Carta de Abu Dhabi IV

Share it

O presidente do UFC, Dana White, se mostrou tão decepcionado com o desempenho de Anderson Silva na disputa contra Demian Maia no UFC 112 quanto o resto da imprensa, o público presente, e eu.

Mas ele mostrou por que é o cara certo no cargo certo, na coletiva de imprensa após o evento. Dana chegou antes dos lutadores e saiu da defensiva ao se desculpar antes de qualquer pergunta. Disse que estava constrangido com o desenrolar da luta e que ainda não sabia como, mas ia dar um jeito de compensar o público de Abu Dhabi que prestigiou o evento, e quem comprou o pay-per-view. Só não sabia ainda como.

Ele também não sabia o que fazer com Anderson. E, corretamente, não quis tomar nenhuma decisão “puto” do jeito que estava. Mas o que mais me intrigava naquele momento não eram as consequências e sim o motivo de Anderson ter se portado daquela maneira.

Eu não vou dizer que sou íntimo do lutador, mas eu o conheço há mais de dez anos, e nunca o vi destratar ninguém, nem ter nenhuma atitude antidesportiva. Pelo contrário, sempre se referiu a outros lutadores como “mestre”. Mesmo na luta contra Thales Leites, que foi chata, ele não passou do limite do desrespeito.

Com Demian, no entanto, ele tripudiou. Foram cinco rounds xingando, gesticulando, imitando outros lutadores e isso tudo sem concretizar o que queria dar a entender, que podia decidir a luta a qualquer momento. Resultado, em quase 20 anos acompanhando eventos de vale-tudo, foi a primeira vez que vi um lutador chegar com apoio de 100% da torcida no estádio, e deixar o ringue com 100% da torcida contra, ainda que vitorioso.

Anderson foi o último lutador a chegar na coletiva. Diversas perguntas me passaram pela cabeça, mas não fiz nenhuma. Não achei que fosse ajudar o leitor, naquele momento, tentar colocar o campeão nas cordas. Mas também não precisei, porque outros jornalistas não tiveram o mesmo pudor. Ele começou dizendo que Demian tinha desrespeitado ele como um artista marcial, como um faixa-preta. Outro repórter perguntou como, ele enrolou e repetiu a mesma coisa. Mas o colega não se contentou e perguntou novamente o que Demian teria feito exatamente.

Foram declarações, segundo Anderson, e deu um exemplo, de que “a aranha tinha quatro (sic) patas, e uma Demian ia pegar”. Nada tão forte, né? Talvez não tenham sido as declarações, mas como elas foram dadas. Não importa. A verdade é que se Demian realmente desmereceu de alguma forma o status de Anderson Silva como professor faixa-preta, bem… Demian está certo.

Veja bem, nada e ninguém vai tirar o mérito de Anderson como lutador de vale-tudo. Ele já provou repetidamente que está entre os melhores da história. E o desnível na luta em pé entre ele e seus adversários, já escrevi isso antes, é o mesmo de um faixa-preta para um faixa-branca ou azul num treino de Jiu-Jitsu, exemplificando para que a massa de leitores que treina de kimono entenda melhor.

O problema é que a técnica é o que menos importa na classificação de alguém como faixa-preta. A técnica é adquirida ao longo dos anos em que você de fato está na academia educando valores. E entre eles está o respeito. Respeito ao pai, à mãe, à mulher, ao marido, à hierarquia, ao estranho e, principalmente, ao adversário.

E se com aquele show de humilhação que ele impôs a Demian no sábado à noite Anderson queria provar que era um faixa-preta, ele conseguiu exatamente o contrário. Para piorar a situação, sua atitude contrastou com a de Demian, que manteve a cabeça no lugar, lutou até o fim, mesmo humilhado e com o nariz fissurado, e jamais perdeu o respeito, como se espera de um faixa-preta.

Ler matéria completa Read more
There are 22 comments for this article
  1. Daniel Ribeiro at 7:13 am

    Desde que o Demian começou a aparecer no UFC como finalizador competente, me tornei fã dele de primeira. Depois do que aconteceu no UFC 112, minha admiração por ele só cresceu. Ele se portou como um guerreiro, honrado e íntegro, é um exemplo a ser seguido dentro e fora dos tatames.

  2. Márcio at 8:09 am

    Luca, parabéns pela cobertura, foi ótima e, pelo seu texto final. Nós, aqui no Brasil sentimos a mesma coisa.
    Uma pena.

  3. Matheus - BSB at 3:00 pm

    O DW deveria colocar a proxima luta dele no undercard pra baixar a bola do negão. Ele tá se achando maior do que o esporte. Tá certo que ele não deve gostar de bater em brasileiro, mas acima de tudo ele é um profissional de luta e não um palhaço de circo. Senão vai trabalhar no Cirque du Soleil.

  4. msed at 3:34 pm

    Vergonha foi o Renzo Gracie que foi nocauteado e não conseguia nem andar!!!!
    Anderson Silva deu show!!! O Damião saiu com o olho fechado e o nariz quebrado!!!!! Se o Anderson correu pq o Demian não correu atrás???? Anderson Muhhamed Zulu!!!!

  5. Fabio at 4:25 pm

    Esta 4ªcarta, resumiu bem minhas palavras em relação ao comportamento demostrado pelo Anderson Silva. Totalmente incompatível com as virtudes que moldam um faixa-preta, notem que a pouco tempo o Braga Neto teve uma atitude parecida arriando as calças. Acho que os professores deveriam fazer uma avaliação do indivíduo, não apenas sua técnica, antes de entregar a tão sonhada faixa-preta, que simboliza o professor, o mestre, aquele que ensina o caminho… e atitudes como a do Anderson não devem ser espelho para ninguém

  6. Fabio at 4:33 pm

    Queria parabenizar o Renzo,mais que um campeão, é um exemplo. Um ídolo, botando a cara aos 42 anos… O verdadeiro guerreiro não se importa com o vencer ou perder, e sim em continuar lutando

  7. João Neto at 7:25 pm

    Ok, o Aranha fez uma luta palhaça.
    Mas e aí? MMA não é arte marcial não!!! É esporte de combate e não existe esse negócio de total respeito no ringue.
    Lembro de tantos outros que fizeram isso e não foram tão criticados:
    Sakuraba, kevin Randleman, Rampage, Tito Ortiz, Macaco, Coleman, Don Frye, Tiago silva, Pelé e o próprio Wand sempre foram tirados.
    Na verdade, eu acho que o Aranha é compadecido dos adversários brasileiros. Ele manera com os caras, haja vista que Maia e Leite poderiam ter sido nocauteados facilmente por ele.
    A imprensa está pegando no pé porque o Demian, e também o Thales, são queridinhos do JJ.
    Pô, se o cara tá te irritando, mais um motivo para ir lá e encher a lata dele.
    O problema é fazer isso…

  8. Gamal at 8:03 am

    Alguns comentários refletem a forma como o cenário das artes maricais é encarado atualmente. Os valores se perderam com o tempo, a busca constante e desnecessária em se estabelecer qual a melhor arte marcial, o melhor lutador …
    O objetivo primordial das artes marciais é a formação do caráter do individuo, atribuindo desenvolvimento e consciencia corporal, além de proporcionar ao praticante a melhora na auto-estima, para elencar apenas alguns dos objetivos.
    O respeito ao proximo, independente de qualquer situação, é o que pauta as relações entre os individuos. Um individuo que represente algo para os demais deve, sempre, dar o exemplo, ser a referência.
    A superioridade técnica é, tão somente, o reflexo de muita dedicação, mas, não estabelece superioridade entre os individuos, que são iguais e devem ser respeitados sempre.

  9. Wallace Rettich at 10:59 am

    João disse tudo, faltou ainda um atleta que o Spider é fã, Roy Jones Jr, o rei das palhaçadas.
    O Dana White fez um showzinho, mas na verdade ele depende muito do Anderson, o cara por si só é uma mina de ouro, o Dana vai ficar muito feliz de ver o Anderson no StrikeForce.
    Agora tem uma porrada de lutador querendo se fazer com o nome dele, dizendo que ele não foi justo e não foi humilde.
    A verdade é que ele pode fazer o que ele quiser dentro do ringue, ninguém acerta o cara, enquanto isso for verdade absoluta, os críticos tem que engolir. Os próximos a sofrerem são Vitor e esse tal de Chael Sonnen! Aguardem o Spider!!

  10. Flavio at 11:18 am

    Na verdade os caras temem o jiu-jitsu, o Demian foi lá e enfrentou ele na torcação e esperando uma oportunidade para levar para o chão, enquanto o Anderson acertou alguns que era sua obeigação já que é especialista e depois ficou dando uma “miguezada”, típico dos caras da trocação. Espírito de luta que o jiu-jitsu tem nenhuma outra arte supera…

  11. Thomás at 12:10 pm

    Toda a série “Cartas de Abu Dhabi” foi muito interessante, indo além do jornalismo meramente objetivista. O relato em 1° pessoa em formato de carta, nos aproximou do clima dos bastidores das batalhas no deserto. E essa última encerrou a viagem à terra dos sheiks de forma precisa, levantando a questão principal a ser debatida depois do triste episódio da defesa do cinturão do campeão do peso médio: a honra, o respeito e a atitude no octógono que deveria ter um verdadeiro faixa-preta.
    Sim, Anderson Silva é o campeão, é um dos maiores e mais completos lutadores da história contemporânea das artes marciais, mas não é um mestre, não traz consigo os atributos principais esperados de um grande faixa-preta.
    A atuação cheia de garra e a humildade e hombridade das declarações nas entrevistas “pos-fight” de Demian Maia tornaram as falhas de Anderson ainda mais visíveis.
    Anderson Silva mereceu vencer, soube aproveitar, com sua experiência e técnica, o nervosismo inicial de Maia e abriu larga vantagem nos dois rounds iniciais – quase chegando ao nocaute. Depois, se limitou a fugir e administrar o resultado sem correr o risco de ser derrubado e finalizado pelo faixa-preta Demian.
    A estratégia de luta (fugir por 3 rounds para ganhar nos pontos) adotada pelo campeão pode ser questionada. Ele venceu o “jogo” MMA, nas regras do UFC, mas não quis entrar no octógono pra se provar, pra ver quem afinal é o melhor. Não teve o espírito de samurai, que entra para matar ou morrer e assim testar – e, consequentemente, ampliar – seus limites. Mas entendo que muita coisa estivesse em jogo: o cinturão, a invencibilidade dentro do evento, o legado que Anderson sempre diz querer deixar… entendo que isso contribua para uma atitude conservadora quando ele enfrenta adversários que são mestres onde ele é menos bom, na luta de chão (não é por acaso que somente as lutas contra Thales e Demian tenham terminado por pontos). As regras do MMA atual beneficiam claramente os strikers: a busca por proporcionar um “show” para um público em sua maioria ainda pouco íntimo da luta de solo, o tempo limitado e as constantes intervenções do juiz, mandando os lutadores se levantarem quando julga não haver combatividade no solo (julgamento completamente subjetivo e questionável, ainda mais se formos à raiz do funcionamento do jiu jitsu brasileiro, que depende de um trabalho paciente e técnico na administração do peso e balanço em cada posição conquistada). O jiu jitsu depende de tempo e precisão paciente. Hélio Gracie, em sua juventude, conseguiria enfrentar esses atletas altamente treinados, fortes e cheios de gás, em uma luta de três rounds de cinco minutos? Mas agora me pergunto quantos desses atletas conseguiria travar um luta sem tempo, como tantas vezes o Gracie fez. Numa luta sem rounds, quanto mais o tempo passa e os lutadores se desgastam, menos capacidade de nocaute terão os socos e chutes, enquanto as finalizações ainda continuam sendo sempre um possibilidade do lutador exausto. Assim, um striker ou wrestler, que queira usar seu ground and pound, terão que se arriscar muito mais nos minutos iniciais em busca do nocaute, pois com o passar do tempo o lutador de solo só ampliará sua hipotética vantagem. Enfim, em tempos de cross training, já me estendi demais com essa fala nostálgica de quem gostaria de ver quem são realmente os melhores em uma luta com regras mais realistas.
    Fato é que, dentro das regras do UFC, Anderson adotou uma estratégia que, por mais feia que seja, lhe garantiu a vitória. O grande problema não foi esse, mas sim o enorme desrespeito que demonstrou por Demian, um homem que dedicou sua vida à arte marcial, que se preparou muito para naquele momento estar em cima do octógono enfrentando um dos maiores lutadores do mundo.
    Nem sempre, o melhor homem vence. Nem sempre o que se porta de maneira mais honrada tem seu braço erguido ao final da luta. Mas nesse caso, acho que a história tem grandes chances de fazer justiça a Demian Maia. Vejo nele o talento e a postura de alguém que tem tudo pra ser campeão em seu peso. Com um pouco mais de experiência, continuando a lapidar seu boxe e suas quedas, Demian poderá ser o novo dono do cinturão dos pesos médios. E aí, então, voltarei a ter orgulho de um brasileiro ocupar esse posto.

  12. André at 11:43 pm

    Luca, parabéns pela sequência de cartas.
    Concordo 100% contigo. O Anderson foi desrespeitoso ao extremo.
    E não merece mais o respeito e consideração da família do Jiu-Jitsu.
    Aliás, como faixa-preta que sou, tenho vergonha de tê-lo como “colega”, pois isso denigre nossa classe.
    Para ser um faixa-preta de Jiu-Jitsu, não é necessário ter somente técnica (que tenho dúvidas se ele as tem).
    É necessário também ter HONRA, CARÁTER e RESPEITO.
    Um abraço

  13. Ligeirinho at 4:20 am

    em relaçao ao comentario do Sr. Joao Neto, eu concordo em parte, porem a primeira afirmaçao dele é absurda, dizendo que MMA ñ é arte marcial!!!
    Vôce sabe o que significa a sigla “MMA”?
    Grande abraço!

  14. Airton at 2:53 pm

    Bom meu unico comentario é pra dar os parabens ao Luca Atalla,muito bom suas cartas, lendo-as parecia até que estava la em Abu Dhabi… muito bom ficaria melhor se vocês fizesem da mesma forma com o World Pró.
    parabéns mais uma vez.

  15. Sylvio Behring at 6:04 am

    Cabe ressaltar que estamos em Abu Dhabi para o World Pro e o ambiente aqui tem sido espetacular. Tanto na qualidade das lutas e do evento, como no ambiente amistoso e respeitoso entre atletas, organizacao, tecnicos e imprensa.
    Mas quando o assunto converge para MMA… UFC… e inevitavel comentar sobre a atuacao do Anderson contra o Demian. E a maioria, que conhece o Spider, mesmo com reprovacao ainda acreditam que o Spider caia em si e seja quem realmente e. Nao esse personagem arrogante que representou aqui no fim de semana passado e que fez levantar e sair da arena, um grande numero de espectadores frustrados como se arrependessem de estar ali. Segue o texto:

    “Parabens pela clareza e capacidade de trazer um fato de repercussao internacional, que coloca um dos maiores talentos brasileiros de todos os tempos na maior sinuca, para uma reflexao bem mais ampla.
    Com certeza a luta foi uma decepcao, para quem esperava mais um show do Spider. Quem assiste aos seus treinos e sabe da sua condicao, foi uma tortura ve-lo evitar o combate… a gente prepara o atleta para subir la e dar o seu melhor, e nao simplesmente o suficiente. Durante o evento, ja que ficamos assistindo, somos meros torcedores. As emocoes do torcedor sao tendenciosas, beiram e as vezes atingem um grau exagerado que foge a razao.
    O Anderson, foi: perfeito em alguns momentos, irreverente em outros, arrogante, brilhante, irritante, humilhante, em fim… o que ele fez no ringue, nao foi reprovavel aos olhos de um treinador. Ele e um ser humano e tem seus momentos de alta performance ou nao, dependendo de seu estado fisico, tecnico e principalmente psicologico.
    Mas como faixa preta e campeao, ele precisa melhorar seu discurso. Se nao era para pedir desculpas, nao pedisse ao final da luta. Se era para dar uma licao, nao precisava dizer para ninguem… licao so se da quando o outro aprende.
    Nao creio que o Demian precisasse de licao alguma, era um desafiante como todos os outros. E lutou ate o fim, castigado e machucado. Foi um tiro pela culatra, se era para punir… acabou levantando a bola do Demian.
    Que o Anderson e o melhor, nao ha duvidas! Sou um dos seus maiores fas e admiradores.
    Mas quem levou a licao fomos todos nos.”

    Com certeza, posso afirmar que o Anderson tem refletido para digerir as consequencias do acontecido e voltara com a licao aprendida para mostrar ao mundo o grande Campeao e Homem que e.
    E nao tenham duvida de que ainda veremos o nosso melhor lutador de MMA da atualidade, encher os nossos olhos com a sua arte e nos alegrar com suas vitorias.
    Obrigado e um abraco,

    Sylvio Behring

  16. Jose at 2:48 pm

    O Brasil precisa mais “playboys do c*” como o Anderson se referiu ao Demian e menos fanfarrões. O Anderson faz o que quiser, luta, como ele quiser, o que não pode é xingar o Demian de “playboy do c*”. Por caso os filhos do anderson passam fome? O que o Demian tem de “playboy do c*”? é branco e estudou? O Anderson sai na porrada todo dia pra prover tudo para os filhos dele, para no futuro alguem chegar e chama-los de “playboy do c*”? E não xingou só o Demian. Xingou todos nós, inclusive você Sylvio Behring.

  17. francisco jose holanda at 10:35 pm

    O PROBLEMA DO ANDERSON SILVA!COM TODO RESPEITO PELO QUE ELE REPRESENTA HOJE PARA O MUNDO DO MMA, É AUSENCIA DE HUMILDADE! QUALIDADE PRIMORDIAL PARA QUE O PRATICANTE DE QUALQUER ARTE MARCIAL SE TORNE VERDADEIRAMENTE MERECEDOR DA
    ADMIRAÇÃO E DO RESPEITO DE TODOS…E ISSO EU ACHO QUE ELE AINDA NÃO ABSORVEU
    COMO DEVERIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *