Ninja de Jiu-Jitsu no Bitetti Combat

Share it

Ninja finaliza no katagatami. Foto: Carlos Ozório

O Bitetti Combat 7 contou com boas lutas e um pouco de polêmica na noite desta sexta-feira, na Fundição Progresso, Rio de Janeiro. Os principais destaques, Ninja usou o Jiu-Jitsu, Glover não teve trabalho, Maldonado pegou uma pedreira e Cristiano Marcello acabou “nocauteado”. 

Na principal luta da noite, Murilo Ninja tomou um susto contra o paraguaio Arturo “Tutu” Arcemendes. Levou um knockdown, mas depois raspou e encaixou um justo katagatami para finalizar aos 1min27s do round inicial. Quem gostou foi Paulo Filho, que, apesar de já ter enfrentado Ninja, ficou torcendo para o lutador ao lado do octagon. Já Glover Teixeira não deu mole para o muay thai de Tiago Mônaco. Tratou de quedar, pegou as costas e socou até o juiz separar, também no primeiro round. 

Glover na montada. Foto: Carlos Ozório

Fabio Maldonado vinha sofrendo contra o holandês Jeffie Gibbs, que trabalhava no clinch e aplicava boas joelhadas. Mas, no segundo assalto, entrou a mão pesada do brasileiro. Gibbs caiu de quatro apoios e foi socado até a interrupção. Polêmica foi a luta entre Cristiano Marcello e o costa-riquenho Alejandro “Mandarina” Solano. Cristiano foi melhor na primeira parcial, mas, no seguimento, em intensa trocação, o faixa-preta sentiu os golpes do oponente. O juiz acabou separado a luta, numa atitude que muitos acharam precipitada, o que levou a equipe CM System à loucura. 

Maldonado nocauteia. Foto: Carlos Ozório

Miltinho Vieira mostrou um bom Jiu-Jitsu e finalizou o peruano David Cubas Ytanaque na segunda parcial com um belo armlock. Vitor Miranda dominou o primeiro round contra Cássio Drumond, que desistiu no intervalo. 

Miltinho finaliza. Foto: Carlos Ozório

No melhor combate da noite, Cesar Mutante e Cassiano Tytschyo saíram na pancada. Melhor para Cesar que, depois de um forte soco, abriu um corte no rosto do oponente e a luta teve de ser interrompida. Na primeira luta da noite, Leandro Batata foi com tudo e nocauteou Wagner Tiburcio no ground and pound.       

Confira os resultados:

Bitetti Combat 7

Fundição Progresso, Rio de Janeiro

Dia 28 de maio de 2010

Murilo Ninja finalizou Arturo “Tutu” Arcemendes (Paraguai) com um katagatami no R1  

 Glover Teixeira venceu Tiago Mônaco por nocaute técnico no R1

Fábio Maldonado venceu Jeffie Gibbs por nocaute técnico no R2

Milton Vieira finalizou David Cubas Ytanaque com um armlock no R2

Alejandro “Mandarina” Solano venceu Cristiano Marcello por nocaute técnico no R2

Vitor Miranda venceu Cássio Drumond por nocaute técnico (desistência) no intervalo do R1

Cesar Mutante venceu Cassiano Tyschyo por nocaute técnico (interrupção médica) no R2

Leandro Batata venceu Wagner Tiburcio por nocaute técnico no R1

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. Jarbas at 3:16 pm

    Mais uma vez o Bitetti Combat foi um fracasso e a mídia especializada não fez o seu papel, ou seja, não dizendo a verdade sobre os fatos. Troca de adversários em cima da hora, “mortadelas” para fazer escada para os outros lutadores, lutas divulgadas que não aconteceram, etc. Fora a Carina Damn que subiu bêbada ao ringue para falar merda no microfone!

    Cobrinha vamos ser imparciais e fazer o verdadeiro papel de um jornalista!!

    • Carlos Eduardo Ozório at 4:10 pm

      Caro amigo, que sabe até meu apelido, concordo que o evento foi desorganizado e ficou devendo mesmo. Entretanto, as mudanças no card foram informadas e o caso da Carina foge da responsabilidade da organização. A outra menina não bateu o peso e a Carina não aceitou lutar, mesmo com uma porcentagem da bolsa da adversária. Fiquei sabendo que a luta não ocorreria pouco antes do evento, por isso não noticiei. Amigo, fiquei também chateado, porque, apesar até de alguns combates bons, o evento teve mais uma vez muitas falhas. Entretanto, já que vou a diversos eventos pelo Brasil, infelizmente constato que esse problema de troca de lutas em cima da hora, entre outros, acontece em praticamente todos. Por isso eu, Carlos Eduardo Ozório, adoto uma postura flexível quanto a isso, porque percebo as dificuldades dos empresários brasileiros na tentativa de fazer um evento de MMA. E isso vale para vários outros shows de luta. Entretanto, confesso que o Bitetti Combat, apesar de tentar reunir lutadores de nome, tem que melhorar bastante. Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *