Instrutor de Jiu-Jitsu salva policial em San Francisco

Share it

Pedro Arrigoni. Foto: Arquivo Pessoal.

Mais uma vez foi provada a importância da prática de Jiu-Jitsu e defesa pessoal nas forças policiais. Mais que isso, ficou comprovado que não ter tais conhecimentos pode ser altamente prejudicial no dia-a-dia de um oficial da lei, pode ser a diferença entre o êxito e o fracasso. Em casos mais agudos, entre a vida e a morte.

Em San Francisco, na Califórnia, um policial sentiu na pele isso. Ao abordar um suspeito numa inspeção de rotina num ônibus, foi atacado. No entanto, neste momento, o instrutor Pedro Arrigoni acabava de sair de uma aula.

Com o suspeito já montado e socando a cara do policial, Pedro interveio e controlou a ação com um estrangulamento.

“Quando ele estava prestes a desmaiar, ele disse: ‘Eu desisto, eu desisto’”, disse Arrigoni, professor na AB Mixed Martial Arts.

“Faço Jiu-Jitsu brasileiro. Depois de ter o cara sob seu controle, você não precisa fazer mais nada. Acho que a polícia de San Francisco deveria treinar Jiu-Jitsu”, completa o lutador ao jornal local “San Francisco Examiner”.

Ler matéria completa Read more
There are 4 comments for this article
  1. Roberto at 10:46 am

    Achar que BJJ pode enfrentar bandido é no minimo ingenuidade. Queria ver se o cara tivesse armado. Apologia a violencia

  2. Yury Andrade at 3:54 pm

    Se o cara tiver armado tudo bem,mas ñ estava…

    Ñ é apologia a violencia,se o policial soubesse uma saida da montada com certeza se safaria e se soubesse jiu jitsu nada disso teria acontecido…

    Agora vc meu amigo q diz q é apologia a violencia,vou colocar meu aluno de 9 anos montado em vc e eu qro ver vc sair e ele nem precisa te finalizar

  3. Claudio at 3:05 am

    Acho que o jiu-jutsu deveria ser ensinado nas escolas, nas academias policiais, em qualquer lugar que necessitasse de esporte físico com valores morais. Apologia a violência é achar que o bandido deve assaltar todo mundo e a vítima tem que ficar calada e que é direito do bandido matar se houver reação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *