acho que eu lutei mal, acho que o Malfacine teve seus méritos em ter vencido a luta. Já vi a luta várias vezes e encontrei algo para testar com ele na próxima vez que nos enfrentarmos. Ele é um cara muito rápido, ágil, forte e bem menor do que todos os meus outros adversários. É muito complicado treinar para lutar com ele, porque não existe ninguém do tamanho dele com o nível técnico e habilidades físicas que ele tem.

Qual o foco para o próximo ano?

Infelizmente, eu provavelmente não lutarei em nenhum campeonato até o Mundial de Kimono em junho. Realmente espero poder voltar antes para manter o título do Pan-Americano e também poder tentar pegar um ritmo nas competições, mas acho que vai ser difícil, porque eu quero estar perto dos 100% novamente e fazer um jogo bonito, para a frente e poder estar treinando para competir bem em tudo a partir de junho. Mas promessa mesmo só para o Mundial, que esse eu não falto por nada. Também lançarei o meu novo DVD, que com certeza deve ser um grande sucesso, pois ficará bem mais técnico do que o meu último. Desde janeiro até o fim desse ano, vou ter dado praticamente 70 seminários em academias diferentes.

Gostaria de agradecer a todos os meus alunos e meus amigos e principalmente ao Augusto Queixinho, Samir Chantre, Flavio Meier e Denny Prokopos por estarem sempre presentes e, mesmo sem eu poder treinar, estarem me ajudando a estudar e a fazer repetições de posições. Para me acompanhar melhor e manter contato e saber das novidades, minha página no Facebook é www.facebook.com/caioterrabjj

Abraço a todos!

Ler matéria completa Read more
There are 4 comments for this article
  1. Daniel at 12:21 pm

    tem um ótimo jiu jitsu, porém sempre tem esse papo de lesão, dor. Isso qualquer pessoa que treina jiu jitsu por simples prazer tem. Imagina quem vive do Jiu Jitsu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *