Em formato que está ganhando, Wallid não mexe

Share it

Wallid Ismail já tem o próximo Jungle Fight marcado. Será no dia 17 de abril em São Paulo, em local que o amazonense preferiu não divulgar ainda para o GRACIEMAG.com.

“Será mais uma edição do Jungle Fight Qualifying. Eu na verdade gosto de chamar de JF Warriors, porque os atletas que a gente escala já são mais do que qualificados. O maior exemplo é o Paulo Thiago, que apareceu no Jungle já com cinco vitórias, e hoje está no UFC. Isso é uma das provas de que o Jungle Fight é o maior evento da América Latina”, lembra Ismail.

Aproximando-se do 20º Jungle, o cartola pretende manter uma fórmula que vem dando certo desde o primeiro evento, nas margens do Rio Negro, na selva Amazônica – ter sempre um campeão de Jiu-Jitsu defendendo as cores da arte suave no show.

De fato, desde 2003, sempre houve um campeão nacional, pan-americano ou mundial no pano no ringue do Jungle. Ronaldo Jacaré, Fabricio Werdum, Fredson Paixão, Gabriel Napão, Bibiano Fernandes, Jorge Macaco, Carlão Barreto, Alexandre Pimentel, Rodrigo Damm, Daniel Moraes, Serginho Moraes e Claudio Godoy se revezaram no papel de astros do evento.

“E no Qualifying de Fortaleza em 2009 tivemos lutadores campeões do Norte-Brasileiro da CBJJ, tá pensando o quê”, acrescenta Wallid.

Para um evento que já trouxe Renato Babalu, José Pelé, Lyoto Machida, Vanessa Porto, José Aldo, Tony de Souza, Thales Leites, Alexandre Cacareco e tantos outros, a presença de um campeão de Jiu-Jitsu é fórmula para atrair audiência, vontade de fortalecer os novos valores ou já virou mandinga?

“Olha, eu simplesmente continuo acreditando que o Jiu-Jitsu é uma parcela enorme do MMA. Nossa luta hoje é pela popularização do esporte, e o bom lutador de Jiu-Jitsu sempre vai ter lugar no espetáculo. O secretário Walter Feldman quer que façamos um Jungle por mês, para divertir o público de graça. Vamos popularizar o MMA, podem acreditar que o esporte vai bater o futebol”, aposta o cartola, e faixa-preta. Confira as fotos do último evento, pelas lentes do carioca Caio Licio.

18º Jungle Fight
Pacaembu, São Paulo, Brasil
20 de março de 2010

Sergio Moraes (Alliance) finalizou Etoube Manuelo (Clube da Luta-Peru) na kimura aos 4min06s do 1R
Edilberto Crocotá (Champion-Bahia) finalizou Pedro Iriê (Ichigueki) na guilhotina aos 2min11s do 1R
Claudio Godoy (Center Fight) venceu Fernando Duany (Clube da Luta) por nocaute técnico aos 47s de luta
Pedro Munhoz (Gibi Thai) venceu Pablo Alfonso (Master Cuba América) por decisão unânime dos jurados
Renato Moicano (Constrictor Team) finalizou Marcos de Almeida (Asle) no mata-leão aos 1min27s do 3R
Eric Becker finalizou Douglas Bertazini no mata-leão aos 3min42s do 3R
Gil de Freitas (Barbosa) finalizou Junior “Killer” (Fight Sports) no armlock aos 3min03s no 2R

Disputa pelo título brasileiro Low Kicks:
Ernani Perpétuo (RJ) venceu Marcelo Amaral (SP) por nocaute no 2R

[flickr set=72157623561310605]

Ler matéria completa Read more
There are 2 comments for this article
  1. Lucio Ravena at 6:04 pm

    Wallid esta mais do que certo, o MMA cresceu graças aos lutadores de JJ, começou com os Gracies, se popularizou com o Royce, e a maioria das grandes lutas, são em com os lutadores de JJ…

Deixe uma resposta para Little Cancel comment reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *