UFC 128: a vitória revigora

Share it

Nate Marquardt na pesagem. Fotos de Dan Rod.

Foi uma edição do UFC com sete lutas decididas pelos jurados, mas se faltou emoção em Nova Jersey, sobrou técnica.

Estrela até 84kg, Nate Marquardt venceu Dan Miller no UFC 128, ontem, e deu sinais de como uma vitória revigora no MMA. “Me sinto realmente revigorado, após essa vitória. Eu queria muito entrar lea e mostrar que eu sou um novo Nate Marquardt”, disse o americano.

“Não esperava que Miller fosse assim tão rápido, e desde o começo da luta eu percebi que teria de estar no auge do meu jogo para vencê-lo. Precisei atacá-lo com investidas na altura do peito para quedá-lo, pois suas guilhotinas são bem perigosas, e eu sabia disso”, declarou após a luta.

Banha.

Outro que se revigorou foi Luiz Cane, o popular Banha, que poupou os jurados e levantou a galera com um nocautão.

“Me sinto renascido como lutador. Queria o nocaute para lembrar minha primeira vitória aqui no UFC”, disse. “E vocês vão ver mais lutas minhas assim, porque estou mais técnico. Quero uma tentativa pelo título, mas não agora, preciso provar meu valor mais um pouco. Espero ter a chance de lutar no UFC Rio, lutar no Brasil, diante do nossos fãs seria demais”, cavou.

Outro destaque da noite foi Brendan Schaub, que cumpriu o que prometera e nocauteou um ídolo seu. Ele também comentou a luta em que deixou Mirko Filipovic estirado na lona.

“Não sou bobo né, eu sei que Cro Cop é um kickboxer de primeira categoria, então comecei dando muitas quedas. Acho que minha velocidade foi o diferencial na vitória. Percebi que Cro Cop alinha os pés antes de cada chute, então peguei o tempo dele e soltei minha bomba de direita. Foi a segunda vez em sequência que derrubei uma lenda (Napão e Cro Cop). É uma boa virada na minha carreira”, avaliou.

Além de Gleison Tibau, Edson Barboza Júnior foi outro brasileiro a vencer na noite. Ele alegou uma contusão para não ter lutado tão bem quanto gostaria, mesmo depois de conquistar o prêmio de melhor luta da noite graças a uma boa patada invertida. “Estou muito feliz, mas queria golpear mais na luta, soltar mais dos meus chutes, mas tive uma lesão e não consegui. Pelo menos tive mais chances de usar minhas quedas e meu Jiu-Jitsu”, encerrou o lutador de Nova Friburgo, Rio.

Tibau.

UFC 128

Newark, Nova Jersey

19 de março de 2011

Erik Koch nocauteou Raphael Assunção aos 2min32s do 1R

Nick Catone venceu Constantinos Philippou por decisão unânime dos jurados

Joseph Benavidez venceu Ian Loveland por decisão unânime

Gleison Tibau venceu Kurt Pellegrino por decisão dividida

Mike Pyle venceu Ricardo Almeida por decisão unânime

Edson Junior venceu Anthony Njokuani por decisão unânime

Luis Banha Cane derrotou Eliot Marshall por TKO aos 2min15s do 1R

Brendan Schaub nocauteou Mirko Cro Cop Filipovic aos 3min44s do 3R

Nate Marquardt venceu Dan Miller por decisão unânime

Jim Miller derrotou Kamal Shalorus por TKO aos 2min15s do 3R

Urijah Faber venceu Eddie Wineland por decisão unânime

Jon Jones derrotou Mauricio Shogun Rua por TKO aos 2min37s do 3R

Jon Jones, com o casaco que jogaria para a galera na pesagem.

Ler matéria completa Read more
There is 1 comment for this article
  1. marcus vinícius at 2:12 pm

    muito fraca a disputa de cinturão até 93 kg entre shogun e jones….. shogun lutou mal e continuo achando q estão superestimando o americano….. ele é um lutador normal, que ganhou de um shogun apático sem vontade de lutar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *