Drysdale justifica a faixa-preta de Griffin

Share it

Robert, em foto de divulgação.

Na semana passada, Robert Drysdale deu a faixa-preta de Jiu-Jitsu para um de seus alunos mais ilustres, o ex-campeão dos meio-pesados do UFC Forrest Griffin.

GRACIEMAG.com entrou então em contato com Drysdale em sua academia, em Las Vegas, no centro de treinamento onde feras do MMA como Frank Mir, Martin Kampmann e Griffin vão diariamente afiar o Jiu-Jitsu.

A verdade é que o Forrest dá um amasso em 95% dos faixas-pretas por aí” Robert Drysdale

Forrest mereceu mesmo a faixa-preta? Como você avalia o Jiu-Jitsu dele?

Drysdale: Talvez baste dizer que já vi muito faixa-preta campeão mundial tomar sufoco do Forrest de kimono. E também vi campeão do ADCC treinar dez minutos com ele e não fazer um ponto sequer. O Forrest já competiu sem kimono, e inclusive venceu pessoas de nome e com currículo no Jiu-Jitsu.

O que motivou você a dar a faixa-preta para o Forrest agora?

O que define um faixa-preta? Cada professor tem seus critérios – que raramente são os mesmos para todos. Os meus são os seguintes, nesta ordem: caráter, disciplina, técnica, resultados. E o Forrest é qualificado em todos. Tem caráter, treina mais que qualquer outra pessoa que eu conheça e suas exibições no UFC atestam sua técnica e resultados.

Como é o Griffin aluno?

Ele treina todo dia,  é um apaixonado pelo esporte e é disciplinado e humilde, sempre fazendo perguntas e buscando aprender coisas novas. Seria fácil para um cara na posição dele, como astro do UFC, se colocar num pedestal e pensar que não tem mais nada para aprender – o que acontece com muita gente, especialmente no MMA. Mas não, o cara vem na aula, faz posição com os faixas-brancas, não reclama e nunca pediu tratamento especial. Além da técnica, tem a cabeça de um faixa-preta de Jiu-Jitsu.

Ele até arrisca uma guarda-aranha de vez em quando” Drysdale

Forrest treina muito de kimono?

Treina às vezes. Claro que ele não tem intenção de competir de kimono, por isso não faria sentido treinar exclusivamente de pano. Mas o kimono nos ensina certas coisas que sem kimono não se aprende, e o Forrest entende isso perfeitamente bem. Ele até arrisca uma guarda-aranha de vez em quando.

Você deu a faixa-marrom para o Martin Kampmann, outra estrela que demonstrou bom chão nas últimas lutas, contra Paulo Thiago e Jake Shields… Como avalia sua técnica?

Martin vem treinando comigo faz algum tempo, foi um dos meus primeiros alunos aqui em Vegas. Também tem a mente aberta e gosta de aprender. Poucas vezes vi alguém evoluir de maneira tão rápida. O Jiu-Jitsu dele obviamente tem o MMA como foco, mas ele está sempre implementando novas posições e finalizações ao seu jogo. Tem uma atitude positiva e acrescenta muito à academia.

Por que é sempre essa polêmica toda na internet quando um astro do MMA ganha a faixa-preta de Jiu-Jitsu?

Acho que as pessoas esperam que todos percorram o mesmo caminho até a preta. A maioria começa como adolescente, treina exclusivamente de kimono, alguns são competidores, outros não, mas a maioria tem uma história parecida. Quando alguém é promovido e percorre outro caminho que não seja o tradicional, isso causa um pouco de desconfiança e ressentimento. Mas a verdade é que o Forrest dá um amasso em 95% dos faixas-pretas por aí.

Como foi a experiência de ser head-coach de Jiu-Jitsu da Xtreme Couture?

Foi legal, pude treinar com pessoas de estilos totalmente diferentes a que eu estava habituado. Fiz amigos e aprendi muito sobre o esporte. Pude ajudar diversos atletas e acho que posso dizer que tive uma influência positiva de vários lutadores aqui em Vegas. Ainda tenho uma ótima relação com o Randy Couture e com todos na Xtreme Couture. Ainda faço meu sparring lá duas vezes por semana, mas hoje ensino exclusivamente na minha academia, Drysdalejiujitsu.com .

Como o Jiu-Jitsu e o MMA estão caminhando?

São dois esportes diferentes e que evoluem de maneira diferente. Tem sempre suas semelhanças, mas é preciso reconhecer que o Jiu-Jitsu dito puro não funciona mais sozinho. Este discurso está fossilizado, é da década de 80. Pode se aprender muito com outras modalidades, como wrestling, sambo, boxe, muay thai, judô.

Pensa em competir de pano em 2011?

Dediquei 11 anos da minha vida exclusivamente ao Jiu-Jitsu competitivo. Competi o Mundial, Brasileiro, ADCC, Estadual, Brasileiro de Equipes etc. Lutei com os melhores lutadores do mundo. Ganhei de uns e perdi de outros. Mas para ser sincero não tenho mais interesse em competir. Estou com quase 30 anos e não pretendo dedicar o restante da minha juventude e carreira competindo por diversão. Tenho outros objetivos e metas.

Algum recado final para a comunidade do Jiu-Jitsu e leitores do GRACIEMAG.com?

Treine, divirta-se, compita, faça amigos, treine estilos diferentes, tente posições novas, se afaste de rixas de academia e da politicagem que só atrasam a vida. Foque energia na sua evolução como lutador e não em rivalidades infantis. Reconheça que somos todos iniciantes e temos muito a aprender, independente de faixa.

Ler matéria completa Read more
There are 20 comments for this article
  1. fabio at 2:52 pm

    Tá de sacanagem!!!!! Carlinhos, vamos apertar nesses critérios para graduar, parece até aquelas faculdades que vendiam diploma… Daqui a pouco vão dar faixa-preta até pra quem nunca pisou num tatame, nem sabe que é carlos ou hélio gracie.

  2. Paulo Junior at 3:48 pm

    Numa boa, essa história de sair conferindo faixa preta de jj pra lutador de MMA que mal veste o kimono vai acabar provocando uma ruptura séria no mundo do jiu-jitsu. Pô, dá faixa preta do que quiser, de MMA, do diabo, mas não de jiu-jitsu!! O cara não treina jiu-jitsu! Treina qualquer outra coisa, mas não jiu-jitsu! Pouco importa se ele passa o carro em mil faixas pretas… Ele que crie uma outra arte pra ele, então, e demonstre que é mais eficiente do que o jj. Isso não pode ser critério, pô! Reflitam!!! Esse tipo de atitude desanima quem tá aí, disciplinadamente, suando o pano e subindo aos poucos… Queria ver o que Hélio Gracie acharia disso, ele que tão poucos honrou com uma faixa preta. É triste! É muito triste, porque isso aí VAI ACABAR MAL! Anotem o que tô dizendo!

  3. little at 4:35 pm

    Na boa, não acho estranho a faixa-preta para o Forrest. O cara treina jiu-jitsu há bastante tempo e, se o jacaré já disse q o cara é bom, não sou eu q vou negar. Além disso, o Robert é professor dele e sabe analisar as qualidades. Vamos lembrar q em todas as academias existem faixas-pretas q, por opção, jamais competiram e q até nao tem o nível técnico alto, em comparação a outros da equipe. O cara bota o jiu a prova no UFC. Acho q isso basta.

  4. HELDER FRANÇA at 5:29 pm

    excelente entrevista. o robert se mostrou muito coerente e prova que é um grande ser humano. um abraço a todos. helder(Recife)

  5. Gracie old school at 6:06 pm

    vou deixar aqui o que disse no outro tópico:
    Escrevi pro Litle, e digo pro Helder, que coração não tem nada a ver com a graduação que foi dada.Drysdale pode ser um cara , fantático, coisa que deve ser mesmo, mas errou….Só se ele deu a faixa pro cara por dó, ou por doação mesmo…se for assim…tem um monte de crecheintituições, etc;;; pra ele fazer caridade tbm…
    Não há relação alguma o fato do cara estar lutando mma e ser graduado no jiujitsu.Jiujitsu é uma arte milenar, desenvolvida por Helio gracie e os demais Brasileiros que vieram depois…uma arte marcial , com principios e graduações…
    MMA ainda é um esporte, e pode se tornar um estilo de arte marcial, mesmo que seja todas juntas e misturadas, poderá futuramente haver graduação , etc…
    Não é critério graduar um lutador de MMa em Jiujitsu pelo simples fato de ele lutar e usar as tecnicas do jiujitsu em suas lutas…
    VEnho do kung fu, que pratiquei por mais de dez anos, e quando comecei a treinar jiujitsu, a uns 6 anos, não entrei já de azul, por já saber alguma coisa de arte marcial.
    A discussão não é se o cara é duro ou algo assim.Jiujitsu é complexo e uma arte completa…, e ser duro, apesar de ser um requisito, não gradua ninguém…
    Valeu…ossssssssssss

  6. isaias at 7:02 pm

    Acho que a melhor coisa que pode ocorrer eh Forrest participar duns torneios de JJ com GI nos EUA, nada de Pan ou Mundial, eventos menores só para topar uns faixas pretas que seu mestre diz que ele passa fácil. Após isso, podemos nos falar ou não kkkk Antes disso, os lideres das confederações têm que colocar alguns critérios mínimos neh. A boa noticia que tem a ver com criterios e regras esta no Worlp Cup de SP- não vai ter EMPATE!! Nem decisão de JUIZES!!! quem fizer o ultimo ponto ou vantagem, ganha a luta!!!! Grande avanço!!!! Espero que de certo e as federações adotem o precedimento!! Juizes tendenciosos terão menos poder de facilitar para amigos e alunos. Osssssssssssssss!!!

  7. mario at 7:07 pm

    É o grande problema !!! Todo faixa-preta pode graduar? Amassa 95% dos faixas-pretas? Não acredito !!!! Quem tem boca fala o que quer , mas esse drysdale falou que ia fazer uma frente ao Roger e não deu nem pra começar. Ainda vamos assistir muitas arbitrariedades de brasileiros e gringos nos EUA . Eles aprendem um pouco da técnica e o resto é business e falta de respeito e hierarquia. Não se trata de amassar ou não , isso mostra o total desconhecimento desse rapaz com relação aos princípios dessa arte marcial. Será que o Grande mestre Hélio Gracie com 90 anos faria frente a um jovem faixa-roxa em seu auge de pujança? Também não creio o que não significa nada e nem desmerece o enorme conhecimento adquirido em mais de 80 anos pelo professor. O real faixa preta , para conhecimento desse indíviduo tem que ter fartos conhecimentos de jiu-jitsu com e sem quimono, saber todo o curso de defesa pessoal, regras de competição , conhecer a história da arte e transmití-la , respeito aos patriarcas e mestres, ética , moral e caráter.

  8. little at 7:29 pm

    Mas quem sabe dizer realmente se o Forrest treina de kimono, se ele realmente treina jiu há bastante tempo, se ele sabe as técnicas, se ele sabe a história do jiu-jitsu e esse monte de coisas que estão dizendo como justificativa? Quem sabe isso é o professor dele,no caso o robert, que acaba de dizer na reportagem que o Forrest merece. então, estou acreditando nele. Esse critério de lutar campeonato não existe, até porque muitos faixas-pretas nas milhares de academias pelo mundo, seja em qualquer modalidade de luta, jamais competiu e não é por isso q não merecem a faixa. Ex: Hoje o Cain Velasquez é faixa-roxa.Daqui a alguns anos vão dar a preta para ele e vai ter gente dizendo q ele não merece e q jamais lutou campeonato e isso e aquilo. A questão é:o cara realmente treina jiu-jitsu, se dedica, sabe as técnicas, tem o tempo necessário… Pô, um monte de gente ta falando q ele não merece, mas nem sabe como ele treina. Prefiro acreditar no Robert…

  9. Rafael at 10:13 pm

    Porque não faz como o judô??? O professor faz os exames de faixa interno na própria academia até a marrom e se quiser pegar a preta, tem que se submeter ao exame da federação com uma banca examinadora de kodanshas, avaliando parte de solo, parte em pé, nague-no-kata…Sendo judoca há 22 anos, nunca entendi esse esquema de graduação da faixa preta no JJ.

  10. Sagaz at 10:30 pm

    Amasso em 95% dos faixas pretas? Cade esse cara no mundial da CBJJ?
    Só dar amasso em faixa preta não quer dizer nada.
    E como ficam os fundamentos do JJ, trabalhar na guarda (não me recordo de nenhuma luta dele assim), defesa pessoal, pontuação do JJ, a história da arte suave…
    Nunca nem deve ter vindo no Brasil pra fazer um treino “diferenciado” (não desmerecendo o treino do Drysdale, que deve ser muito bom).

  11. Oscar at 8:39 am

    quem é esse Drysdale, ganhou do Marcelinho na cagada no ADCC, depois levou um amasso do Jacaré na superfight, enfim um 0 a esquerda no jiu jitsu e o que está acontecendo com o jiu jitsu é simples, puro negócio por isso que o mundial já foi para USA agora está cheio de gringo que não sabe nada e os grandes atletas brasileiros que não tem oportunidade para viajar para competir dificilmente conseguirão ser campeões mundiais. Vejo no youtube um monte de americano mané com faixa roxa, marrom que não sabem de nada para provar quem mais ganha campeonatos de jiu jitsu na terra deles são os brasileiros enfim viaje aos USA e compre su faixa preta por US$ 1.000 lamentável….

  12. cabeça at 10:11 am

    Não podemos deixar que essa moda pegue. Já imaginaram se todo atleta que consiga ganhar um faixa preta, também a ganhe. Não é esse o fundamento do Jiu-Jitsu e de nenhum outro esporte. A faixa preta não significa apenas ser bom, ela não se limita apenas a ser campeão e sim a um elevado conhecimento sobre a arte, de seus fundadores aos conhecimentos técnicos. Existem regras para graduação segundo a Confederação. Sabemos que a confederação não é tão rigorosa no aspecto graduação, mas não vamos desmoralizar.
    Senhores professores de Jiu-Jitsu.
    Não destruam a herança que os mestres Carlos e Hélio deixaram pra nós.
    Bons treinos.

  13. Paulo Junior at 10:31 am

    A única solução parece ser a do Rafael: faixa preta só para quem se submeter a uma prova em alguma entidade central do jiu-jitsu, como funciona no judô. Acho bonito o sistema de entrega de faixas pretas por grandes nomes do jiu-jitsu, dá uma idéia bem tradicional, meio samurai… Mas o problema é que a proliferação de faixas pretas deixou a coisa sem o menor controle! Tem neguinho dando faixa preta pra aparecer, pra sair na mídia! E me desculpem os que pensam diferente, mas esse tipo de prática é típica da cultura americana. Certamente a gente não veria isso no Japão. Numa boa, já é hora de botar um fim nisso. E a melhor maneira de fazer isso é reconhecer aos Gracie o mérito do desenvolvimento dessa arte e atribuir ao Carlinhos, ao Rolker, ao Royler, enfim, aos descendentes do Carlos e do Hélio a missão de avaliar, periodicamente, quem tem ou não condições de ser um faixa preta. Claro, outros grandes expoentes do jiu-jitsu também poderiam participar, mas essa prerrogativa deveria ser essencialmente da família Gracie, que VIVEU o jiu-jitsu desde o velho Carlos.

  14. boidepiranha at 4:25 pm

    o mestre é o ponto cardeal e ao mesmo tempo o caminho…
    um poço de conhecimento. Alguns disseram:
    …somos todos iniciantes…
    …A faixa apenas segura a calça…

  15. Pedro at 9:45 pm

    é isso aí, façam testes numa entidade central. para quem ganha combates há medalhas e dinheiro, para quem sabe há faixas, não confundam as coisas!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *