Mendes celebra “topo da categoria” e explica tática

Share it

O faixa-preta Rafael Mendes, 20 anos, já havia vencido quase todos os grandes campeonatos do Jiu-Jitsu. Faltava, porém, o principal.

Aqui, o fenômeno da Atos de Ramon Lemos comenta o triunfo no Mundial 2010 sobre o tetracampeão Rubens Cobrinha na final dos penas, em Long Beach domingo passado.

A final contra Cobrinha
“Eu usei uma estratégia, e a segui do começo ao fim para me sair campeão. A luta foi uma troca de raspagens e de tentativas de finalização. Numa final de Mundial eu não podia errar, pois para mim essa vitória é algo valioso demais, é minha consagração, minha realização pessoal e profissional, minha meta, meu foco, meu sonho. Então, num Mundial onde existem atletas tão treinados e com o mesmo foco que você, não se pode dar brechas – e eu acredito que estratégia é fundamental, traçar um plano de vitória e seguir para não acontecer imprevistos.”

Lutar solto
“Vi no blog da GRACIEMAG o Gurgel falando que se eu lutasse solto contra o Cobrinha, eu perderia. Respeito demais ele, Gurgel é um grande professor, está entre os melhores líderes de equipe com certeza, mas na minha opinião faltou reconhecimento. Todas as vezes em que venci o Cobrinha eles acharam um ‘porquê’, apresentaram algo como desculpa, nunca reconheceram que eu fui melhor. Uma vez o motivo foi a guarda 50/50, outra foi a luta de apenas seis minutos, e que se fosse dez ele me finalizava… Era isso, era aquilo.
Acho que, se eu venci o Cobrinha, não tirei nenhum mérito dele, nem ele é ‘pior’ por causa disso. Ele é brilhante e um exemplo como atleta para muitos, inclusive para mim. Mas não acho certo darem declarações tirando meus méritos, eu treino o dia todo, vivo em função disso.”

Nenhuma luta minha com o Cobrinha acabou 0 a 0” Rafa Mendes

A guarda polêmica
“Claro que o Fabio tem o direito de pensar assim e falar o que pensa. Mas, se somente uma posição fosse a responsável pela derrota do Cobrinha, todos os outros adversários teriam usado e vencido ele. Não é isso que faz diferença, e o Fabio como grande professor sabe disso. Não foi uma posição que me deu a vitória, mesmo porque eu não amarrei. Aliás, nenhuma luta minha com o Cobrinha acabou 0 a 0. Ele é um atleta muito rápido e habilidoso, logo se eu deixar ele solto, com certeza ele vai se sentir à vontade e vai desenvolver o jogo dele. É uma luta, eu preciso neutralizar os pontos fortes do adversário, então eu não o deixo se movimentar como quer, isso é uma questão óbvia para a vitória”.

Rafa e Cobra no embolo, na semifinal do Mundial 2009. Foto: Ivan Trindade.

A campanha rumo ao ouro inédito
“Finalizei minhas duas primeiras lutas no sábado, uma nas costas e outra no armlock. No domingo, venci Ryan Hall por pontos, consegui finalizar Denílson Pimenta e venci o Cobrinha na final nas vantagens. Foi fantástico, estavam todos os melhores da categoria e fui campeão. O Mundial está cada ano mais difícil e cheio de grandes atletas, mas eu estava muito confiante e com muita vontade de vencer. Graças a Deus, com muito treino, fé e dedicação eu consegui chegar ao topo da categoria – venci o ADCC, Europeu, Brasileiro, World Pro em Abu Dhabi e agora o Mundial, mas sei que isso é só o começo, mesmo porque só tenho 20 anos e vou lutar muito ainda, então terei que me manter por muito tempo e isso não é tarefa fácil, mas vou treinar muito para isso. Vou me dedicar muito, isso eu prometo.”

Seminários pelos EUA e Canadá
“Estou feliz demais, mas aproveitando para descansar bastante agora. Já já volto aos treinos. Vou ficar um mês e alguns dias fora de casa, eu e o Guilherme vamos ministrar alguns seminários que já tínhamos marcado aqui nos EUA. Vou para San Diego, Nova Jersey e Washington, depois vou para o Canadá, em Toronto, depois voltamos para casa para ver nossa família e treinar. Em agosto temos seminários em Guam, na Ásia, passando os seminários vou voltar a treinar já pensando nos próximos campeonatos.”

A derrota do mano no pluma
“O Guilherme ficou triste, ele cometeu um erro (contra Paulo Melo, nas oitavas de final) e isso comprometeu o título, mas ele tem uma boa cabeça e não é um campeonato que o deixa pior, ele vem vencendo tudo e com certeza vai continuar. Competição é assim, todos um dia perdem. É preciso saber lidar com isso, todo mundo tem seu ‘dia ruim’, mas ele é muito focado, já foi campeão mundial em todas as faixas e com certeza será muito mais. O importante é continuar os treinos, se dedicar muito.”

Vontade de treinar
“Obrigado a todos que vem deixando mensagens de incentivo no nosso Facebook, todas as pessoas que admiram nosso trabalho, nossos patrocinadores, parceiros de treino e nossa família, que com certeza estavam torcendo muito por nós. Isso nos faz ter ainda mais vontade de treinar, mais vontade de vencer e com certeza nos faz treinar para sermos melhores, nos superar a cada dia, então cada vitória nossa devemos a vocês também.”

Ler matéria completa Read more
There are 7 comments for this article
  1. Thiago A. at 4:16 pm

    Esses irmãos são os novos fenômenos da arte suave. É muito bom saber que o jiu-jitsu renova-se com naturalidade.

  2. Amnesio at 6:26 pm

    O Fábio Gurgel é um sujeito muito engraçado. Fala que o Rafael Mendes amarra nas suas lutas finais contra o Cobrinha, que o jiu-jitsu hoje se encontra muito travado (em especial por conta da guarda 50-50), etc., mas quando lutador protagonizava lutas extremamente monótonas. Basta rever as duas lutas que fez com o Amaury Biteti pelo absoluto nos primeiros mundiais. Em ambas ficou trocando “cabeçada” com o adversário e quando puxou para a guarda a manteve fechada até o final. Queria ver um comentário seu sobre essas lutas. Tá aí, Fábio Gurgel, vc se considera um lutador amarrão ou aquilo que vc fazia era a mais pura exibição da arte suave? Em razão disto é que suas declarações soam, para mim, como choro de mau perdedor.

  3. André at 8:03 pm

    O perdedor SEMPRE tem desculpas, querido Fábio Gurgel admita que o fabuloso cobrinha não esta conseguindo vencer o Rafa Mendes, é simples meu irmão, não esta conseguindo e ponto final, logo ele consegue, os dois são maravilhosos lutadores mas o cobra não esta conseguindo anular o jogo do muleke e pronto.
    Rafael parabéns você é o exemplo que o treino e dedicação no jiu jitsu vence a experiencia, isso é realidade, vc representa, e parabéns ao cobrinha tbm, abraços!

  4. Mini Me at 8:10 pm

    Sou suspeito pra falar porque sempre admirei muito o Gurgel, casca grossa de primeira, sempre levantou a bandeira do Jiu Jitsu, saiu muito na porrada, tanto no Jiu Jitsu como no vale tudo. Sou da época do desafio luta-livre x jiu jitsu e cresci admirando a geração do Gurgel.

    Mas tenho que concordar com nosso amigo Amnesio, muito coerente por sinal, tá mais do que na hora de eles reconhecerem que o muleque foi superior nas vezes que ganhou do Cobrinha, eles tão precisando exercitar um pouco a humildade deles.

    Basta ver aí o Rafael! Tá um monstro, ganhando tudo, super treinado e focado, estratégia perfeita e demostra ser um verdadeiro campeão no respeito com o adversário e na humildade! Moleque vc vai longe! Tá de parabens!

  5. Jony at 9:17 pm

    Ridiculo, como atleta e com pessoa ,ficou torcendo contra o Lucas não precisava torcer a favor mas contra é ruim de engolir . é só olhar o teu passado e lembrar que até rango el te due pra matar a tua fome falou…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *