A promotora desconfiou do sucesso do UFC

Share it

Como tornou-se frequente em 2011, o UFC é assunto nas páginas de jornal de hoje. Mas não na seção de esportes. Nesta quarta-feira, a coluna de Ancelmo Góis, em “O Globo”, informa que a promotora Cláudia Condack instaurou inquérito contra a organização do UFC Rio 134, após os ingressos vendidos pela internet terem se esgotado em apenas 74 minutos.

A promotora desconfia que o evento, marcado para agosto, não disponibilizou a quantidade de ingressos prometida ao público.

Comprar ingressos no Rio de Janeiro para eventos (especialmente esportivos) é um caos, e é ótimo que a promotoria investigue sempre, que apure se a fatia de ingressos que cabe às agências de turismo é justa, que confirme se o banco que oferece a pré-venda segue os procedimentos corretos.

Vale no entanto lembrar números recentes do show do presidente Dana White. O UFC 129, em abril em Toronto, que atraiu 55 mil fãs ao Rogers Centre, viu 12 milhões de dólares em ingressos evaporarem em 40 minutos. Seria interessante conferir se as autoridades canadenses perceberam algo estranho por lá, ou aceitaram que o culpado principal do “sumiço” de ingressos é o sucesso do show e a procura pelo público consumidor, capaz de comprar pacotes de pay-per-view e de seguir Dana White no Twitter aos milhões.

No Rio, a HSBC Arena era mesmo a melhor opção – melhor, maior e mais moderna, com capacidade maior que o Maracanãzinho (que ainda tem o Maracanã em obras do lado) e o Miécimo. A venda pela internet, numa cidade de cambistas e fura-filas, pode não ser a ideal, mas também pareceu o meio mais eficiente neste caso.

Agora, se alguém ainda tem dúvidas do sucesso que o UFC faz no Rio, pode bater um papo com Christian Ramos, 37 anos, ou Izaura Wang, fãs capazes de pagar mais de 2 mil dólares para assistir a um evento – passagens, ingressos e estadias incluídos, sejam estes em Boston, Nova Jersey ou Toronto.

Christian Ramos com o UFC 111 lotado de cenário: fãs pagam mais de 2 mil dólares para ver um UFC hoje.

Dois sortudos, mas nem tanto: Christian não conseguiu comprar o UFC Rio pela internet, nem o UFC 129 em Toronto, e acabou apelando para ingressos com ágio. “É um estresse, mas a energia do evento compensa tudo”, diz ele. “O crescimento do MMA pode transformar o Brasil. Precisamos de um esporte que ensine desde cedo respeito, humildade, dedicação, disciplina, trabalho árduo, e que possa ser praticado por qualquer classe social, peso ou idade”, completa Izaura, fã desde o Ultimate 1 e que fez até um samba para o UFC.

Agora, se alguém ainda tem dúvidas do carinho e respeito que o UFC tem pelos fãs, pode conversar com o canadense Mika Halinen, 26 anos. Nas vésperas do show em Toronto, Mika caminhava pela feira do UFC sem esperanças de ver as lutas de GSP, José Aldo, Randy Couture e Lyoto Machida. Até que o lutador Josh Koscheck passou por ele, reparou em sua camiseta da Dethrone, sua patrocinadora, e pôs em suas mãos dois ingressos de cortesia.

 

 

 

 

Ler matéria completa Read more
There are 12 comments for this article
  1. Joaojj at 6:16 pm

    Otima matéria Marcelo, mas não podemos comparar a estrutura canadense com a brasileira. Concordo que existem fãs incondicionais do UFC no Brasil, mas que foi um desrespeito a venda de ingrssos, isso não podemos negar.
    Espero que a promotora faça um trabalho decente de investigação.
    Quanto ao canadense sortudo, aqui nem a feira teremos…

  2. Tiagobjiujitsu at 6:47 pm

    KKKKKKKKKKKK
    Seria bom investigar,os do campeonato brasileiro de Futebol,os altos preços abusivos!
    Pra jogos fracos!
    Agora um show internacional com estrelas do porte do UFC ah para Promotora!!!

  3. Advogado at 12:50 am

    Marcelo, te respeito muito, mas vc ta parcendo comprado. É claro que houve problema na venda de ingressos no site, seja por algum tipo de reserva (patrocinadores, “autoridades”, artistas, cambistas, etc.), seja porque o site nâo estava preparado para a quantidade de acessos. Mas isso é fácil de resolver, basta a organização apresentar o bordero de vendas, cada CPF somente pode ter 4 ingressos, fica fácil averiguar.

    • Anônimo at 1:16 am

      Comprado nada, dr. Carlos, sai dessa… Se me pagaram algo, não recebi, posso mostrar meu borderô! Eu só acho que se no Canadá acaba, não vejo por que no Brasil, com muito mais fãs, ia durar mais. Mas você está certo, no resto, no resto!

  4. @talecooo at 4:36 am

    isso é como uma final de libertadores e eu como torcedor do inter ja vi em 2010 os ingressos acabarem em 1 hora na internet imagina num evento MUNDIAL como UFC

  5. Victor Cesar at 4:17 pm

    Estranho seria se isso nunca tivesse acontecido! Um evento de tal grandeza como o UFC, e com tantos fãs no Brasil, se não me engano, a ultima vez que o UFC ocorreu no Brasil já tem 13 anos, não acho nada estranho isso.

  6. Marcelo at 7:24 pm

    Eu consegui 4 na net, 3 e depois + 1. Não vi nada de irregular. Pra resolver isso é bom o UFC não vir mais, ( Assim quero ver a cara de felicidade ) cada povo tem o que merece. Eu estarei lá. Quanta baboseira, esse tal advogado ai do tipo que vai pelos livros e não pela realidade.

  7. Rodrigo at 4:19 pm

    O que ocorre é que a promotora não está contra a realização do evento do UFC no Brasil. Na verdade, o objetivo da instauração do inquérito investigativo é de evitar que ocorram compras irregulares de ingressos por cambistas e agências de turismo ( que adquirem até 200 ingressos por compra). Dessa forma, ação da promotora visa proporcionar que mais pessoas vão ao evento pagando pelo preço justo do ingresso.
    Visto isso, é totalmente forçada a crítica feita à promotora

  8. Marcelo at 11:26 pm

    Pois é né, e qual é o cambista que tem 200 ingressos ? Até agora não vi nehum. Por que não foram atrás das vendas de inumeros shows musicais que esgotam rapidamente e sim tem cambistas nas portas ? Me deixa muito comovido a promotora querendo trabalhar. Vai catar coquinho…..

  9. Leandro at 11:31 pm

    O filho da promotora no minimo deve estar chorando por que não conseguiu ingressos ( ela vai dar carteirada ? ). Atirem a primeira pedra quem já viu cambistas vendendo mas de 4 ingressos. Rodrigo Bobão.

  10. Thiagomendesbjj at 9:48 pm

    Otima materia, apoio incondicional a promotora, como disse o amigo o inquerito e para apurar a venda irregular, nao e contra o evento, tem dezenas de seres malditos vendendo ingresso de 200 reais a 3 mil reais no mercado livre, eu ja denunciei uns 5 eo mercado livre até q emfim fez algo e retira os anuncios, e uma palhaçada essa merda desses malditos passa fome, muitos nem sabem o q eo ufc mais compram o ingresso irregularmente para revender com uma margem de 1000% em cima ai e fogo. mais como disse o amigo isso e BRASIL. e nao mencionei a ridicula empresa de ingresso.com. besteira nossa comparar a ticktmaster com o ingressolixo.com e msm coisa q imaginar o eike baptista sendo cambista para ganhar malditos mil reais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *