Minotouro: “Cigano poderia ser campeão mundial de boxe”

Share it

Foto: Carlos Ozório

Os irmãos Rodrigo Minotauro e Rogério Minotouro estarão novamente em ação num mesmo evento de MMA. No dia 25 de setembro, no UFC 119, em Indianapolis, sobem na mesma noite no octagon. GRACIEMAG.com já conversou com Minotauro (ver aqui), que enfrenta Frank Mir. Agora o bate-papo é com Minoto, que terá o invicto Ryan Bader pela frente. Confira: 

Como estão os treinamentos. Treinou junto do seu irmão?  

Treinamos juntos aqui no Brasil, fizemos um trabalho de força juntos, malhamos para caramba. Ele aproveitou para me corrigir algumas coisas no Jiu-Jitsu e eu o ajudei no muay thai. Treinamos também com o Rafael Feijão e com o Jacaré, que vão lutar e estão na pressão. Fomos à Bahia e também trabalhamos com o Cigano e o Luiz Dórea. O Dórea é um cara que sabe muito de MMA, está sempre se atualizando e nos ajuda muito. Meu irmão viajou agora para os Estados Unidos com o Cigano e o Dórea. Cara, não vou dizer que já estamos 100%, mas, na hora da luta, estaremos.

Com toda a equipe. Foto: Carlos Ozório

Seu irmão foi para os EUA. Como você segue a preparação agora?

Sigo treinando no Rio, mas vou me organizar. Quero reunir um pessoal do wrestling para me ajudar. O Mark Munóz vai lutar agora e, se ele estiver disponível após a luta, vou ver a possibilidade de ele treinar comigo. Até semana que vem devo definir tudo isso.   

O Ryan Bader está invicto no MMA (11 lutas). O que espera desse oponente?  

É um cara duríssimo, que conseguiu unir o bom wrestling com a trocação. É um adversário de peso. Luta dura, mas vou para cima no Jiu-Jitsu e no boxe. É uma luta que terei que usar bastante o Jiu-Jitsu, será uma arma, mas o boxe está bom também. 

Contra Jazon Brilz. Foto: Josh Hedges

Na sua última luta o adversário acabou trocado em cima da hora. Saiu o Forrest Griffin e entrou o Jazon Brilz, teoricamente mais fraco. Entretanto, foi um combate duríssimo.    

O adversário cai próximo da luta e tem muita gente que não aceita, que pede para não lutar. Eu aceitei. Não vou negar que a troca de oponente prejudicou porque havia treinado 100% muay thai. O Griffin é um cara que usa muito os chutes e socos, vem para cima. O Brilz era justamente o contrário. Isso mudou toda a minha tática. Se eu tivesse treinado três meses para um cara do wrestling, poderia ter sido diferente. Mas consegui trabalhar bem no chão, mesmo quando fiquei por baixo ele não me machucou. Em cima, levei um cruzado forte, mas fui bem. O terceiro round venci de forma indiscutível. Foi bom, porque vi algumas falhas, mas acho que mereci a vitória. 

O que o Sonnen pode fazer no Anderson?”, Minotouro

O que espera da luta entre Anderson Silva e Chael Sonnen, no UFC 117?    

O Anderson é um showman, o melhor do mundo. O Sonnen, apesar de falar muito, é um adversário duro, um cara chato de lutar. Ele tem um wrestling absurdo de bom. Mas, se derrubar, o que ele vai poder fazer? O Anderson, no geral, tem muito mais perigo a oferecer. Vai se levantar e nocautear. O Anderson vai mostrar para ele quem é o campeão.

 E o Cigano, que enfrenta no mesmo evento o Roy Nelson, nocauteia de novo? 

O Cigano é um grande talento. Nunca vi um cara do tamanho dele ter a explosão e velocidade que ele tem. Se movimenta como alguém de 60kg. O Roy Nelson tem a mão dura, estamos respeitando isso. Mas o Cigano tem hoje o nível de um lutador de boxe profissional. Teria condições, hoje, de ser campeão mundial de boxe. O Dórea é fogo, deixou ele num nível incrível.

Ler matéria completa Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *