Quando o Pan virou tatuagem

Share it

Chico Melo tatuando as costas...

Para quem viu o filme “Tropa de Elite 2”, talvez tenha passado despercebido.

Mas o comandante de facção “Qualé”, queimado brutalmente no início do longa, figurou em 1996 na capa da edição número 2 de GRACIEMAG, num movimento plástico executado na segunda edição do Pan, na Califórnia.

Chico Melo, que à época era pelo menos 50 quilos mais magro, foi o primeiro campeão do Pan a ilustrar a capa de GRACIEMAG.

O lutador da Nova União ainda estava na faixa-roxa, mas a foto de um crucifixo-omoplata foi considerada a melhor pelos nossos editores de fotograria, o que lhe conduziu à página mais nobre e cobiçada do Jiu-Jitsu.

Apesar de a cena ter sido capturada numa luta preliminar, na sequência Chico fisgaria o ouro no peso médio da faixa-roxa, derrotando na final o futuro bicampeão absoluto da preta Rodrigo Comprido.

Se o feito marcou a vida do hoje dublê de ator?

Basta dizer que, anos depois, o campeão tatuou esta cena em suas costas, para que a lembrança do título e da capa jamais o abandonasse.

... a capa da edição número 2 de GRACIEMAG....

E você, lembra de alguma história no Pan que o marcou? Mande para a gente!

E não perca a cobertura do evento aqui, no Blog GRACIEMAG no Pan.

Para não lamentar depois e garantir seu lugar na maior festa do Jiu-Jitsu na América, clique aqui e inscreva-se!

... e o resultado final. Fotos: Arquivo Pessoal.

Ler matéria completa Read more
There are 13 comments for this article
    • Marcelo Dunlop at 7:06 pm

      A história está contada inteira, mano Washington. Você está curioso para ver como ficou a tatuagem, outra coisa. Vamos tentar encontrar isso. Abraços

  1. Marcelo Dunlop at 7:10 pm

    Em seu Facebook, Chico Melo postou um comentário emocionante e instrutivo sobre seu título no Pan 1996:

    “Eu morava no bairro do Rocha, próximo a algumas comunidades do Rio de Janeiro, conheci gente de todo tipo, vi muito amigo meu ir embora por ter escolhido a vida do crime, mas permaneci na minha filosofia de vida aprendida através do esporte.

    “Então aos 17 anos perdi minha mãezinha, e se não fosse por ter um mestre, Wendell Alexander, que tinha uma figura paternal em minha vida e pelo esporte que me trazia valores e objetivos na vida, eu talvez tivesse feito escolhas erradas também, por estar num momento de fraqueza e tristeza. Mas o que fiz foi reverter isso em dedicação e treinar muito para o campeonato que me daria a capa da Revista GRACIEMAG. Dediquei esta vitória – Campeão Pan Americano! – a ela. À MINHA MÃE! E ao meu mestre. Esporte é vida!”

  2. rodrigo at 11:53 am

    o lutador finalizado é o Adriano Constantino da lótus club são paulo.
    teve um campeonato paulista, que o chico melo tirou o quimono na frente do adriano e ficou exibindo a tatuagem. Bem folgado esse Chico Melo !!!!

  3. Chico Melo at 5:11 pm

    Fala Galera!! Foi uma boa luta!! Rodrigão eu não era folgado… é que eu treinava muito ai ficava folgado ganhar….hahaha Além disso eu estava mostrando a tatoo que tinha ficado irada rsrs Aliás vale dizer que foi feita pelo artista “Marcão Tatoo”…Mas eu vou scanear a foto e enviar aki pro site! Realmente foi um momento histórico essa capa, uma honra e como o Marcelo mencionou, marcante pois concuminou com a perda da minha mãe… Valeu Gracie!!! E assistam ao Tropa II…filmao e eu to lá!!! Osssssssssssss

  4. Chico Melo at 1:12 pm

    COMO FAÇO PRA ENVIAR A FOTO DA TATOO JA TA AKI SCANEADA!! E A ERRATA!!! SAO 20 KGS MAIS GORDO E NAO 50!!! TB NUM EXCULAXA NÉ!!!! ABRAÇOS!!! CHICO MELO

  5. leonardo leite at 6:16 pm

    Meu grande mestre e amigo…Um verdadeiro show de jiu jitsu sempre e em todas as competições,capa merecida para aquele que dedicou toda sua vida a esse esporte!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *