Velha nova equipe faz reestreia de luxo no Pan 2011

Share it

No Pan Kids 2011, realizado no fim de fevereiro na Califórnia, uma academia de nome pouco familiar subiu ao pódio, graças a uma molecada invocada.

Prova de que o Clube Barra é um time voltado para o futuro. Mas será uma equipe tão recente assim? Sim e não.

Clube Barra é o novo time do nosso GMA Claudio França com seus faixas-pretas, mas a história da equipe já tem 20 anos.

A molecada do Clube Barra. Foto: Divulgação.

Ele conta: “A Barra da Tijuca era a grande capital do Jiu-Jisu nos anos 1990, e em 1991 criei com o Marcus Vinícius, professor hoje em Beverly Hills, a equipe Clube Barra, já que dávamos aula por ali, no condomínio Riviera, no Atlântico Sul e na academia Fisilabor, todas na vizinhança”, relembra o faixa-preta, que também organizava com Marcus Vinícius (e Joe Moreira no início) a Copa Atlântico Sul. “Até 1995 a equipe era uma das mais competitivas no cenário carioca”.

Ao chegar na Califa para tocar a vida em 1996, Claudio deixou o nome de lado, por não fazer sentido em Santa Cruz e para fortalecer seu nome como professor de Jiu-Jitsu. Hoje, com diversos faixas-pretas formados, Claudio quis um nome mais impessoal, que incluísse os demais professores.

Clube Barra, então, tornou-se o time de Claudio, Vince Vanderlipe e Daniel Thomas, representado ainda por faixas-pretas como Carlos Melo, Mike Weaver, Gary Casey e Tyson Kamp, além do marrom Nathan Mandelsohn, que começou na academia de França aos 7 anos de idade.

“Sentamos e pensamos, mas botar nome em equipe é mais difícil que botar nome em filho”, diz França, meio brincando, meio a sério. E assim o nome Clube Barra voltou com força. Força mesmo, como se vê pelos resultados e perspectivas.

Para o Pan 2011, a equipe vai levar cerca de 60 atletas a Irvine, e sonha repetir algo parecido com o Pan Kids, quando ficou em segundo lugar geral e faturou o troféu de primeiro lugar na divisão de 7 a 9 anos.

“Aconteceu mais rápido que eu esperava, pois levamos no máximo 10% das nossas crianças. A equipe na realidade já era forte, mas estava dividida. É mais uma prova de que no Jiu-Jitsu não tem milagre, o sucesso vem com o tempo”, reflete, para analisar onde o time tem mais chance. “Nosso juvenil é bem forte, vamos para subir no pódio nessa divisão. O adulto vai com 30 atletas, mas ainda está se fortalecendo para os próximos anos. No Master e Sêniors vamos mais forte, com chance de ir ao pódio também.”

Bem no papel de treinador e de organizador de eventos (sua American Cup, evento tradicional na Califa, é agora no dia 30 de abril), Claudio França não compete desde 2000. E explica isso numa frase simples e direta, como um bom golpe:

“Hoje é mais importante eu trabalhar como coach e organizador do que ficar no quarto descansando para lutar no dia seguinte”.

E sua equipe, está forte para o Pan 2011? Comente abaixo. E para saber mais sobre o Clube Barra, acesse www.claudifrancabjj.com .

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *