O Jiu-Jitsu é um dos maiores legados para nossos filhos

Share it

Na próxima quarta-feira, meu sobrinho vai estrear no MMA, em Amam, capital da Jordânia. Impressionante como um feito aparentemente banal mexe tanto com a gente.

Nessa rápida estada em solo jordaniano para acompanhar esta primeira edição do show Desert Fight Champioship, aproveitei para voltar ao Mar Morto após 30 anos da minha primeira visita.

Muitas lembranças vieram à tona. Quando eu tinha 7 anos, estava na margem oposta, local onde meu pai nasceu. E como lembrança traz lembrança comecei a recuperar alguns fatos que vivi ao lado do meu falecido pai. Fui lembrando dos desafios que ele enfrentou desde cedo num campo de refugiados e mais tarde na precoce emigração solitária para o Brasil, com parcos 17 anos.

Mais do que isso, recuperei num rápido instante ensinamentos do meu primeiro mestre, meu pai. Talvez por isso tenhamos tanto respeito e admiração por nossos mestres de Jiu-Jitsu, pois eles acabam ocupando um espaço deixado pelos descaminhos da vida, quando nos afastamos de nossos progenitores.

Hoje me vejo nesse papel, o de pai e mestre. Meu sobrinho, que para mim é um filho, chama-se Gabriel Tayeh e vai fazer sua primeira luta no Desert Fight. Pensei que quando chegasse esse momento eu estaria meramente preocupado com sua atuação no ringue, afinal muita coisa está em jogo. A prova da eficiência do Jiu-Jitsu que lhe foi ensinado. A representação de uma bandeira. O valor da coragem. Enfim, atributos que ficam expostos dentro de um ringue. Entretanto, tudo isso está em segundo plano agora.

O que mais me importa não é o resultado dentro da grade, mas como a arte influenciou sua vida. Graças ao Jiu-Jitsu, conseguimos lapidar o garoto e vejo que ele está confiante frente aos desafios da vida, seja ela uma luta literal, seja ela um desafio ainda maior.

Com clareza entendo, agora, que não devemos mostrar aos nossos filhos e alunos os caminhos que eles têm de seguir, mas sim a forma de percorrê-los. Afinal, os caminhos são escolhidos pela vida.

Você pode ter uma guarda excelente, mas o adversário pode puxá-lo antes, então você vai precisar passar ou corre o risco de ser raspado. Por isso que repetidas vezes os mestres Carlos e Helio Gracie vieram a público dizer que o Jiu-Jitsu era a “salvação da mocidade”. Pois a arte tem de fato a capacidade de preparar nossos filhos para a vida.

O Jiu-Jitsu é um dos maiores legados que podemos deixar para nossos alunos, pois ensina, direta ou indiretamente, a arte suave de enfrentar qualquer desafio, dentro ou fora da academia. É uma excelente sensação vermos nossos alunos no topo do pódio, mas melhor ainda é vê-los vencedores na difícil arte de viver.

Ler matéria completa Read more
There are 5 comments for this article
  1. Carlos Iop at 11:18 pm

    Um pouco antes do Biel voltar para a Jordania conversava com ele após um treino, quando lembrava-mos da época que o Jiu Jitsu era na Vittá, na qual com apenas 10 anos o Biel já se dedicava e levava todos os ensinamentos à sério. Hoje ele está colhendo os frutos de todos esses anos de dedicação e de aprendizado que ele teve com o Tio/Pai dele!
    Tenho certeza que ele vai ter uma carreira de muito sucesso, a tu com certeza foi e será uma peça fundamental nisso! A torcida aqui será grande! Grande abraço!

  2. Lucas Sachs at 1:00 am

    O Jiu Jitsu através da sua disciplina educa para a vida também..tornando de fracos a confiantes e fortes a equilibrados…um denominador comum que faz do verdadeiro guerreiro um vencedor da vida!!! Parabéns pelo texto Mohamad e boa sorte ao Biel!!! Força e honra!!!! SJJ

  3. Chico Borgese at 2:40 pm

    Bora la Biel!!!!!!!
    O Brasil,o Rio Grande e São leopoldo todo está torcendo por ti!!!!!!
    Vamos trazer essa vitória!!!!!
    Grande abraço e boa sorte!!!!!
    OSSSSSSSSSSSSSSSSSS

Deixe uma resposta para Lucas Sachs Cancel comment reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *